Sem dinheiro no fim do mês? Veja 10 dicas que podem te ajudar

Controlar gastos, ter planos para o futuro, negociar dívidas estão entre as dicas para ter dinheiro e ainda fazer uma reserva de emergência.

Ter dinheiro no fim do mês nem sempre é uma tarefa fácil. Gastos indispensáveis como conta de luz, água, telefone, internet, alimentos, faturas de cartão de crédito podem consumir toda a renda mensal. Mas, mesmo assim, é possível organizar e planejar os gastos e ter uma pequena parcela para reserva de emergência.

Pensando nisso, o jornal DCI reuniu 10 dicas para organizar o seu dinheiro e ainda tê-lo sobrando no fim do mês. Confira-as.

1- Organize seus gastos

Primeiro, é importante saber o valor da sua renda mensal e as despesas obrigatórias do mês. Depois disso, faça uma planilha simples de despesas e receitas. Sendo assim, todos os gastos, mesmo os pequenos devem ser anotados, ao longo do mês. Dessa forma, você tem sempre em mãos o controle e onde o dinheiro foi usado.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Em segundo, com todas as contas pagas, verifique e analise todas as despesas. Confira, os valores e quais podem ser evitados no mês seguinte. Dessa forma, você entende qual a necessidade de cada gasto e assim, modifica os hábitos antes de comprar e fazer novas dívidas.

Por fim, saiba o quanto ganha por mês, o quanto gasta e o valor que pode ser poupado para uma reserva futura.

2- Antes de comprar, faça uma pesquisa

Comprar preços em diferentes lojas evita gastos desnecessários. Sendo assim, verifique o produto desejado tem versões mais baratas ou com mais utilidades de valores semelhantes, no caso de eletrônicos. Orçamentos e negociação de descontos também são sempre bem-vindos.

Por exemplo, consumidores do mundo inteiro esperam a Black Friday para fazer suass compras de fim de ano. Contudo, o acompanhamento dos valores dos produtos deve começar muito antes do mês de novembro, quando acontece o evento.

Além disso, pense na necessidade do gastos. Portanto, faças algumas perguntas, tais como: Será que eu preciso?; Se eu não comprar, vou sentir falta? ; Vai me trazer algum benefício? Se sim, qual?; Se eu não comprar, o que vai mudar na minha vida?. Essas e outras questões para definir se é uma necessidade ou um desejo são importantes para evitar despesas desnecessárias, mas também dívidas futuras.

 

3- Faça um limite de gasto mensal

Sabendo o valor da renda e quais são as despesas indispensáveis, com o planejamento de gastos pode-se determinar um limite mensal. Mesmo que pouco, poupar dinheiro a cada mês, pode trazer resultados ao longo do ano. Sem contar que, podem aparecer gastos imprevistos ao longo dos meses.

Portanto, ter uma planilha com gastos e em conjunto, o valor máximo para despesas, facilita também a forma de construir planos.

Entre as técnicas para poupar dinheiro está o 50-15-35. Sendo assim, 50% da renda mensal para gastos essenciais, tais como supermercado, saúde, água, luz, internet etc. Os 15% para prioridades financeiras, ou seja, pagamentos de financiamentos, empréstimos ou quaisquer outras dívidas que, se não pagas, acarretam juros. Por fim, os 35% da renda mensal para lazer, reservas,   comprar roupas, cuidados e bem-estar, enfim despesas com o seu estilo de vida.

Contudo, reserve parte dos 35% para não gastar tudo e ficar sem grana no fim do mês.

4- Negocie suas dívidas

Existem alguns programas de negociação de dívidas em que você pode quitar seus débitos por um valor menor que o devido. Portanto, fique atento(a) a feirões de negociação de dívidas, como o Serasa Limpa Nome com descontos de até 90% em empresas parceiras.

Além disso, há também negociações online direto com empresas e instituições bancárias.  Mas também, você pode optar por portabilidade de crédito e assim, transferir sua dívida para outro banco ou financeira que tenha melhores condições de pagamentos e negociações.

Por fim, tome cuidado para não contrair outras dívidas e ficar na mesma situação de devedor.

 

5- Cancele serviços que você utiliza pouco

Serviços como telefone fixo e contratações TV por assinatura podem ser canceladas, caso sejam de pouco uso. Atualmente, ter um telefone residencial pode não ser tão vantajoso, já que os smartphones possuem as mesmas funções e até mais ferramentas.

Também, os pacotes de TV por assinatura vêm sendo substituídos por plataformas de streaming on demand, ou seja, você escolhe quando e o que assistir, no lugar que quiser. Além disso, essas plataformas possuem assinaturas especiais para planos família e parcelas mais vantajosas que a TV a cabo.

Sendo assim, se você tiver na sua casa, serviços que pouco utiliza, o cancelamento pode ser uma maneira de economizar e poupar dinheiro.

 

6- Prefira usar dinheiro a cartão de crédito

O cartão de crédito pode ser um grande vilão para reservar recursos. Isso porque o cartão torna a compra mais rápida, mas também mais impulsiva. Sendo assim, prefira pagamentos e compras à vista, porque além de descontos, você evita gastar mais do que pode pagar e depois cair nos juros rotativos.

Vale ressaltar que os juros do cartão de crédito tem uma das taxas mais altas do mercado financeiro. Segundo o Banco Central, os juros rotativos do cartão de crédito chegaram em 279,2% em julho, deste ano.

7- Evite empréstimos

Evitar empréstimos é uma boa dica para controlar gastos. Isso porque em todo empréstimo há incidência de juros e taxas, além do tempo de endividamento ser a longo prazo. A maioria dos empréstimos são contratados sem um planejamento mensal, justamente para pagar outras dívidas.

Contudo, a negociação é melhor que a contração de empréstimo. Já que, usando o dinheiro emprestado para pagar débitos, você está apenas transferindo a dívida e, até pode pagar mais.

Além disso, quem não precisa pagar empréstimos ou quitar dívidas acaba tendo uma quantidade de dinheiro maior disponível todos os meses, que pode ser destinada a outras finalidades que não o pagamento de compromissos financeiros.

8- Faça planos e crie metas

Ter foco e metas para despesas futuras é essencial, principalmente para tempos de crise ou gastos inesperados. Sendo assim, faça planos a curto, médio e longo prazos, a partir do planejamento financeiro.

Dessa forma, você economiza e evita despesas desnecessárias. Mas é importante, ter foco e objetivos bem claros para que não haja desistência durante a trajetória.

9-  Mude hábitos para ter dinheiro

Gastos sem planejamento, tais como saídas para comer fora, inúmeras festas no fim de semana e compras excessivas, são algusn hábitos podem ser mudados. Sendo assim, pequenas mudanças como essas trarão uma economia considerável no fim do mês.

Momentos de lazer são necessários para uma vida saudável e um estilo de vida balanceado. Por outro lado, o planejamento de quais atividades fazer pode ser importante na hora de poupar e ter aquele dinheiro sobrando no fim do mês.

 

10- Tenha uma reserva financeira

Como já falamos, a reserva financeira é para quem deseja ter mais tranquilidade quando o assunto é finanças, visando o tempo futuro a médio e longo prazos.

Sendo assim, ter uma reserva financeira é também um sinônimo de estabilidade e segurança, para eventuais momentos de crise, imprevistos,  gastos maiores para compra de bens e momentos de lazer.

Portanto, poupar dinheiro e ainda tê-lo quando necessário, torna o controle de gastos mais simples e, consequentemente, o planejamento também.

Por fim, tenha sempre em mente: gastar quando necessário, pagar as contas em dia, controlar entrada e saída de gastos e ter planos futuros. Essa são as principais dicas para quem deseja ter um reserva de emergência ou para qualquer outro investimento.

 

Leia também

 

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes