Previdência consumirá 53,4% dos gastos totais do País no ano que vem

A estimativa do governo é de um déficit de R$ 292 bilhões para a Previdência; despesas podem alcançar o valor de R$ 767,8 bilhões.

A Previdência Social será responsável por mais da metade das despesas totais do País no próximo ano. Os números superam os voltados às áreas de saúde, educação e segurança pública somados, de acordo com os dados da proposta de orçamento de 2019. Segundo as previsões do governo, no próximo ano as despesas previdenciárias alcançarão o valor de R$ 767,8 bilhões, representando 53,4% dos gastos totais, estimados em R$ 1,438 trilhão. Os custos incluem a previdência dos trabalhadores do setor privado, dos servidores públicos e dos militares.

Em comparação, os gastos em saúde, educação e segurança pública (incluindo o Ministério da Justiça) somarão R$ 228 bilhões em 2019, sendo 15,86% do total. Os gastos previdenciários do governo federal, portanto, ficarão, pelas previsões da proposta orçamentária, R$ 540 bilhões acima das despesas com saúde, educação e segurança pública no ano que vem. Dados do orçamento de 2018 mostram que as despesas com Previdência no ano somam R$ 723,5 bilhões, representando 53,8% dos gastos totais do governo. A leve queda esperada para o ano que vem reflete a aplicação do regime de teto dos gastos.

O coordenador de cursos da Faculdade Fipecafi, Valdir Domeneghetti, destaca que a complexidade das despesas da previdência se dá pelos seus componentes. Dois regimes são contemplados nessa conta: a Previdência do funcionalismo público federal e regime geral, todos estão em déficit. “A diferença é que o regime geral tem contribuído muito mais para o rombo, porque contém, além das aposentadorias, outros benefícios do sistema de seguridade social, como o seguro desemprego, sem uma contrapartida de contribuição”, explica. A área econômica do governo estima que o rombo previdenciário, incluindo os trabalhadores do setor privado, os servidores públicos civis, e também os militares, deve continuar subindo e ultrapassará a marca inédita dos R$ 300 bilhões em 2019.

Déficit na PrevidênciaDéficit

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Para o acumulado deste ano, a estimativa do governo é de um déficit de R$ 292 bilhões para os sistemas previdenciários. Temos uma situação em que o nosso gasto previdenciário é equivalente a gastos de países europeus, onde a quantidade de idosos é muito maior. “O Brasil é um país novo [com relação à população]. Em 2017, menos de 10% da nossa população era idosa, e gastamos quase 12% do PIB com Previdência, gasto maior do que países que possuem uma população idosa acima de 20%, como Espanha e Grécia”, comenta o CEO da Ciclic, fintech de previdência complementar, Raphael Swierczynski.

Esse déficit ainda deve aumentar cerca de R$ 50 bilhões por ano. Isso deveria ser o principal tema a ser tratado pelos candidatos à Presidência, porque impacta diretamente nos outros temas, como saúde e educação. “Essa conversa é fundamental para a população entender o que está acontecendo”, diz ao DCI.

Reforma da Previdência

No ano passado, o governo anunciou uma proposta para reformar a Previdência Social, mas desistiu de votá-la diante da falta de apoio no Congresso. Sem a reforma, os dados do Ministério do Planejamento indicam que o teto de gastos do setor ficará incompatível com realidade orçamentária do país a partir de 2020. Segundo o coordenador do curso de Administração do Instituto Mauá de Tecnologia, Ricardo Balistiero, a reforma deverá ser abordada já no primeiro semestre do ano que vem. “A Previdência será um dos aspectos mais importantes do primeiro ano do novo governo, a ser discutido nos primeiros seis meses. Todos os principais candidatos, de uma forma ou de outra, pretendem abordar a questão”, comenta.

Para Raphael Swierczynski, a profundidade da reforma dependerá do candidato eleito. “Acredito que no primeiro semestre do ano que vem deve ser feita a reforma, quando há uma chance maior de que o eleito terá o apoio necessário para conseguir aprová-la. Apesar de todos os principais presidenciáveis reconhecerem sua importância, eles apresentam visões diferentes para realizá-la”, afirma. “Candidatos com um viés de centro-esquerda devem alterar somente idade mínima e o tempo de contribuição, enquanto candidatos mais próximos da direita podem mexer também com o teto de valores e a possibilidade de equalizar a previdência pública com a privada”, conclui Swierczynski.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes