Maradona celebra 60 anos com homenagens de Pelé e outros craques

No aniversário de 60 anos do ídolo argentino Diego Armando Maradona, o mundo da bola se curvou ao legado de um dos maiores nomes do futebol

No aniversário de 60 anos do ídolo argentino Diego Armando Maradona, o mundo da bola se curvou ao legado de um dos maiores nomes do futebol. Pelé, Zico, Ronaldinho Gaúcho, Ronaldo Fenômeno e Cristiano Ronaldo estão entre as lendas que prestaram homenagens ao craque. Além disso, os clubes por ele passou também lembraram a data.

Em seu perfil no Instagram, Pelé, que recentemente completou 80 anos, publicou uma foto em que cumprimenta Maradona durante a Copa de 1990. “Meu grande amigo, Maradona. Eu vou sempre te aplaudir. Eu vou sempre torcer por você. Que a sua jornada seja longa e que você continue sempre sorrindo, e me fazendo sorrir também! Feliz aniversário!”, escreveu o Rei na legenda.

A grande homenagem a Maradona, no entanto, veio do espanhol Richy Castellanos, assessor do ex-jogador. Ele reuniu mensagens de 156 celebridades em um vídeo de 1h22. Entre os famosos que parabenizaram o ídolo estavam os brasileiros Zico, Rivellino, Rivaldo e Cafu, Ronaldinho Gaúcho e Ronaldo Fenômeno, que disse ter se inspirado no argentino.

O craque Cristiano Ronaldo, da Juventus, também aparece no vídeo. Bem-humorado, o português afirma que Maradona “é o número um, depois dele”. Iniesta, Xavi, Casillas, Busquets, Simeone, Mourinho, Zidane, Rafael Nadal e até o cantor Julio Iglesias são outros entrevistados que prestaram homenagens ao ídolo.

Homenagens ao “Deus” Maradona

Um dos recados mais significativos, no entanto, foi do argentino Juán Román Riquelme. Assim como Maradona, ele é ídolo do Boca Juniors. E tratou a data como o nascimento de uma divindade. “Feliz Natal”, postou Riquelme em seu Twitter. Afinal, os argentinos não esquecem do gol com a “mão de Deus” contra a Inglaterra na Copa de 1986.

Aliás, a Copa de 1986 foi o tema escolhido pela Fifa no vídeo em homenagem a Maradona postado nas redes sociais. “Um grande aniversário para um talento colossal. Quando ele completa 60 anos, prestamos homenagem ao primeiro e único Diego Maradona”, escreveu o perfil da entidade máxima do futebol.

Além da seleção argentina, que parabenizou seu “eterno campeão”, Maradona também fez história em clubes como Boca Juniors, Napoli e Barcelona. Todos eles postaram homenagens ao craque argentino. O clube italiano, aliás, definiu o ídolo como o “maior camisa 10 de todos” e a “melhor canhota do futebol”.

História de Maradona

Diego Armando Maradona nasceu no dia 30 de outubro de 1960 em Lanús, na região metropolitana de Buenos Aires, e iniciou sua carreira no futebol com apenas nove anos. Seu primeiro clube foi o Argentinos Juniors, onde ficou até 1981. Não demorou para chamar a atenção do gigante Boca Juniors, que o lançou para a seleção argentina e o futebol europeu.

Antes de disputar a Copa de 1982 pela Argentina, Maradona já era ídolo do Boca Juniors. Naquele mesmo ano, ele foi para o Barcelona pelo valor recorde de 7 milhões de dólares. Mas o seu auge só viria dois anos depois, com a camisa do Napoli, onde foi bicampeão italiano e venceu a Copa da Uefa.

Glória em 1986

Em 1986, Maradona se consagrou como ídolo nacional graças a atuações históricas na campanha vitoriosa na Copa do Mundo disputada no México. Contra a Inglaterra, nas quartas, ele abriu o placar com o célebre gol de mão. Em seguida, garantiu a vitória com um golaço que ficaria conhecido como o Gol do Século. Aquela vitória, aliás, valeu como um título à parte para o povo argentino, que tinha os ingleses entalados na garganta depois da derrota na Guerra das Malvinas.

Na Copa de 1990, a Argentina de Maradona eliminou o Brasil nas oitavas e chegou até a final, mas perdeu para a Alemanha Ocidental. O ano seguinte, no entanto, marcaria o declínio da carreira do craque e o início das polêmicas com drogas. Afinal, ele foi suspenso pela Fifa por 15 meses após ser flagrado no antidoping por cocaína. Na Copa de 1994, ele voltou a ser pego no exame e então sofreu nova punição.

Assim, após cumprir sua segunda suspensão por doping, Maradona voltou ao Boca Juniors em 1995. Lá, ele jogou até pendurar as chuteiras, em 1997. Depois que teve de superar novos problemas de saúde, o ex-jogador iniciou sua carreira de técnico ao assumir a seleção argentina em 2008. Em seguida, comandou o time na Copa de 2010 e chegou até as quartas de final. Atualmente, Maradona trabalha como técnico do Gimnasia y Esgrima, da Argentina.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes