Limite para dedução de prejuízo fiscal pode ser extinto, propõe PL

A dedução fiscal sobre os prejuízos da empresa incidem sobre o Imposto de Renda e CSLL. A proposta defende a extinção da ‘trava dos 30%’.

A dedução fiscal por prejuízos incide sobre tributos federais, como a Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Em casos de perdas de lucro, a empresa pode reduzir a tributação. Contudo, as leis tributárias  em vigor só permitem a dedução no CSLL sobre 30% do prejuízo da empresa no período de um ano.

Sendo assim, o Projeto de Lei nº 3719/20, proposta pelo deputado Alexis Fonteyne (Novo-SP), defende que o limite de abatimento do CSLL para 30% dos prejuízos fiscais deve ser extinto. Sendo assim, a dedução fiscal aconteceria sobre o valor integral das perdas da empresa.

A trava dos 30%, como é chamada a regra no mercado, está prevista em duas leis tributárias que definem o recolhimento e contribuição das empresas, a lei nº 8.981/95 e a lei nº 9.065/95.

Por fim, a proposta segue em tramitação na Câmara dos Deputados e aguarda despacho do presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ).

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Mudanças na dedução fiscal

A proposta de Fonteyne prevê a dedução do CSLL sobre o valor integral dos prejuízos fiscais da empresa acumulados dos anos anteriores. Sendo assim, sugere a eliminação da trava dos 30% nas leis tributárias.

Segundo o relator da PL, ” a limitação do creditamento do prejuízo fiscal mostra-se uma grande injustiça”, defende Alexis Fonteyne no texto da proposta. Além disso, ele argumenta que “as economias mais modernas no mundo tributam efetivamente a criação de riqueza. Não é justa a tributação sobre o prejuízo”,

Por fim, “esses fatos criam um ambiente econômico inóspito para as empresas e acarretam diretamente na falta de produtividade, precariedade das contas públicas e desemprego”, conclui o deputado Fonteyne.

 

‘Trava dos 30%’

A trava de 30% é o limite anual para aproveitamento do prejuízo para abatimento dos impostos. De acordo com a legislação, empresas que tiverem prejuízos podem usá-lo para abater do Imposto de Renda e da CSLL, que incidem sobre os lucros das empresas. Contudo, com limite de aproveitamento de 30% ao ano.

Antes da regra de dedução fiscal, as empresas podiam abater todo o prejuízo do ano na declaração de imposto do ano seguinte.

Sendo assim, a trava dos 30% já foi pauta de discussão no Supremo Tribunal Federal (STF), em 2009 e  2019. Na última ocasião, a sessão da suprema corte do judiciário abriu votação para avaliar se a regra era ou não constitucional. Por 6 votos a 3, definiu-se que a trava dos 30% não fere os direitos previstos na Constituição Federal de 1988.

*Com informações de Agência Câmara de Notícias

 

Leia também

Projeto prevê prorrogação de prazo e parcelamento de impostos federais

MEI: quais impostos devem ser pagos pelo empreendedor?

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes