O que é recessão econômica e como se preparar para enfrentá-la

Um país entra em recessão quando o PIB fica negativo por dois trimestres consecutivos. Entenda melhor.

Para enfrentar uma recessão econômica é necessário entender o cenário, focar na criação de uma reserva financeira, usar a criatividade para conseguir renda e ter atenção aos investimentos.

O Brasil está em recessão econômica oficialmente. Você sabe o que isso significa? Vamos explicar. Primeiramente, um país entra em recessão quando há queda consecutiva do Produto Interno Bruto (PIB) durante dois trimestres. O PIB é uma medição do crescimento da economia no período. 

No começo de setembro, o IBGE divulgou queda de 9,7% no PIB do Brasil no segundo trimestre em relação ao anterior. No primeiro trimestre, o índice já havia caído 2,5%. As quedas foram impulsionadas pela pandemia da covid-19.

 

O que acontece em um país em recessão econômica?

 

Quando um país entra em recessão econômica, significa que algumas coisas já estão acontecendo e podem se agravar. Por exemplo, há uma redução dos níveis de produtividade das indústrias, que se reflete no recolhimento de impostos. Também aumentam os níveis de desemprego e há queda na renda das famílias. Essa queda pode ser consequência da perda de vagas e também da inflação, que gera perda de poder de compra. 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Além disso, normalmente há queda dos níveis de investimento no país, refletindo o sentimento geral com relação ao crescimento econômico. No Brasil, o Banco Central revisou e divulgou hoje (24/08) sua projeção para a queda do PIB em 2020. A estimativa é de um tombo de 5% frente a uma expectativa anterior de 6,4%.

o que é recessão econômica
Imagem: Reprodução / Unsplash

Como se preparar financeiramente

 

Encarar uma recessão econômica não é fácil, mas é possível encontrar algumas brechas. Quem está trabalhando ou recebe algum tipo de receita deve pensar na criação de uma reserva de emergência caso não tenha uma. A reserva deve ser a soma necessária para você viver no mínimo três meses caso perca a renda. Aliás, poupar é palavra-chave neste momento. 

Ser flexível e usar a criatividade para encontrar oportunidades na crise também é importante. Isso porque apesar da queda da atividade em muitos setores, também houve crescimento em outros. É o típico “enquanto alguns choram, outros vendem lenços”. Cheque as suas habilidades e as demandas das pessoas nesta fase. Pense no que poderia oferecer para ganhar uma renda extra por exemplo. 

 

E os investimentos, como ficam?

 

Em um período de recessão econômica, é importante avaliar alternativas de investimento que propiciem ao investidor não perder poder de compra. Com a inflação projetada de 1,99% para 2020, segundo dados do Relatório Focus; e a Selic em 2.0%, é possível que muitos investimentos já percam ou venham a perder da inflação. 

“Ter um rendimento abaixo da inflação é, literalmente, perder dinheiro. É fazer com que o seu dinheiro não renda o mínimo para compensar o aumento dos preços na economia. Em outras palavras, se o valor investido render menos do que a inflação, a mesma quantia não comprará no futuro o que pode comprar hoje”, explica Bernardo Pascowitch, fundador do buscador de investimentos Yubb.

Neste cenário, o Yubb selecionou quatro tipos de investimentos para o investidor se proteger: O primeiro é a renda fixa, especificamente em investimentos indexados ao IPCA ou ao IGP-M, como CDBs e títulos do Tesouro Direto. 

Outra alternativa, segundo o Yubb, seria o investimento em ações de empresas de setores específicos como as organizações do setor elétrico, beneficiadas por terem contratos reajustados pelo IGP-M ao invés do IPCA. 

Em terceiro lugar, ficariam as empresas exportadoras, que tiveram, segundo Bernardo, uma grande performance em 2020 em razão da alta do dólar contra o real, fazendo com que seus produtos se valorizem no mercado internacional. 

Finalmente, a quarta sugestão do Yubb seriam os BDRs, ações estrangeiras e outros investimentos dolarizados. “Como o próprio nome diz, são investimentos que vão acompanhar a valorização do dólar, desde que não haja proteção cambial. Consequentemente, o investidor poderá se proteger da alta do IGP-M e/ou dos efeitos do dólar sobre o IGP-M”, conclui Pascowitch.⠀

Lembramos que todos os investimentos têm seus riscos e são relacionados a determinados perfis e objetivos. Vale a pena conversar com um especialista caso tenha dúvidas. 

 

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes