De sobrevivente ao título da Série B: a carreira de Alan Ruschel

Atleta é um dos seis sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense em 2016, mas o único entre os jogadores que ainda atua profissionalmente; nesta sexta (29), o lateral, capitão da equipe, ergueu a taça do título inédito da Série B.

Alan Luciano Ruschel ou mais conhecido como Alan Ruschel é um verdadeiro campeão. E isso não apenas por conta do título da Série B conquistado com a Chapecoense na noite desta sexta (29). Mas também, por toda sua história de superação e reviravoltas. Do trágico acidente aéreo com o clube em 2016, a sua passagem no Goiás e o retorno a Chapecoense, a carreira de Ruschel ganha um novo capítulo emocionante.

Com um gol de Anselmo Ramon, aos 50 minutos do segundo tempo, a Chape conquistou seu primeiro título do Campeonato Brasileiro da Série B. Empatado com o América-MG em pontos e número de vitórias, o time de Condá conquistou o caneco por conta do saldo de gol. 21 a 20. Capitão do time desde seu retorno ao clube no início de 2020, o lateral-esquerdo estava lá para erguer a taça.

Alan Ruschel é um dos sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense
Alan Ruschel é um dos sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense (Foto: Reprodução/Instagram)

Acidente aéreo com a Chape em 2016

A imagem de Ruschel com o caneco repercutiu o mundo. Isso porque o atleta estava no acidente aéreo da Chapecoense em 2016. Conhecido como Voo LaMia 2933, a tragédia matou 71 pessoas e é considerado o maior acidente com uma delegação esportiva na história.

A aeronave carregava 77 pessoas a bordo, tendo como passageiros os atletas, diretoria do clube, comissão técnica, jornalistas e convidados. O voo com destino a Medellín, na Colômbia, levava o time catarinense a sua primeira final de Copa Sul-Americana, e o adversário seria o Atlético Nacional. No entanto, o avião caiu próximo ao local chamado Cerro El Gordo, e apenas seis pessoas foram resgatadas com vida, entre elas, Alan Ruschel.

Dos mortos, 20 eram jornalistas brasileiros, nove dirigentes, dois convidados, 14 da comissão técnica, 19 jogadores e então sete tripulantes; dos seis ocupantes que sobreviveram, três eram jogadores: além de Ruschel, sobreviveram o zagueiro Neto e o goleiro Jackson Follmann. No entanto, do três atletas, apenas o lateral-esquerdo ainda joga profissionalmente. Follmann perdeu uma perna e Neto aposentou devido às dores.

Ao centro da roda, Neto, outro sobrevivente do acidente, comemora o título
Ao centro da roda, Neto, outro sobrevivente do acidente, comemora o título (Foto: Márcio Cunha/Chapecoense)

- PUBLICIDADE -

Carreira de Alan Ruschel

Leia também

Inter de Milão x Atalanta: onde assistir e possíveis…

Betis x Alavés: onde assistir ao vivo e possíveis escalações…

Natural de Nova Hartz, Rio Grande do Sul, Ruschel iniciou sua carreira no Juventude. Sem muitas oportunidades no clube, atuou emprestado para a equipe do Pelotas em 2010, S.C. São Paulo no mesmo ano e Luverdense em 2011.

Em 2013 o lateral-esquerdo assinou com a Chapecoense, mas pego no antidoping, jogou apenas seis partidas pelo Verdão do Oeste. No ano seguinte, o atleta assinou com o Internacional para substituir o lateral Kléber. No entanto, ficou apenas até 2015 e foi emprestado para o Athletico-PR. Do Furacão, o jogador voltou a Chapecoense e fez parte do elenco do acidente.

Logo depois de passar por recuperação, Ruschel retornou sua carreira profissional e participou de um jogo oficial em novembro de 2017. Permaneceu na equipe de Condá até 2019, quando se transferiu para o Goiás. No entanto, após meia temporada na equipe goiana, retornou para o time catarinense, no qual permanece até hoje.

+ Final da Libertadores: onde assistir, escalações e arbitragem

Campeão Brasileiro da Série B

O título inédito com a chapecoense rendeu mais uma pagina marcante na história da carreira de Alan Ruschel. No entanto, o jogador desabafou após a conquista e afirmou que muitas pessoas em Chapecó, não o respeitam.

“Estou muito feliz de ter feito parte desse grupo, de ter cravado mais uma vez meu nome na história do clube. Pessoas aqui de Chapecó têm que aprender a me respeitar, porque além da vida do atleta, existe o ser humano, que as pessoas não respeitam. É preciso respeitar quem tem história, principalmente de conquistas, e eu aqui dentro tenho, então é preciso me respeitar”.

- PUBLICIDADE -

A Chape agora encerra a temporada, mas no dia 24 de fevereiro inicia uma nova. A estreia da equipe no Campeonato Catarinense será diante do Concórdia, no Estádio Domingos Machado de Lima, às 20h30.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes