Linha branca deve acelerar ritmo de recuperação após alta em 2017

O mercado de linha branca deverá acelerar o ritmo de recuperação. O aumento da produção, porém, deverá ser acompanhado por alta dos insumos.

O mercado de linha branca deverá acelerar seu ritmo de recuperação neste ano, após retomar o saldo positivo em 2017. O aumento da produção, porém, deverá ser acompanhado por alta dos insumos, afetando as margens. Segundo dados da GfK, enviados com exclusividade ao DCI, o volume das vendas do varejo ao consumidor final – o que indica a demanda de produção para a indústria – deverá encerrar 2017 com alta de 8%. Para este ano, a expectativa é de avanço de aproximadamente 10%. Confirmado o resultado, será o segundo ano de expansão consecutiva, após quatro sem alta: 2013 (-6%), 2014 (0%), 2015 (-15%) e 2016 (-12%), de acordo com a GfK. A probabilidade de um crescimento próximo a 10% é bastante alta. As perspectivas para a linha branca em 2018 são muito favoráveis , afirma o diretor comercial da GfK, Henrique Mascarenhas.

Mesmo diante de um ano que deverá ser marcado por turbulências, sobretudo no âmbito político por conta da eleição presidencial, o executivo reforça que os melhores níveis de emprego e de concessão de crédito devem permanecer este ano, garantindo a demanda pelos produtos. Se há um aumento do número de pessoas ocupadas, há uma melhora das vendas agregadas , afirma. Outro fator que deverá contribuir é a necessidade de reposição dos produtos, pelo tempo de vida útil. Enquanto as máquinas de lavar e os ar-condicionados ainda têm uma baixa penetração relativa nos lares, fogões e geladeiras já estão consolidados, mas podem ingressar na cesta de compras em razão da busca por parte dos consumidores de produtos com mais eficiência energética, atributos tecnológicos e de design, ou simplesmente por renovação. Essas tendências se observam nos itens mais comercializados na linha branca em 2017. Na linha de fogões, as vendas foram puxadas pelos cooktops – que têm formato de bandeja, sem forno e podem ser instalados em qualquer superfície.

Outro item de destaque foi o ar-condicionado, com a tecnologia Inverter, que garante menor consumo de energia e ruídos.

altaAlta de custos

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O incremento das vendas, no entanto, deverá ser acompanhado da alta no custo do produto vendido. Segundo o executivo de uma fabricante, que preferiu não se identificar, está havendo uma grande queda-de-braços da indústria com os fornecedores, que buscam repassar aumentos de custos como os do aço, alumínio, plásticos e madeira. De acordo com a fonte, o ano passado já foi de margens mais apertadas, para garantir o atingimento das metas. “Fizemos muito sacrifício em 2017 na rentabilidade para não perder as vendas. Esse ano não vai ser diferente. Se não houver o repasse do aumento dos custos de uma só vez, será ao longo do ano” , afirma. Outra fonte do setor, consultada pelo DCI, estima que um reajuste de 20% no preço do aço poderia elevar entre 3% e 5% o custo do produto, dependendo de sua categoria.

Na ponta, contudo, esse valor poderia ficar em cerca de 1,5%. Segundo o presidente do Instituto Nacional dos Distribuidores de Aço (Inda), Carlos Loureiro, “os reajustes anunciados pelas usinas, na faixa de 23%, são reflexos das altas no mercado internacional do carvão e do minério. Os grandes grupos, que têm contratos mais longos, são menos afetados, mas nem todos conseguem fugir dessa alta de custo” , afirmou. Na fabricação de uma geladeira, por exemplo, até 7% de sua produção é composta de aço. A empresa catarinense de eletrodomésticos Mueller, que produz lavadoras, secadoras, centrífugas, fogões e fornos elétricos manifesta preocupação em relação à alta dos insumos. Temos poucos fabricantes de aço no Brasil, o que diminui a concorrência. E não é possível absorver essa alta no custo, sendo preciso repassar integralmente. Mas estamos trabalhando para que o impacto no preço final, para o consumidor, seja o menor possível , diz o presidente da empresa, John Müller, acrescentando que a alta do aço afeta o valor de produtos derivados como aramados, registros e motores. Outra preocupação, diz, é com o reajuste no preço do vidro.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes