Demanda por celulose impulsiona a produção no Brasil

A crescente demanda por papel em países em desenvolvimento, especialmente na China, impulsiona a produção de celulose no Brasil e favorece a consolidação do mercado.

A crescente demanda por papel em países em desenvolvimento, especialmente na China, impulsiona a produção de celulose no Brasil e favorece a consolidação do mercado. Nos últimos dez anos, a demanda por celulose aumentou. “Há uma entrada dos emergentes do Leste Europeu, Ásia e América Latina, que vêm aumentando o consumo rapidamente”, afirma a presidente-executiva da Indústria Brasileira de Árvores (Ibá), Elizabeth de Carvalhaes.

Nesse período, a China superou a Europa como principal destino das exportações da celulose brasileira. O país asiático trouxe 800 milhões de pessoas para os centros urbanos. Esse movimento impactou o consumo. “Há uma demanda por papéis de embalagem e produtos de higiene crescendo anualmente”, diz Elizabeth. O vice-presidente da Pöyry, Carlos Farinha, afirma que, embora a Índia tenha um maior crescimento projetado, ainda não passa por transformações de consumo tão rápidas quanto a China. “A classe média [da Índia] tem evoluído, é um fenômeno para se acompanhar com atenção. Mas não está no mesmo patamar da China”.

O economista e vice-presidente de celulose de Risi, David Fortin, aponta a demanda chinesa como um dos possíveis fatores para a fusão entre Suzano e Fibria. “Faz sentido que a parceria entre as duas companhias seja uma forma de se posicionar melhor como um fornecedor chave para o mercado de papel chinês”. Em março, as duas maiores produtoras de celulose do País, Fibria e Suzano, anunciaram um acordo de fusão. Quando concretizado, o negócio resultará na maior produtora de celulose do mundo, somando capacidade para produzir 11 milhões de toneladas de celulose por ano. A união de gigantes coloca o Brasil numa posição ainda mais arrojada. “O País se descolou dos concorrentes na produção de celulose” , declara Elizabeth.

Até o ano passado, o Brasil era o 4º maior produtor do mundo de qualquer espécie arbórea. No final de 2017, ultrapassamos a China e o Canadá. O Brasil é o maior produtor global de celulose de fibra curta, originária do eucalipto, e segundo maior no geral, atrás apenas dos Estados Unidos.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

fabrica de celuloseMercado de celulose consolidado

Para especialistas ouvidos pelo DCI, a fusão confirma uma tendência de consolidação do mercado e é uma resposta à compra da Eldorado pela asiática Paper Excellence, concretizada no ano passado. “Uma das razões prováveis para o negócio é aumentar o share de mercado e se afirmar como um dos principais players em meio a essa tendência de consolidação” , acredita Fortin. Ele afirma que, embora exista preocupação por parte dos produtores de tissue (para papéis de uso higiênico) de que a contínua consolidação do mercado pode elevar o controle de preços, o share total das empresas ainda não é suficiente para causar esse impacto. “Embora o acordo entre Suzano e Fibria crie uma gigante global, não deve ocasionar um grande impacto no mercado. A celulose é uma commodity e geralmente são necessários 70% de share para as três ou quatro maiores companhias exercerem qualquer poder de sobrepreço. A capacidade combinada de Fibria, Suzano e CPMP permanece abaixo dessa faixa, tanto no mercado total quanto de fibra curta”.

A companhia resultante da fusão terá 14% de share do mercado mundial de celulose e 28% da capacidade do mercado de fibra curta, segmento em que a segunda colocada é a chilena CMPC, com 9%. Carlos Farinha acredita que a consolidação deixará o mercado mais disciplinado. A ausência de competição entre essas empresas vai evitar oscilações bruscas de preços. Os especialistas não descartam avanços da China para tentar adquirir empresas brasileiras. “Como [estrangeiros] não podem comprar terras brasileiras, a opção é comprar empresas” , explica Elizabeth. A tendência é as grandes fábricas virem para a América do Sul. “É natural que as empresas queiram controlar a fonte de seus suprimentos e não fiquem sujeitos à oscilação do mercado”, diz Farinha.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes