Saiba o que é Sleeping Giants Brasil e quem está por trás do portal

Os estudantes de direito em Ponta Grossa, interior do Paraná, Leonardo de Carvalho Leal e Mayara Stelle, ambos com 22 anos comandam a página.

Em 2016, Matt Rivitz criou Sleeping Giants , um perfil no Twitter dedicado a relatar anúncios de grandes marcas em sites conservadores. Com alguns cliques, Rivitz ajudou a catalisar um movimento político internacional.

Depois de ter grande sucesso na pressão pela retirada de milhões em fundos de sites de direita e organizações de notícias dos EUA, como Breitbart e Fox News, sua ideia acabou se espalhando pelo mundo e chegou ao Brasil, onde, em menos de um mês , o perfil Sleeping Giants Brasil rapidamente conseguiu convencer as marcas a retirarem os anúncios do Jornal da Cidade Online, considerado um dos maiores porta-vozes e propagadores da desinformação do presidente brasileiro Jair Bolsonaro. Também é alvo de uma investigação do Congresso.

Em entrevista à Folha de S.Paulo nodomingo (13), o casal por trás do Sleeping Giants Brasil revelou sua identidade. São eles Leonardo de Carvalho Leal e Mayara Stelle, ambos com 22 anos. Antes o grupo operava de forma anônima, pois afirmavam receber ameaças de morte quase todos os dias.

As páginas oficiais do Sleeping Giants estão no Twitter Instagram.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Sleeping Giants Brasil

Originalmente, o Sleeping Giants nasceu nos Estados Unidos, desmonetizando o site de extrema direita de Steve Bannon, chefe da campanha vitoriosa de Donald Trump em 2016.

Foi pesquisando sobre essa iniciativa que o casal de Ponta Grossa no Paraná resolveu criar a página no Brasil. Antes, Leonardo era motorista de Uber até que teve o carro batido no início do ano.  Já Mayara era vendedora de maquiagens, mas a Covid-19 fechou os salões de beleza de Ponta Grossa. Ambos cursam direito na faculdade federal.

A página, criada há sete meses, tem derrubado a monetização de sites que propagam fake news e discursos de ódio pela internet. Horas depois de ter sido criada, a página já tinha 20.000 seguidores e o casal foi oficializado por Matt Rivitz, criador do Sleeping Giants dos EUA, como representante do movimento no Brasil.

Sleeping Giants Brasil
Foto: Reprodução/Sleeping Giants Brasil

Perfil

O perfil é assessorado gratuitamente pelo Rede Liberdade, grupo de advogados e jornalistas que atua em casos de violação de direitos e liberdade de expressão.

O SGB já conta com 410 mil seguidores no Twitter e 170 mil no Instagram. Eles calculam ter retirado de 3 sites de notícias e 2 canais o equivalente a R$ 1,5 milhão em anúncios. Segundo o casal, 700 empresas já seguiram seus alertas e retiraram os anúncios de sites duvidosos.

Hoje eles vivem do auxílio emergencial e afirmam não receber nada pelo trabalho feito pela Sleeping Giants Brasil.

Anonimato do sleeping giants Brasil

O casal contou que por conta das inúmeras ameaças que sofriam diariamente se mantinham em anonimato. Eles contaram que tiveram que sair da casa dos pais por segurança.

“Tivemos que nos distanciar das famílias para mantê-los seguros. Minha família é muito distante da internet, são pessoas mais velhas, é difícil até explicar o que nós estamos fazendo. Então optamos por sair do anonimato longe deles. Neste momento estamos na casa de um amigo, em São Paulo”, conta Mayara.

Ela ainda conta que decidiram sair do anonimato foi para evitar que algum site de fake news descobrisse quem eles são antes.

Sem linha política

Embora sejam atacados frequentemente por grupos de direita, segundo eles, o movimento não atua politicamente, ao contrário do que dizem grupos bolsonaristas pela internet.

“A gente não olha se o site é de esquerda ou de direita. Infelizmente, sabemos que o discurso de ódio está presente em todos os espectros políticos. O que acontece é que, nesse momento, não dá para negar que a extrema direita tem um alcance de desinformação muito maior que a esquerda”, diz Mayara em entrevista à Folha.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes