Projeto prevê prorrogação de prazo e parcelamento de impostos federais

O Projeto de Lei de prorrogação do prazo e parcelamento de débitos dos impostos federais tramita na Câmara e deve ser aprovado ainda em 2020.

A prorrogação do prazo de pagamento de impostos federais está prevista no Projeto de Lei 1890/2020. Além disso, a proposta prevê o parcelamento de dívidas tributárias durante o estado de calamidade pública, decretada até 31 de dezembro. O relator, deputado Charlles Evangelista (PSL-MG), defende que a pandemia agravou a crise econômica.

 “O intuito desse projeto é aliviar o peso dos tributos para o empresariado, assegurando os salários e os negócios”, declarou o deputado ao apresentar o projeto. 

A proposta tramita na Câmara dos Deputados e segue para aprovação. Mas também, terá análise pelas comissões de Finanças e Tributação e de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Condições para prorrogação dos pagamentos

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Pela proposta, o pagamento com prorrogação de impostos  federais poderá ter adiamento de até o terceiro dia útil do mês seguinte. Além disso, quem solicitar o parcelamento dos débitos dos impostos federais assim que o projeto tiver aprovação, poderá fazer em até 12 parcelas mensais, sem juros e multas.

Impostos federais

Os impostos federais se destinam diretamente para a União. Sendo assim, cerca de 60% das arrecadações do país. Gastos do Governo Federal, como o salário de servidores públicos, tem o pagamento dos impostos federais.

Portanto, tributos como o PIS/Pasep, Imposto de Renda de Pessoa Física e Pessoa Jurídica. Dessa forma, os impostos diretos do Governo Federal são:

  • IOF – Imposto sobre Operações Financeiras
  • II – Imposto de Importação
  • IPI – Imposto sobre Produtos Industrializados
  • Cofins – Contribuição para Financiamento da Seguridade Social
  • CSLL – Contribuição Social sobre Lucro Líquido
  • INSS – Instituto Nacional de Seguro Social

Sendo assim, as empresas são as principais contribuintes para a arrecadação dos tributos do Governo Federal. Principalmente, para custeio de benefícios previdenciários, como aposentadorias, auxílio-acidente, benefício de prestação continuada, entre outros.

 

Leia também

 

Informar Erro
Fonte Agência Câmara

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes