Veja como contestar negativa do auxílio emergencial residual

O pagamento do auxílio emergencial residual começou em setembro. Ele conta com novas regras e por isso muitos trabalhadores foram excluídos do benefício. Então, entenda como contestar a negativa do recebimento dos R$ 300.

O pagamento do auxílio emergencial residual começou em setembro. Ele conta com novas regras e por isso muitos trabalhadores foram excluídos do benefício. Então, entenda como contestar a negativa do recebimento dos R$ 300.

Como contestar negativa do auxílio residual?

Uma das formas de contestar a negativa é através do site ou aplicativo da Caixa, na seção relacionada ao auxílio emergencial. Bem como, por meio do site da Dataprev. No entanto, o Ministério da Cidadania comunicou que só serão avaliadas as contestações do auxílio residual, após finalização das avaliações relativas às do auxílio emergencial de R$ 600.

Além disso, também se pode contestar a exclusão do auxílio extensão na Justiça, de maneira gratuita e sem advogado. Isso deve ser feito através do Juizado Especial Federal. Ao acessar o site do Tribunal Regional Federal relativo ao seu estado, é preciso selecionar a opção “Auxílio Emergencial”. Em seguida, preencher um formulário com as informações solicitadas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

É possível ainda optar por uma conciliação pelos tribunais regionais. Essa alternativa faz parte de um acordo entre Ministério da Cidadania, Dataprev e Conselho Nacional de Justiça. É preciso cadastrar, pela internet, a demanda no Gabinete da Conciliação do Tribunal Regional Federal referente ao seu estado.

Desse modo, depois dos Centros Judiciários de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) receberem os processos, o governo tem 10 dias úteis para analisar e apresentar um acordo. Se isso não ocorrer, se direciona o pedido para vara de Juizado Especial Federal.

Quem não tem direito às parcelas extras?

Então, antes de contestar a negativa é necessário entender quais são as regras do auxílio residual. Não pode receber o dinheiro quem:

  • Conseguiu emprego com carteira assinada após o recebimento das cinco parcelas de R$ 600;
  • Recebeu benefício previdenciário, seguro-desemprego ou programa de transferência de renda federal após o recebimento de auxílio emergencial (exceto Bolsa Família);
  • Tem renda mensal acima de meio salário mínimo por pessoa e renda familiar mensal total acima de três salários mínimos;
  • Mora no exterior;
  • Recebeu em 2019 rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70;
  • Tinha, em 31 de dezembro de 2019, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, de valor total superior a R$ 300.000,00 (trezentos mil reais);
  • No ano de 2019 recebeu rendimentos isentos não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte cuja soma seja superior a R$ 40 mil;
  • Preso em em regime fechado;
  • Tem menos de 18 anos de idade, com exceção de mães adolescentes.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes