História do Real Madrid: 10 fatos que talvez você não saiba

Da relação com o Corinthians ao retrospecto equilibrado contra times brasileiros: saiba mais sobre a história do Real Madrid

Maior campeão da Champions League de todos os tempos, disparado. Um dos times mais valiosos e vencedores do mundo. Onde craques como Di Stéfano, Zidane e Cristiano Ronaldo se tornaram lendas. A história do Real Madrid tem tudo isso, assim como outras coisas que nem todos lembram.

Em 2020, o time merengue conquistou o Campeonato Espanhol pela 34ª vez. Aliás, são tantos títulos que o torcedor até perde a conta. Mais do que títulos, a história do Real Madrid é repleta de fatos curiosos ao longo de seus 118 anos, e separamos alguns deles a seguir.

Curiosidades da história do Real Madrid

1. “Irmão” do Corinthians

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Fundado em 1902 por um grupo de jovens madrilenos que praticavam o esporte recém-chegado da Inglaterra, o Madrid Football Club se espelhou em um time bem conhecido dos brasileiros na hora de escolher o escudo e a cor da camisa.

Foto do elenco de 1907 mostra o começo da história do Real Madrid
Divulgação/Real Madrid C.F.

O primeiro uniforme foi criado a partir da camisa branca usada pelo Corinthian FC, clube amador de Londres que também serviria de inspiração para o Sport Club Corinthians Paulista, fundado oito anos mais tarde em São Paulo.

2. Merengues ou vikings?

Logo no começo da história do Real Madrid, os cronistas esportivos associaram o branco da camisa à cor do merengue, sobremesa bastante apreciada por lá. Assim, passaram a chamar o time de “merengues”. Mais tarde, em 1960, surgiria também o apelido de “vikings”. Afinal, depois de vencer o Frankfurt na final continental por 7 a 3, um jornal inglês comparou a goleada a uma invasão viking.

3. Papa Champions

O Real Madrid conquistou nada menos do que as cinco primeiras edições da Champions League, entre 1956 e 1960. Consequentemente, se tornou o maior vencedor da história da competição, com 13 títulos – disparado à frente do Milan, segundo colocado com sete taças. Afinal, só nos anos 2000, vieram mais cinco conquistar.

4. Primeiro ídolo foi argentino

O ciclo de vitórias da história do Real Madrid só começa depois da chegada do argentino Alfredo Di Stéfano. Após se destacar no River Plate e passar pelo Millonarios da Colombia, ele se torna uma máquina de gols em Madri. Antes dele, o time da capital espanhola sequer figurava entre os maiores campeões nacionais.

Alfredo Di Stéfano, um dos nomes mais importantes da história do Real Madrid
Divulgação/Real Madrid C.F.

Depois dele, tudo mudou rapidamente. Logo na primeira temporada de Di Stéfano na Espanha, em 1953, o Real Madrid quebrou um jejum de 20 anos sem conquistar o título espanhol. O argentino foi o artilheiro do campeonato com 29 gols. E era só o começo.

5. Relação com a ditadura

A contratação de Di Stéfano tem a ver com a principal polêmica da história do Real Madrid: a suposta relação com a ditadura do general Francisco Franco. O argentino estava acertado com o Barcelona, mas foi parar no Real Madrid depois que a Federação Espanhola interveio na negociação.

Esta teria sido apenas uma das suspeitas de favorecimento do general Franco ao time merengue, e foi o estopim da rivalidade com o Barcelona. Afinal, o time da Catalunha estava sediado no território de maior oposição ao regime.

Existe até um documentário, chamado “A Lenda Negra da Glória Branca”, que detalha a relação do Real Madrid com a ditadura e sustenta que o franquismo interferia até na arbitragem para favorecer os merengues, a fim de usá-los como propaganda internacional.

6. Rivalidade com o Barça

Foi assim, portanto, que um clube de outra cidade acabou virando o maior arquirrival da história do Real Madrid. Por razões mais políticas do que esportivas, o Barcelona surgiu como principal antagonista dos merengues. E tudo começou dez anos antes da polêmica com Di Stéfano: em 1943, o Real Madrid venceu o Barcelona por 11 a 1 depois que representantes do governo Franco teriam feito uma “visitinha” ao vestiário catalão.

7. Mudança de estádio

Em menos de três anos de obras, o modesto estádio de Chamartín, com 25 mil lugares, deu lugar ao imponente Santiago Bernabéu, inaugurado em 1947 com capacidade para 75 mil torcedores. Dez anos mais tarde, a arena estreou a sua iluminação noturna em um jogo amistoso contra o Sport Recife, vencido pelo time da casa por 5 a 3.

Vista panorâmica do estádio Santiago Bernabeu
Divulgação/Real Madrid C.F.

8. Seca europeia

O intervalo entre os anos de 1966 e 1998 representa um “buraco” na história do Real Madrid na Champions League. Foram 32 anos de jejum continental, apesar de frequentar a competição ano após ano. Durante todo este tempo, os merengues fizeram apenas uma final, em 1981, e perderam para o Liverpool. A redenção veio dos pés de Predrag Mijatović, autor do gol da vitória sobre a Juventus de Zidane na final de 1998.

9. Era galáctica

Galácticos do Real Madrid
Divulgação/Real Madrid C.F.

Três anos depois de perder a final europeia para o Real Madrid, Zinedine Zidane acabou se juntando ao famoso esquadrão dos Galácticos no começo dos anos 2000. Naquela época, eles também tinham Ronaldo Fenômeno, Luís Figo e David Beckham no mesmo time – fora os craques que já estavam lá, como Roberto Carlos e Raúl González.

Mas nem só de galácticos vive o time merengue. Ao longo da história do Real Madrid, alguns craques brasileiros fizeram história por lá. É o caso, por exemplo, de nomes como Ronaldo, Roberto Carlos, Marcelo e Casemiro. Outros, no entanto, não deixaram saudades. Você sabia que o Rodrigo Fabri já vestiu a camisa merengue? O atacante Willian José também, assim como Pablo, do São Paulo, e Lucas Silva, hoje no Grêmio.

10. Dificuldade contra brasileiros

Engana-se quem pensa que os merengues têm vida fácil contra times daqui. Na história do Real Madrid, foram 39 confrontos contra clubes brasileiros, e o retrospecto é equilibrado: 16 vitórias, 10 empates e 13 derrotas. O último duelo foi a final do Mundial de Clubes de 2017 contra o Grêmio, vencida por 1 a 0 com um gol de falta de Cristiano Ronaldo.

Mas há outros clubes do Brasil que têm boas lembranças do Real Madrid. É o caso do Corinthians, que deu show no empate por 2 a 2 na campanha do título do Mundial de Clubes de 2000. Flamengo, Santos, São Paulo, Fluminense, Palmeiras e Vasco estão entre os times brasileiros que já derrotaram o time espanhol.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes