Dívida no cartão de crédito é um problema? Saiba como se livrar dela

O cartão de crédito tem os juros mais altos do país, por isso, se torna um grave problema para várias famílias no Brasil. Confira, então, algumas dicas para se livrar das dívidas de crédito.

0 98

As dívidas provenientes do cartão de crédito são o maior problema dos consumidores brasileiros. Segundo pesquisa da Confederação Nacional do Comércio (CNC), de 2018, 77,4% das famílias endividadas no Brasil tem em comum esse mesmo vilão. Os juros médios do cartão de crédito chegaram a 333,9% em fevereiro, segundo o Banco Central (BC).

Ou seja, o cartão de crédito pode ser perigoso, se não usado com cautela. Contudo, esse problema de endividamentos é recorrente no país. Por isso, o DCI conversou com a consultora financeira Lavínia Martins para dar algumas dicas sobre como se livrar da divida do cartão de crédito e não fazer outras.

Por que o cartão de crédito é perigoso?

Além dos juros do cartão resultarem nas maiores taxas do Brasil, o cartão oferece outros perigos na hora de usar. Lavínia aponta que o limite do cartão costuma ser duas ou três vezes maior que a renda da pessoa. Por isso, o consumidor deve sempre lembrar que “o cartão não é uma extensão do salário, ele é um instrumento de crédito.” E que “crédito é divida, é crédito para quem empresta, mas é divida para quem está pegando emprestado.” O maior problema do cartão, segundo a consultora,  é que as pessoas usam o cartão e esquecem as dividas que elas já fizeram. Portanto, vão parcelando e acumulando dividas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Além disso, muitas vezes as pessoas não se endividam apenas com as contas do cartão de crédito. Mas também fazem outras dividas, como financiamentos de carros ou imóveis. O que no final gera um montante enorme a ser pago. “Essas dívidas acumuladas fazem com que as pessoas percam o controle.” aponta Lavínia.

Como se livrar da divida de cartão de crédito?

A primeira coisa a se fazer, aponta a especialista, é “colocar o cartão na gaveta e esquecer ele em casa” para não usa-lo mais. Se a pessoa já está endividada e precisa pagar as parcelas da divida, ela deve parar de gastar para evitar aumentar esse déficit. Com o cartão em mãos pode ser difícil evitar os gastos extras, por isso, o melhor é não usa-lo mais nas compras.

Em seguida, ela aconselha a “trocar uma divida cara por uma mais barata”. Isso quer dizer tomar um empréstimo em um banco para pagar toda a divida com a administradora do cartão. Dessa forma, você vai ter que pagar o crédito, mas com juros menores do que os anteriores. “É uma forma de reduzir o custo da divida. Em vez de pagar a administradora do cartão, você paga o banco.”, ela aponta.

Foto mostra uma calculadora em cima de notas de dinheiro.
Foto: Getty Images

Fazer um planejamento

A especialista analisa que é preciso ter um planejamento de gastos e saber como e quando usar o cartão de crédito. “Por exemplo, se a pessoa usa o cartão para fazer todos os pagamentos, ela não deve usar outro meio de pagamento.” ela aponta. Pois senão a pessoa pode ficar sem meios para pagar outras contas.

Outra dica é entender a fatura, pois a despesa com o cartão pode ser uma divida apenas com a administradora do cartão. Mas dentro da fatura há outras dividas, com lojistas ou emprestadores de serviços, por exemplo. Por isso, Lavínia aconselha as pessoas a entenderem seus gastos e como eles estão sendo feitos. Pois a regra principal para não ter dividas é não fazer gastos que ultrapassem o orçamento ou a renda mensal da pessoa.

Usar com cautela

Por fim, é preciso ter cautela quando for usar o cartão. Além de se planejar é necessário pensar os gastos e ter cuidado com os parcelamentos. Porque as parcelar é deixar a divida para o mês que vem, ou seja, comprometer a renda futura. Portanto, é preciso planejar o consumo e analisar se os gastos cabem no orçamento e se são necessários no momento para evitar futuras dividas com o cartão de crédito.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes