MP que facilita crédito a empresas será votado nesta terça (20)

Micro, pequenas e médias empresas poderão ter acesso ao Programa de Capital de Giro para Preservação de Empresas, uma nova linha de crédito.

A criação de linhas de crédito a empresas afetadas pela pandemia tem sido o principal motor das medidas econômicas neste ano de 2020. A Câmara dos Deputados pode votar nesta terça-feira (20), uma Medida Provisória (MP) que cria um incentivo contábil para estimular os bancos a emprestar dinheiro para capital de giro.

Sendo assim, se aprovada, a MP 992/20 prevê a criação do Programa de Capital de Giro para a Preservação de Empresas (CGPE) que  beneficiará micro, pequenas e médias empresas. A sessão de votação será virtual e deve acontecer no início da tarde, por volta das 14h.

Contudo, deputados de partidos de oposição já anunciaram que a MP 1000/20, que prevê a ampliação do auxílio emergencial residual, é prioridade no momento. Segundo o portal da Câmara, “a oposição defende a ampliação do valor desse auxílio de R$ 300 para R$ 600.”

Dessa forma, ainda é incerto se a MP para o incentivo à concessão de empréstimos terá aprovação na terça-feira, já que na última sessão sobre o assunto terminou sem votação, após obstrução de alguns deputados.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Novo programa de crédito a empresas

A MP 992/20 é uma maneira de incentivar as instituições financeiras conceder empréstimos para micro, pequenas e médias empresas. Se aprovado, empresas com receita bruta de R$ 300 milhões no ano de 2019 poderão solicitar o crédito do CGPE. Além disso, os empréstimos deverão ser contratados até o 31 de dezembro de 2020.

O empréstimo terá prazo mínimo de 36 meses para pagamento, sendo seis meses de carência. Além disso, 80% dos recursos da nova linha de crédito deverá ser direcionada para micro e pequenas empresas com receita bruta anual de até R$ 100 milhões. Portanto, a CGPE deve obedecer o  regulamento do Conselho Monetário Nacional (CMN), órgão superior do Sistema Financeiro Nacional, que regulariza a concessão de empréstimos.

O incentivo é a apuração de crédito presumido às instituições bancárias entre o período de 2021 a 2025, em igual valor ao total emprestado às empresas. Ou seja, é a redução de impostos aos bancos no tempo determinado.

Segundo a Agência Senado, os bancos que aderirem ao CGPE “não poderão restringir a movimentação do dinheiro emprestado nem vinculá-lo ao pagamento de débitos anteriores”, explica a nota à imprensa.

 

Outras linhas de crédito

Moedas Mias desvalorizadas
Imagem: Reprodução / GettImages

Desde o início da pandemia de Covid-19, em março de 2020, o governo criou linhas de crédito para empresas. O objetivo principal foi mantê-las ativas, mas também a manutenção dos empregos e . Sabendo disso, créditos como o Pronampe, Peac-Maquinhinhas, Programa Emergencial de Suportes a Empregos (BEm), entre outros, tiveram recursos para micro e pequenas empresas, prioritariamente. Também, os microempreendedores individuais foram contemplados pelo programas econômicos.

Vale ressaltar que o Pronampe foi a primeira medida econômica para empresas durante a pandemia. A linha de crédito para empresas com receita bruta entre R$ 360 mil e R$ 50 milhões. O Programa teve três fases, mas os recursos não foram suficientes. Já o BEm, destinou-se a micro e pequenas empresa para a preservação de empregos, ou seja, com a suspensão ou redução da jornada de trabalho.

 

 

 

 

 

Informar Erro
Fonte Agência Câmara

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes