Copom se reúne nesta quarta (28) e deve manter taxa de juros a 2%

Segundo previsões do Banco Central, taxa deverá ser mantida até setembro de 2021. A partir de outubro do ano que vem, a taxa tende a subir a 2,5%.

Copom (Comitê de Política Monetária) se reúne nesta quarta (28) e a projeção dos analistas é que a taxa Selic, seja mantida em 2% ao ano. A decisão será anunciada às 18h.  A alta dos preços dos alimentos no mês passado fez a inflação disparar. Em setembro, a inflação somou 0,64% – maior patamar desde 2003. No começo de outubro, o índice avançou para 0,94%, sendo a maior taxa para o período de 25 anos.

O Copom fixa a taxa básica de juros com base no sistema de metas de inflação. Para o ano que vem, a meta é de 3,75% e será oficialmente cumprida se o índice oscilar de 2,25% a 5,25%. Contudo, por mais que a inflação esteja crescendo nos últimos meses, a previsão mais recente dos economistas é de que somará 2,99% em 2020 e 3,10% em 2021 – ficando, assim, abaixo da meta central para o ano que vem.

A meta de inflação é proposta pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) e para alcançá-la, o Banco Central eleva ou reduz a taxa básica de juros, a Selic.

“Copom se reúne, mas taxa não será diferente”, segundo economista

Segundo os analistas financeiros, a alta da inflação e a falta de clareza sobre o controle dos gastos públicos poderão elevar a taxa de juros em 2021 – mas, com a manutenção da taxa de 2% da taxa Selic até setembro de 2021. A partir de outubro do ano que vem, no entanto, o aumento deverá ocorrer. Pelas estimativas, a taxa avançaria para 2,5% ao ano em outubro de 2021, para 2,75% em dezembro, para 3% ao ano em janeiro de 2022 e para 3,25% ao ano em março daquele ano.

De acordo com pesquisas feitas ainda pelo Banco Central, para o fim de 2022 e 2023, a previsão do mercado é que a taxa Selic suba para 4,5% ao ano e 6% ao ano, respectivamente.  Segundo o economista-chefe da Nova Futura Investimentos, Pedro Paulo Silveira, o Banco Central deve sinalizar, no comunicado da reunião do Copom, alguma mudança ou decisão diferente para um segundo momento. Talvez subir a taxa de juros num futuro próximo ou indicar alguma iniciativa mais tranquila em relação aos riscos de desaceleração da economia. Isso é o que eu espero por ora, mas não vejo nada de diferente em relação à taxa básica de juros [nesta quarta]“, explicou ele.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes