Morre Paolo Rossi aos 64 anos, carrasco do Brasil na Copa de 82

Ex-atacante foi símbolo da conquista italiana na Copa do Mundo de 1982, na Espanha; Camisa 20, o jogador fez três gols contra o Brasil, na vitória por 3 a 2, que culminaram na eliminação da Seleção de Telê, naquele Mundial.

Algoz da Seleção Brasileira na Copa do Mundo de 1982, na Espanha, o italiano Paolo Rossi morreu nesta quarta-feira (9), aos 64 anos. De acordo com o jornal ‘Gazzetta dello Sport’, o ex-atacante foi vítima de um câncer de pulmão descoberto há pouco tempo.

Melhor jogador da Copa do Mundo de 1982

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Rossi é ídolo da Azzurra e símbolo da conquista da Seleção Italiana na Copa do Mundo de 1982. O título na Espanha foi o quarto dos italianos no Mundial – venceram em 1934, 1938, 1982 e 2006. Naquela competição, Paolo não havia marcado nenhum gol até a segunda fase. Mas então, desencantou. No duelo contra o Brasil, a Itália venceu por 3 a 2, com todos os tentos anotados pelo camisa 20.

A Seleção Brasileira daquela Copa, é uma das mais memoráveis da história do futebol. Comandados por Telê Santana, o time canarinho então tinha em campo jogadores como Sócrates, Zico, Júnior, Falcão entre outros.

Logo depois, a Itália encarou a Polônia na semifinal e venceu por 2 a 0. Os dois gols foram novamente marcados por Rossi. Na decisão contra a Alemanha Oriental, a Azzurra aplicou um 3 a 1, com Paolo fazendo um dos gols, e ficou com a taça da Copa do Mundo.

Artilheiro da Copa da Espanha, Rossi foi eleito o melhor jogador da competição. E, ainda no mesmo ano, recebeu a Bola de Ouro da então revista “France Football”.

Envolvido em escândalo, Rossi foi ídolo na Juventus

Rossi jogou apenas por clubes italianos. Nascido em cidade de Prato, em Florença, foi revelado pela Juventus, mas emprestado para o Como aos 19 anos. Logo depois jogou pelo Vicenza, equipe na qual conquistou a Série B em 1976/77, e surpreendentemente foram vice-campeões da Série A, na temporada seguinte, com Rossi sendo o artilheiro do campeonato. O bom desempenho lhe renderam uma vaga na Seleção para a Copa de 78, na Argentina. Paolo marcou três gols naquele Mundial, mas a Azzurra ficou apenas em quarto lugar, perdendo a disputa de terceiro lugar para o Brasil.

Em 1980, Rossi esteve envolvido no escândalo de manipulação de resultados conhecido como “Totonero”, e ficou afastado dos gramados por dois anos. Novamente na Juventus, Paolo conseguiu enfileirar uma sequência de títulos, e pela Velha Senhor foi campeão do Campeonato Italiano (1981/82 e 1983/84), a Copa Europeia (atual Liga dos Campeões da Uefa), em 1984/85, a Supercopa da Uefa em 1984, a extinta Recopa Europeia, em 1983/84, e a Copa da Itália, em 1982/83.

Paolo Rossi foi ídolo na Juventus, sendo campões de duas Série A
Paolo Rossi foi ídolo na Juventus, sendo campões de duas Série A (Foto: Alessandro Sabattini/Getty Images)

O ex-atacante ainda se transferiu para o Milan em 1985, mas teve uma passagem apagada, e pendurou as chuteiras na temporada 1986/87, pelo Verona, aos 31 anos.

+ Jorge Jesus: “Está na moda isso de racismo” veja declaração do treinador

Morre Paolo Rossi, mais um ídolo do futebol mundial

Os últimos meses de 2020 tem sido trágico para os amantes esportivos, assim como este ano inteiro foi para a população mundial. Diego Maradona veio a falecer no dia 25 de novembro. Na terça-feira (8), Alejandro Sabella, ex-técnico da seleção argentina, também faleceu. E ontem (9), morre Paolo Rossi.

O Italiano deixa três filhos: Sofia, Elena, Maria Vittoria e Alessando. Assim como, deixa sua esposa, Federica.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes