Fake News nas eleições 2020? Na dúvida não compartilhe

Com a votação eleitoral se aproximando, a disseminação de notícias e informações falsas pode começar a crescer.

Eleições 2020: Em ano de eleição, as fake news voltam a ficar em evidencia, pois podem ser disseminadas com maior frequência. Além disso, como as eleições 2020 estão contando com campanhas virtuais, o ambiente fica mais propenso para disseminação de notícias falsas. Contudo, existem maneiras de identificar e denunciar as fake news eleitorais, para conseguir colocar um freio na desinformação. Confira mais sobre:

O que são fake news?

A tradução literal do termo seria “notícia falsa” e a explica é basicamente essa também. Fake news são informações falaciosas que circulam na sociedade sobre diversos assuntos. Na maior parte das vezes, elas são divulgadas nas redes sociais, pela facilidade de disseminar mensagens nesses canais.

Os motivos para disseminar algo do tipo variam também. Pode ser para conseguir mais acessos com manchetes sensacionalistas, para caluniar alguém ou produzir discurso de ódio. Mesmo sem uma motivação especifica, as notícias se espalham pelas redes e não há controle direto sobre as informações divulgadas. Em alguns casos, existem robôs programados para disseminar calúnias sobre determinado assunto.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Fake news eleitorais?

Contudo, em tempos de eleição, as fake news aumentam, pois são divulgadas com intuito de aumentar a popularidade de algum candidato ou queimar um opositor.

A imprensa internacional começou a usar com mais frequência o termo fake news durante a eleição de 2016 nos Estados Unidos. Como nesse momento político, muitas notícias falsas foram divulgadas pelas redes sociais e investigadas, o termo se fixou. Logo começou a ser usado no Brasil, principalmente em 2018, ano das eleições presidenciais. Na época, houve um estouro de desinformação eleitoral no país. Boatos como fraudes nas urnas e mentiras sobre propostas de candidatos foram as que mais chamaram atenção. A partir desse momento, as fake news ganharam destaque e órgãos públicos e privados começaram a investigar os assuntos polêmicos para fazer a verificação correta das informações. Dessa maneira, o público poderia a conferir a veracidade da notícia antes de divulgar.

Nas eleições 2020, o ambiente pode estar mais propício para disseminação de fake news. Pois com o isolamento social, boa parte das campanhas está sendo feita online, pelas redes sociais. Contudo, os órgãos, como TSE e Ministério Público já estão mais preparados para fazer o combate à desinformação. Assim como empresas privadas também. Além disso, a população também tem mais conhecimento sobre o assunto e tem artifícios para identificar e denunciar as fake news.

O Dilema das Redes dá dicas que como manter uma relação mais saudável com as redes sociais e o celular
Foto: Pixabay

Perigos das fake news

As notícias falsas podem afetar severamente a vida das pessoas envolvidas. Um exemplo que ficou conhecido e chegou ao extremo foi o de Fabiane Maria de Jesus, que morreu após ter sido espancada por dezenas de moradores de Guarujá, no litoral de São Paulo, em 2014. O caso ocorreu após uma postagem no Facebook com um retrato falado de uma possível sequestradora de crianças para rituais de magia negra. Os moradores acreditaram que Fabiane seria essa mulher e a lincharam, levando a dona de casa à morte.

Outro caso foi a da vacina do sarampo. Um surto de notícias falsas falava que as vacinas seriam mortais e teriam matado milhares de crianças. Por conta disso, a doença, que já estava erradicada, voltou a acometer a população, inclusive crianças, no Brasil.

Eleições 2020: Como identificar fake news?

Com as eleições 2020 chegando, é bom ficar atento a algumas dicas para evitar a disseminação de notícias falsas, confira:

  • Verifique as fontes: se as fontes não forem oficiais ou confiáveis, não compartilhe.
  • Pesquisar: antes de compartilhar noticias, é importante fazer uma pesquisa mais profunda para ter certeza sobre a veracidade do conteúdo.
  • Cuidado com mensagens encaminhadas: muitas pessoas fazem disparos de mensagens falsas e as encaminham via celular. Por isso, quando receber mensagens assim, cheque a veracidade.
  • Cuidado com conteúdos políticos: as fake news, muitas vezes, são usadas para campanhas eleitorais. Então, se receber algum conteúdo politico, deixe o viés de lado e confira a informação.
  • Uma dica é olhar em ferramentas de checagem, como Fato ou Fake do G1, Agência Lupa da Piauí, Projeto Comprova. São plataformas que checam informações e notícias polêmicas.

Eleições 2020: Como denunciar?

O Tribunal mantém, desde agosto de 2019, o Programa de Enfrentamento à Desinformação com Foco nas Eleições 2020, que conta com a parceria de 52 instituições. Entre partidos políticos, entidades públicas e privadas, associações de imprensa, plataformas de mídias sociais, serviços de mensagens e agências de checagem. A ideia da iniciativa é que todos possam colaborar com o combate à desinformação e também a levar as informações corretas e precisas à população.

Existem o Pardal, novo aplicativo do TSE, que permite que o cidadão faça denuncias de atos eleitorais irregulares, em tempo real, e envie a Justiça para apuração dos fatos. É possível baixar o aplicativo no celular. Mas também há uma versão para web, que permite aos eleitores fazer denuncias.

É possível fazer denuncias pelo Ministério público Eleitoral, o órgão disponibiliza links para cada região. O aplicativo WhatsApp criou um canal específico com o TSE para diálogo e denúncias. O número para suporte do TSE é +55 61 9637-1078 . Acesse também o formulário para denuncia de disparo de mensagens em massa por WhatsApp. Além disso, nas redes sociais como Facebook, Instagram e Tik Tok é possível denunciar os conteúdos falsos por meio da própria plataforma. Em algumas delas, o TSE tem uma página de apoio para ajudar os usuários.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes