Deputados propõem licença-maternidade de 240 dias e metade do salário

Proposta traz a opção do salário integral e 120 de licença-maternidade, regra atual, ou 240 dias de afastamento com metade da remuneração

Em proposta que altera a Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), o Projeto de Lei 5373/20 propõe que a trabalhadora mãe ou adotante possa optar por 120 dias de licença-maternidade com salário integral, como é a regra geral atualmente vigente, ou então por 240 dias de afastamento com a metade da remuneração.

 

Proposta e tramitação

O texto segue em tramitação na Câmara dos Deputados, e tem autoria dos deputados Jorge Goetten (PL-SC), Carmen Zanotto (Cidadania-SC) e Wellington Roberto (PL-PB). “A proposta permite que mães ou adotantes tenham mais tempo para os filhos sem o fantasma da demissão ou da perda de rendimentos”, afirmam os autores.

“Do ponto de vista fiscal, o texto não onera a Previdência Social, uma vez que o somatório dos benefícios mensais será exatamente o mesmo”, continuam. “Para os empregadores, vislumbramos maior possibilidade de retenção dessas profissionais no trabalho.”

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Como funciona a licença-maternidade?

A licença-maternidade é um período de afastamento de mulheres que estão prestes a ter um filho, ganharam um bebê ou adotaram uma criança. Assim, é garantida pela Constituição Federal desde 1988, e prevê 120 dias pagos pelo sistema de previdência social. Dessa forma, o valor é pago pelo empregador, com reembolso pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS).

 

Quais os prazos?

Atualmente, a regra geral estabelece os seguintes prazos:

  • Licença de 120 dias no caso de parto;
  • 120 dias no caso de adoção de menor de idade ou guarda judicial para fins de adoção;
  • 120 dias no caso de natimorto (morte do feto dentro do útero ou no parto);
  • 14 dias no caso de aborto espontâneo ou previstos em lei (estupro ou risco de vida para a mãe), a critério do médico.

Para os trabalhadores de carteira assinada em que a empresa aderiu ao programa “Empresa Cidadã”, os prazos podem ser ampliados:

  • O parto é ampliado em mais 60 dias, totalizando uma licença de 180 dias;
  • No caso de adoção ou guarda judicial, se a criança tiver até um ano, a licença de 120 dias aumenta em 60 dias. De um ano a quatro anos completos, são 30 dias a mais, e de quatro anos até oito anos são 15 dias extras.

Além disso, convenções coletivas também podem ampliar a licença. Por fim, a licença passa a valer quando a trabalhadora se afasta do trabalho. Empregadas de carteira assinada, MEIs, autônomas e facultativas podem iniciar o afastamento com até 28 dias antes do parto ou a partir da data de nascimento do bebê.

 

Leia também:

Salário-maternidade: saiba quem tem direito e qual o valor

Saiba como solicitar salário-maternidade pelo Meu INSS

Fonte Agência Câmara

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes