Governo simplifica formulário do eSocial e revisa normas do agronegócio

A plataforma é responsável pelo registro de informações para o cumprimendo das obrigações trabalhistas, tributárias e previdenciárias

Nesta quinta-feira (22), o governo lançou um formulário simplificado para o eSocial. A plataforma é responsável pelo registro de informações para o cumprimendo das obrigações trabalhistas, tributárias e previdenciárias. Durante a cerimônia de lançamento, o ministro da Economia, Paulo Guedes, também revogou 48 portarias e lançou uma nova norma regulamentadora de saúde e segurança do agronegócio.

Em suma, as mudanças fazem parte do programa de desburocratização e revisão “Descomplica Trabalhista”. Assim, revisará 2 mil documentos do antigo Ministério do Trabalho, que serão consolidados em menos de dez atos. O anúncio foi feito em evento no Palácio do Planalto.

Segundo o Ministério da Economia, as mudanças simplificam o preenchimento de informações e eliminam campos desnecessários. Então, a pasta diz que o novo formato atende reivindicações do setor produtivo sem prejudicar a manutenção das informações.

Para o ministro da Economia, Paulo Guedes, as medidas de desburocratização anunciadas vão na linha do objetivo inicial do governo de facilitar a vida dos investidores. “Queríamos tirar o Estado ou o governo do cangote das pessoas. Em algumas semanas, vamos apresentar 2 mil simplificações para tirar o estado do cangote da população”, afirmou.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Quais as principais mudanças no eSocial?

O número do CPF passará a ser a única identidicação do trabalhador no sistema. Assim, ele está dispensado de colocar números como PIS e Pasep no cadastro. Além disso, foram excluídos os pedidos de informações que já existem dentro da base de dados do governo federal. São esses números como o RG e a CNH. Assim, o tempo de preenchimento dos dados deve cair 40%.

“Uma redução da burocracia para a geração de oportunidades”, disse o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, ressaltando que os direitos do trabalhadores estão preservados.

Semelhantemente, os módulos de Empregador Doméstico e Microempreendedor Individual (MEI) passaram por transformações de facilitaçãoq ue incluem o lançamento automárico o 13º salário e a inclusão de um assistente virtual.

“Não muda nada para o empregado, não reduz em nada com relação ao empregado e não se toca em política. É só retirada da burocracia para melhorar o ambiente de negócios”, afirmou o secretário sobre o eSocial.

 

Alteração da NR 31 do Agronegócio

Durante a cerimônia, o ministro assinou a nova norma regulamentadora da saúde e segurança em agricultura, pecuária, silvicultura, exploração florestal e aquicultura, aprovadas em consenso entre trabalhadores e empregadores na Comissão Tripartite Paritária Permanente (CTPP), segundo o governo.

Com o novo texto, então, os fiscais do trabalho não poderão mais autuar os produtores rurais com base nas regras definidas para a área urbana. O item da pasta causava confusão no produtor rural, que não sabia qual norma atender.

Dessa forma, um estudo da Secretaria de Política Econômica estima uma economia de R$ 4,3 bilhões anualmente para o setor rural com a medida.

A Norma Regulamentadora 31 teve alteração para trazer mais segurança jurídica, segundo o assessor jurídico da Confederação da Agricultura e Pecuária (CNA), Rodrigo Mello. Assim, os programas de saúde do trabalhador e de prevençãod e acidentes no campo foram mantidos.

 

Leia também:

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes