Casos de racismo no futebol: semana tem 4 episódios contra brasileiros

Em quatro partidas da Libertadores na última semana de abril, torcedores brasileiros foram alvos de ofensas racistas

Há duas semanas em Buenos Aires durante a segunda rodada da Libertadores, um jogador do River Plate jogou bananas em direção à torcida do Fortaleza. Entre 26 até 28 de abril quatro novos casos de racismo foram identificados contra torcedores brasileiros. De um lado, os times do Brasil pedem punições em casos de racismo no futebol, enquanto a Conmebol ainda decide como e quando agir.

4 casos de racismo no futebol contra brasileiros

Na última semana de abril, não foram os resultados dos jogos na fase de grupos Copa Libertadores da América que vem ganhando as manchetes. Infelizmente, casos de racismo de no futebol partindo de torcedores sul-americanos contra torcedores e jogadores brasileiros tornaram-se frequentes nas arquibancadas.

Há duas semanas, um torcedor do River Plate arremessou uma banana em direção ao setor da torcida do Fortaleza, no Estádio Monumental de Ñunez, em Buenos Aires. O ato foi gravado por torcedores e divulgado nas redes sociais em seguida, provocando uma onda de ira.

O River Plate identificou o torcedor e suspendeu o sócio por seis meses e tomar um curso de conscientização sobre consequências da xenofobia e racismo.

Com o aumento de casos nos estádios pela América do Sul, resta saber qual será a posição da Conmebol sobre punições. Relembre a seguir os casos de racismo no futebol da última semana de abril.

 

Polícia prende torcedor do Boca por racismo em jogo contra Corinthians

Na terça-feira, 26 de abril de 2022, o Corinthians reencontrou um de seus maiores adversários no futebol sul-americano em toda a história, o Boca Juniors. Em 2012, o Timão venceu o clube argentino na final da Libertadores para levantar pela primeira vez o troféu de campeão.

Pela terceira rodada da Libertadores em 2022, o alvinegro recebeu o Boca Juniors e, por 2 a 0, levou a melhor na disputa. Porém, um caso de injúria racial envolvendo um torcedor argentino acabou tirando o brilho dos corintianos na mesma noite.

No vídeo divulgado através redes sociais, o argentino faz gestos racistas para a torcida brasileira. Minutos depois, ele foi detido pela Polícia Militar presente na Neo Química Arena, pelo setor Sul.

Entretanto, no mesmo dia após pagar a fiança e ser solto, o torcedor foi até as redes sociais e, ao lado do amigo, debochou da detenção e voltou a provocar brasileiros e até mesmo a proferir ofensas racistas. O argentino escreveu a legenda “Aqui não deu nada”, e colocou um emoji de macaco ao lado da frase.

Na mesma noite, o Corinthians informou que o torcedor foi detido e que repudia todo e qualquer ato de racismo. O Boca Juniors também mostrou apoio ao também repudiar o ato.

 

Assista no vídeo a seguir o que de fato aconteceu na Neo Química Arena.

Torcida do RB Bragantino é alvo de ofensas racistas por torcedores do Estudiantes

Também na terça-feira, 26 de abril, o RB Bragantino viajou até a Argentina para enfrentar o Estudiantes, no Estádio Jorge Luis Hirschi, em La Plata, pela terceira rodada da Libertadores. Por 2 a 0, os anfitriões venceram a partida.

Mais uma vez, torcedores brasileiros foram alvos de racismo por parte de argentinos. Neste caso, os donos da casa fizeram gestos e insultos raciais onde, em vídeo divulgado nas redes sociais, é possível ouvir a palavra “mono”, que significa macaco em espanhol, além de “banana” e imitações do animal.

Através de nota, o RB Bragantino informou que vai denunciar até a Conmebol o caso para que seja investigado à fundo.

 

Assista no vídeo e ouça as ofensas proferidas aos torcedores do Braga.

Torcedor do Emelec profere insultos raciais para palmeirenses

Na quarta-feira, 27 de abril, o Palmeiras venceu o Emelec por 3 a 1 jogando no Estádio George Capwell, em Guayaquil, no Equador. O resultado, entretanto, não foi o que chamou a atenção no confronto.

Em vídeo divulgado nas redes sociais, torcedores palmeirenses denunciaram o caso de racismo feito por um torcedor do Emelec. As imagens mostram o torcedor em questão chamando os brasileiros de “macacos”.

O Palmeiras se pronunciou através das redes sociais sobre o caso, enquanto Conmebol e Emelec não se pronunciaram.

“A Sociedade Esportiva Palmeiras se solidariza com os seus torcedores que foram vítimas de ofensas racistas durante o jogo disputado nesta quarta-feira em Guayaquil, no Equador. É inaceitável que no ambiente do futebol ainda tenhamos de conviver com manifestações tão rasteiras. Lamentamos profundamente esse episódio e esperamos que as autoridades competentes tomem as devidas providências para que cenas assim não mais se repitam. Basta!”.

 

Confira no vídeo a seguir o ato dos torcedores do Emelec.

Torcedor chileno é gravado em atos racistas para torcida do Flamengo

Fechando a terceira rodada da Libertadores na quinta-feira, 28 de abril de 2022, o Flamengo viajou para o Chile para jogar contra o Universidad Católica, no Estádio San Carlos de Apoquindo, em Las Condes. Em jogo complicado, conseguiu vencer por 3 a 2 e anotar os três pontos pelo grupo H.

Entretanto, mais um vez os episódios de racismo marcaram a partida na Libertadores. Desta vez, um torcedor foi flagrado imitando macaco para os torcedores rubro-negros que estava presente no estádio. Além disso, a torcida brasileira também foi alvo de arremessos de pedras, garrafas e sinalizadores, onde uma criança foi ferida.

O Flamengo se pronunciou nas redes sociais e divulgou o vídeo do torcedor, pedindo severas punições da Conmebol.

 

Assista ao vídeo a seguir.

Qual a punição para casos de racismo no futebol?

Mesmo sem se pronunciar sobre os casos da última semana de abril em 2022, a Conmebol possui em seu Código de Disciplina medidas para punir casos de racismo em partidas de futebol.

O artigo 17 trata de casos de discriminação praticados por jogadores ou funcionários. No item 1,  o regulamento prevê a suspensão por até cinco partidas ou dois meses. Confira o trecho extraído do Código de Disciplina do site da Conmebol.

“1. Qualquer jogador ou oficial que insulte ou atente contra a dignidade humana de outra pessoa ou grupo de pessoas, por qualquer meio, por motivos de cor de pele, raça, sexo ou orientação sexual, etnia, idioma, credo ou origem será suspenso por, no mínimo, cinco partidas ou por um período de tempo de, no mínimo, dois meses”

No item 2, o texto aborda os atos discriminatórios feitos por torcedores. A multa aos clubes pode chegar ate de US$ 30 mil.

Além disso, casos de racismo e injúria racial que acontecem em competições regionais e nacionais também podem ser julgados na Justiça Desportiva Brasileira, com base no Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

 

+ Pode trabalhar na Copa do Mundo ou o trabalhador tem folga?

Você pode gostar também