Planalto impõe sigilo de até 100 anos a cartão de vacinação de Bolsonaro

Palácio do Planalto decretou sigilo alegando que são materiais íntimos. Não é a primeira vez neste ano que o presidente tenta esconder informações a seu respeito para a população

O Palácio do Planalto decretou sigilo de até 100 anos ao cartão de vacinação do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e a qualquer outra informação sobre as vacinas que o presidente tomou. 

 

Cartão de vacinação de Bolsonaro por meio da Lei de Acesso à Informação foi negado

A coluna do jornalista Guilherme Amado, da revista Época, fez o pedido por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). Em resposta, a Presidência afirmou que os dados “dizem respeito à intimidade, à vida privada, à honra e à imagem” do presidente, e impôs um sigilo de até cem anos ao material.

 

O cartão de vacinação Jair Bolsonaro não foi o primeiro documento que foi privado da população. O presidente contraiu o vírus em julho e emitiu comunicados à imprensa. No entanto, no mês de maio, realizou exames para detectar a infecção, porém se recusou a mostrá-los. Em 13 de maio os resultados foram divulgados após determinação do ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF). O Planalto estava a dois dias de desrespeitar o prazo estipulado pela Câmara para divulgar os documentos.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Bolsonaro e a minimização das vacinas

O presidente Jair Bolsonaro já fez críticas diversas vezes às vacinas contra a Covid-19, questionou por vezes a eficácia e a segurança dos imunizantes e declarou que não vai tomar nenhuma vacina. “Não vou tomar a vacina e ponto final. Se alguém acha que a minha vida está em risco, o problema é meu e ponto final”, afirmou ele em 15 de dezembro. 

 

Bolsonaro disse, ontem (7), que vacina emergencial contra covid-19 não é segura: “quem é que vai tomar vacina aqui? Não estou fazendo campanha nem contra nem a favor. A vacina emergencial não tem segurança ainda e ninguém pode obrigar alguém a tomar algo que você não tem certeza das consequências”, afirmou Bolsonaro a apoiadores na frente do Palácio do Alvorada.

 

Bolsonaro também fez críticas específicas ao imunizante da Pfizer, nas quais alegou a possibilidade dos vacinados com ela poderiam se tornar jacarés – o que levou a uma onda de reprovação e memes vindo da população. Confira o trecho: “lá na Pfizer, tá bem claro lá no contrato: ‘nós não nos responsabilizamos por qualquer efeito colateral’. Se você virar um chi… virar um jacaré, é problema de você, pô. Não vou falar outro bicho, porque vão pensar que eu vou falar besteira aqui, né? Se você virar super-homem, se nascer barba em alguma mulher aí ou algum homem começar a falar fino, eles não têm nada a ver com isso. Ou, o que é pior, mexer no sistema imunológico das pessoas”, disse.

 

Quando começa a vacinação no Brasil?

O ministro Eduardo Pazuello, na live semanal do presidente desta quinta-feira (7), disse novamente que, na “melhor hipótese”, o Plano Nacional de Imunização (PNI) começa em 20 de janeiro. Numa previsão que Pazuello chamou de “média”, o período de início se estende até 10 de fevereiro. Já em uma hipótese mais demorada, a campanha começaria em março. O presidente afirmou que o governo federal não impedirá a imunização contra a Covid-19 em clínicas privadas. 

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes