Abono pecuniário: saiba como vender suas férias e calcular o quanto irá receber

O abono é um dos direitos do trabalhador, descrito no artigo 143 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), e possibilita a venda de até 1/3 das férias ao empregador

O trabalhador do regime CLT tem direito de vender até 1/3 de suas férias. Conhecido como abono pecuniário, a prática é descrita no artigo 143 da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) e possibilita vender até dez dias de férias ao empregador. De acordo com a CLT, o trabalhador tem 30 dias de férias após 12 meses de trabalho (período aquisitivo).

Porém, o tempo de afastamento pode sofrer reduções levando em conta as faltas do trabalho sem justificativas. Dessa forma, levando em consideração as faltas sem justificativas, o número de dias que o trabalhador tem direito a vender também pode ser menor. A redução pode acontecer, de acordo com o artigo 130 da CLT, da seguinte maneira:

  • até 5 faltas: 30 dias;
  • entre 6 e 14 faltas: 24 dias;
  • 15 e 23 faltas: 18 dias;
  • 24 e 32 faltas: 12 dias;
  • mais de 32 faltas: não há direito a férias.

Por isso, o cálculo não deve levar em conta os 10 dias, mas 1/3 do período de férias. O trabalhador só pode fazer a venda 1/3 das férias porque, segundo a legislação trabalhista, o trabalhador pode ter problemas de saúde caso não respeite o período de descanso.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Como vender minhas férias?

O processo acontece internamente. Assim, o trabalhador que tiver interesse em vender até 10 dias de férias deve comunicar o empregador com pelo menos 15 dias de antecedência do período aquisitivo. Ou seja, antes de completar os 12 meses de trabalho que dão direito as férias. Então, é necessário trabalhar os 10 dias que o trabalhador vendeu.

O empregador não pode recusar a compra de 1/3 das férias do trabalhador, porque é direito do trabalhador. A empresa também pode fazer a oferta, todavia o trabalhador não tem a obrigação de aceitar. Dessa maneira, ele não pode ser imposto pelo departamento de Recursos Humanos. Caso isso aconteça, o trabalhador tem direito às férias em dobro pela irregularidade na concessão do período.

Segundo a Reforma Trabalhista, as regras para os trabalhadores em regime de tempo parcial são as mesmas, incluindo o direito ao abono.

O pagamento do abono pecuniário é feito até dois dias antes do início das férias, junto de seu pagamento. Portanto, o empregado recebe a quantia das férias integrais e os 10 dias trabalhados. Entretanto, ele não integra a remuneração do funcionário para os efeitos da legislação trabalhista, como o recolhimento do INSS. Assim, o artigo 143 descreve:

Art. 143 – É facultado ao empregado converter 1/3 (um terço) do período de férias a que tiver direito em abono pecuniário, no valor da remuneração que lhe seria devida nos dias correspondentes.

1º – O abono de férias deverá ser requerido até 15 (quinze) dias antes do término do período aquisitivo.

2º – Tratando-se de férias coletivas, a conversão a que se refere este artigo deverá ser objeto de acordo coletivo entre o empregador e o sindicato representativo da respectiva categoria profissional, independendo de requerimento individual a concessão do abono.

 

Como calcular o valor do abono?

O valor do abono corresponde a 1/3 das férias do empregado. Dessa maneira, o empregado ganha em dobro: tendo as férias de 30 dias, ele vende 10, aproveita 20, que serão pagos com o adicional de 1/3 e o abono correspondente aos 10 dias. Em resumo, o trabalhador recebe a quantia das férias integrais e o valor dos 10 dias (ou 1/3 das férias) trabalhados normalmente.

Portanto, para saber qual é o valor adicional, basta dividir a remuneração mensal pelo total de dias do mês e multiplicar por 10.

 

Casos específicos

Assim como mencionado acima, o abono pode sofrer reduções caso ocorra um certo número de faltas sem justificativas, conforme disposto no artigo 130 da CLT. O direito permanece, mas deve ser proporcional ao número de dias de férias.

Já quando ocorre férias coletivas, a decisão do abono pecuniário acontece mediante acordo ou convenções coletivas. Dessa forma, não são aceitas as colicitações individuais.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes