10 perguntas sobre a vacinação contra COVID-19 no Brasil

Confira as respostas para 10 perguntas sobre a vacinação contra a COVID-19, e o que é verdade e o que é mentira sobre a imunização no Brasil

Muito se fala sobre o início da vacinação contra o coronavírus no Brasil e os imunizantes, que devem ser aprovados pela Anvisa para uso emergencial no próximo domingo (17). Ainda sim, com tanta informação sobre o assunto, é comum se sentir perdido e até desinformado entre fatos e fake news sobre o tema.  Enquanto a vacinação ainda não começa, saiba as respostas para as 10 principais perguntas sobre a vacinação contra a COVID-19 no Brasil.

As informações são do G1.

Quando começa a vacinação contra a COVID-19 no Brasil?

Embora o Ministério da Saúde ainda não tenha definido uma data definitiva para o início da campanha de vacinação, prefeitos que participaram de um encontro com o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmam que o ministro anunciou que a vacinação deve ser iniciada na próxima quarta-feira (20), em todo país. Pazuello afirma que todos os estados receberão imunizantes e iniciarão a vacinação simultaneamente. O início da vacinação depende da aprovação da Anvisa para o uso emergencial da Coronavac e vacina de Oxford.

 

Quais são os grupos prioritários para a imunização?

Segundo o plano nacional de imunização do Governo Federal, a campanha prioriza trabalhadores da área da saúde, idosos acima de 60 anos, indígenas, pessoas com comorbidades, professores (do nível básico ao superior), profissionais de forças de segurança e salvamento, funcionários do sistema prisional e comunidades ribeirinhas.

 

É verdade que o Ministério da Saúde está realizando agendamento para receber a vacina?

Não. O ministério da Saúde afirmou, em nota, que não realiza qualquer agendamento para aplicação de nenhum tipo de vacina, e nem envia códigos via celular para usuários do Sistema Único de Saúde (SUS).

 

É necessária documentação para ser imunizado contra o coronavírus?

O ministério da Saúde afirma que todas as pessoas serão vacinadas, mesmo que não apresentem algum documento. Basta comprovar que pertence ao grupo correspondente à fase da vacinação. No entanto, a Pasta diz que é importante informar o CPF ou apresentar o Cartão Nacional de Saúde, conhecido como Cartão do SUS.

 

A vacinação contra COVID-19 garante a imunidade contra o coronavírus?

Não. As vacinas garantem totalmente  a imunidade contra o vírus e nem a reincidência de infecção, mas diminuem a chance de infecção e gravidade da doença em relação às pessoas que não receberam o imunizante. Desta forma, pessoas vacinadas ainda poderão transmitir o coronavírus. O uso da máscara ainda será fundamental após a vacinação.

 

Especialistas ainda ressaltam que nenhuma vacina é 100% eficaz, e a proteção coletiva só é possível quando a maior parte da população é imunizada. Quanto mais pessoas imunizadas, menor será a circulação do vírus e o risco para quem não foi vacinado ainda.

 

A vacina contra COVID-19 terá custos?

Não. A vacina será disponibilizada gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, o SUS.

 

Quanto tempo leva para a imunização da vacina começar a agir?

É importante saber que o nosso organismo não gera resposta imune imediata, mesmo após duas doses da vacina. A proteção se dá um tempo após a aplicação da segunda dose, e esse tempo varia de acordo com cada vacina. Na maioria delas, costuma a acontecer a partir de dez ou vinte dias após a segunda dose.

 

Posso ser infectado pelo coronavírus ao tomar a vacina contra COVID-19?

Não. Nenhuma das vacinas em testes contém o vírus vivo. Os imunizantes contra a COVID-19 são “vacinas mortas”, ou seja, inativadas. Desta forma, é impossível ser infectado ao se vacinar.

 

A vacinação contra COVID-19 será obrigatória?

Na prática, vacinas no Brasil já são consideradas obrigatórias, uma vez que em diversos estados e cidades, quem quiser matricular filhos em colégios deve apresentar a caderneta de vacinação com todas as vacinas em dia. A apresentação da caderneta também é uma condição necessária para disputar cargos públicos e se inscrever em programas sociais como o Bolsa Família.

 

Em dezembro, o Supremo Tribunal Federal autorizou a aplicação de medidas restritivas para quem se recusar a se vacinar contra a COVID-19. Entende-se que essas medidas são necessárias para que a saúde coletiva não seja prejudicada pela decisão individual.

 

Se não sou grupo de risco, poderei comprar a vacina contra COVID-19 em uma clínica particular?

Ainda não há previsão de quando as vacinas contra a COVID-19 poderão ser adquiridas por clínicas particulares no Brasil. A orientação dos órgãos de saúde nacionais e internacionais é que todas as doses produzidas neste primeiro momento sejam direcionadas aos governos, a fim de garantir que pessoas dos grupos de risco sejam imunizadas o mais rápido o possível.

 

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes