Programa de corte de jornada e salário termina dia 31 dezembro

Aquele que firmou acordo com o empregador terá direito à manutenção do emprego referente ao período do contrato suspenso ou salário reduzido

Chega ao fim o Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) nesta quinta-feira (31). Em vigor desde abril, os acordos de corte de jornada e salário ou suspensão de contrato serão encerrados.

Com o encerramento do programa, as empresas devem voltar à jornada de trabalho normal a partir da sexta-feira (1/1). Aquele que firmou acordo com o empregador terá direito à manutenção do emprego referente ao período do contrato suspenso ou salário reduzido. Portanto, em casos de dispensa, o empregador deve pagar uma indenização que varia de 50% a 100% do salário. Após o período, as dispensas ocorrem conforme as regras normais anteriores a adesão ao programa. Entretanto, a renovação das regras pode acontecer caso o programa seja renovado.

 

Corte de jornada e salário pode ser prorrogado?

A prorrogação está sendo estudada pelo Ministério da Economia, conforme afirmações do secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, em evento de divulgação do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) na última quarta-feira (23).

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Para 2021, não está prevista a prorrogação do decreto de calamidade pública em função da pandemia. Dessa maneira, o governo volta a ter que cumprir normas fiscais e a conviver com maior restrição de despesas. Todavia, a equipe econômica não descarta a possibilidade de o decreto continuar em caso de uma segunda onda de covid-19 ou agravamento da crise sanitária.

“A prorrogação do programa ainda passará pelo crivo, análise do ministro [da Economia, Paulo Guedes], e uma última análise pelo presidente da República [Jair Bolsonaro]. Nós daremos todos os subsídios técnicos e estamos avaliando de maneira criteriosa se ainda há necessidade, se os setores ainda estão usando o benefício emergencial e se precisaríamos de uma prorrogação”, afirmou Bianco.

Por outro lado, a prorrogação da medida possui uma restrição orçamentária, mesmo com sobra de verba no programa, e depende de um orçamento extraordinário. De acordo com o jornal O Globo, a União reservou R$ 51 bilhões para a execução do programa e gastou R$ 32,6 bilhões com a medida. Por outro lado, a pasta também precisa de uma reserva orçamentária para pagamento de recursos e ações judiciais, além do pagamento de dezembro.

 

Programa BEm

Em suma, a medida de corte de jornada e salário foi feita em abril, e tem previsão para acabar em 31 de dezembro, prazo do decreto de calamidade pública. O programa tem o objetivo de evitar as demissões em massa, e foi instituída durante a pandemia da covid-19. A primeira prorrogação do programa, então, aconteceu no dia 14 de julho, elevando para até 4 meses o período para empresas reduzirem a jornada e salários. Em agosto, ficou estabelecido que o prazo poderia ser de até seis meses. Agora, o limite vai a oito meses.

O Benefício Emergencial de Preservação de Emprego e Renda (BEm) permite a suspensão de contratos ou a redução de até 70% da jornada de trabalho e salários.

 

Leia também:

Com inflação do aluguel em 23,14%, saiba como renegociar os valores

Não recebeu o PIS/PASEP? Entenda o que pode ter acontecido

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes