Enquanto o bitcoin sobe, é preciso garantir a segurança dos investidores

Enquanto o Bitcoin bate suas altas máximas a cada dia, tendo recentemente ultrapassando a barreira dos R$ 300 mil, a ABCripto segue cumprindo seu papel de defender o setor.

Em 2020, a Associação Brasileira de Criptoeconomia (ABCripto), lançou em conjunto com seus associados, o Código de Autorregulação do setor. Na prática, um importante manual de conduta a ser utilizado pelos associados, mas também por qualquer agente interessado em participar do ecossistema de ativos digitais e criptoeconomia no Brasil. Continue lendo sobre a rápida valorização do bitcoin:

Bitcoin

Enquanto o Bitcoin bate suas altas máximas a cada dia, tendo recentemente ultrapassando a barreira dos R$ 300 mil, a ABCripto segue cumprindo seu papel de defender o setor. Por isso, é nosso dever alertar sobre as iniciativas de entidades estrangeiras que insistem em burlar as regras locais para obter vantagem desleal, prejudicando a nossa economia, nossos investidores e nossa sociedade.

É o caso, por exemplo, da Binance. Sediada em Malta, a empresa opera no Brasil com derivativos, loterias, empréstimos e outros produtos. Todos sem o devido amparo legal das autoridades locais e, portanto, absolutamente à margem da legislação brasileira. No final do ano passado, a CVM inclusive proibiu a empresa de captar clientes no Brasil para investimentos.

No entanto, uma breve olhada no site da exchange de Bitcoin chinesa deixa claro o total desrespeito pelas autoridades do país. Além de não cumprir o stop order da CVM, segue com loterias sem aprovação da Caixa, rendimentos oferecidos sem autorização do Bacen, desprezo com regras de reporte a Receita Federal Brasileira, COAF, direito do consumidor e LGPD, tudo divulgado de forma aberta em vídeos que podem ser vistos no Youtube sem grande esforço de pesquisa. Soma-se a isso, a falta de pagamento dos devidos tributos aos Municípios (ISS) e à União Federal (IRPJ, PIS/COFINS), ao mesmo tempo em que expõem os usuários brasileiros a esses mesmos impostos (obrigação de retenção na fonte).

Cabe ressaltar algumas das manifestações públicas de representantes da empresa admitindo, sem pudor, que a plataforma não pode operar desse jeito em países sérios. Para operar nos EUA, a empresa precisou começar do zero, em pé de igualdade com as empresas locais. Tudo porque os órgãos de fiscalização americanos também haviam bloqueado a sua atuação.

Diante de tantos abusos, cabe à Associação defender a indústria brasileira e adotar as medidas necessárias para exigir que empresas estrangeiras – e seus parceiros e representantes aqui estabelecidos – atuem como todas as demais empresas participantes do setor, ou seja, em estrita concordância com as determinações dos órgãos reguladores brasileiros.

Leia também

NBA Top Shot movimenta R$ 200 milhões com cards em…

ETF de Bitcoin do Canadá atinge US$ 334 milhões; vale a pena…

- PUBLICIDADE -

Esse movimento tem o claro objetivo de criar um ambiente saudável para empresas, reguladores e pessoas que atuem com iniciativas em blockchain e/ou criptoativos no Brasil. E é especialmente pensado para proteger os investidores que confiam seu patrimônio às empresas do setor.

Neste sentido, aliás, existem inúmeras iniciativas como a da RFB, que estabeleceu reportes de operações de compra e venda de criptoativos, definindo no normativo, não apenas os criptoativos, mas também, o que significa uma exchange e um custodiante de ativos digitais. Ao mesmo tempo, o IBGE criou CNAE próprio para exchanges e custodiantes de criptoativos.

Do ponto de vista do mercado de capitais, a CVM já emitiu dois ofícios em que trata dos institutos envolvidos no ecossistema cripto para definir parâmetros de atuação dos fundos que investem em ativos digitais. O Banco Central, igualmente, publicou comunicados sobre o tema, e já manifestou interesse na criação de sua própria criptomoeda (CBDC).

ABCripto defende o setor

Para construir esse ambiente, a ABCripto está atenta e absolutamente à disposição dos legisladores e dos reguladores. Já esteve em audiências públicas no Congresso e em diversos encontros com as autoridades que, até aqui, têm atuado para organizar o mercado sem inibir a inovação e a criação de novos negócios. Todos esses esforços estão conectados a diversas outras iniciativas da Associação, que continuamente colabora com os setores público e privado, tanto para educação quanto sobre o consumo de produtos e serviços, justamente para reduzir eventuais riscos que essa inovação possa trazer.

Tudo isso mostra que no Brasil a indústria caminha para permitir que a tecnologia siga crescendo e protegendo os investidores. Para seguir assim, precisamos reunir esforços de entidades do setor, imprensa, clientes e órgãos reguladores, para garantir que todos que atuam no mercado respeitem, sem ressalvas, nossas regras. Somente com essa união poderemos reconstruir um ambiente de negócios que mantenha e gere ainda mais empregos e prosperidade para nosso País.

** Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião do DCI

Leia também:

- PUBLICIDADE -

Quais as vantagens e os riscos após a alta da moeda

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes