Gestante tem garantido trabalho remoto e sem redução de salário

Lei que permite a mulheres grávidas trocar o ambiente corporativo pelo trabalho a distância foi sancionada

Agora é lei: as gestantes têm garantido o regime de teletrabalho durante a pandemia. Foi sancionada a Lei 14.151, pela Presidência da República, e publicada no Diário Oficial da União da quinta-feira, 13.  Na prática, essa legislação vai permitir que a profissional gestante substitua o trabalho presencial pelo remoto, de casa ou local que considerar mais seguro para evitar a contaminação pela covid-19. E o mais importante: isso deverá ser feito sem a redução do seu salário.

A lei é originada do PL 3.932/2020, de autoria da deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB-AC) e relatado no Senado pela senadora Nilda Gondim (MDB-PB). Durante a discussão da matéria no Senado, Nilda Gondim argumentou que o avanço da pandemia no País, com ampliação considerável do número de vítimas e de ocupação de UTIs hospitalares, levou à necessidade de se pensar em uma alternativa para reduzir os riscos à gestante e ao feto.

A senadora ressaltou que atualmente o maior risco laboral para o trabalhador é a contaminação por covid-19, e o perigo de complicações é ainda maior para as trabalhadoras gestantes.

Segundo ela, “além de necessitar de cuidados especiais para a preservação de sua saúde, a empregada gestante tem de adotar todas as medidas possíveis para a proteção da vida que carrega. Não pode, portanto, ficar exposta ao coronavírus com risco de morte assim como de seu filho, além de arrasar o seu núcleo familiar”, justificou Nilda.

Como esclareceu a senadora Simone Tebete (MDB-MS), embora não esteja expressa na lei, nos casos exclusivos em que não for possível oferecer o trabalho remoto, o empregador poderá optar por um plano de contingenciamento, previsto na atual legislação trabalhista, e transferir a empregada para uma atividade de menor risco.  No entanto, como isso não está nessa lei específica que trata da gestante, a mudança de função poderá  gerar novos conflitos e chegar à Justiça.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes