30 milhões de seringas são requisitadas pelo Governo para vacinação

A decisão da Anvisa acerca do uso emergencial da Coronavac e Vacina de Oxford será divulgada no próximo domingo (17)

Segundo a Associação Brasileira da Indústria de Artigos e Equipamentos Médicos, Odontológicos, Hospitalares e de Laboratórios, a Abimo, 30 milhões de seringas foram requisitadas pelo Governo Federal e devem ser destinadas aos Estados brasileiros para o início da campanha nacional de vacinação contra a COVID-19.

O novo pedido de insumos, somados às outras 30 milhões de seringas já adquiridas pelo Ministério da Saúde no início de janeiro, totalizam o fornecimento de 60 milhões de equipamentos para a aplicação de imunizantes contra o coronavírus.

Segundo o superintendente da Abimo, Paulo Henrique Fraccaro, o Governo Federal fez a requisição de insumos com três empresas, para cada qual solicitou 10 milhões de equipamentos com entrega até o dia 13 de fevereiro. A Abimo também informou que uma das empresas pediu que o Governo reconsidere a requisição de seringas de 1 ml, uma vez que o seriam mais difícil produzir no volume solicitado e para a data prevista. As empresas já estariam em negociação sobre a capacidade das 30 milhões de seringas requisitadas pelo Governo.

No início de janeiro, a Secretaria do Comércio Exterior do Ministério da Economia restringiu a exportação de seringas e agulhas ao exterior. Os insumos foram incluídos na lista de produtos que precisam de licença especial para serem exportados. A mudança atendeu um pedido do Ministério de Saúde para garantir a quantidade adequada de materiais para o início do plano nacional de vacinação.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Estados vão à Justiça

Ainda nesta quarta-feira (13), o governo do Espírito Santo ingressou no Supremo Tribunal Federal na tentativa de impedir que o Governo Federal requisite insumos comprados pelo Estado para o cumprimento do plano local de vacinação contra a COVID-19. Anteriormente, o ministro do Supremo, Ricardo Lewandowski já havia determinado que a União não poderia confiscar agulhas e seringas já compradas pelo governo do Estado de São Paulo.

Na ocasião em que requisitou seringas do Estado de São Paulo, o STF concedeu ao Ministério da Saúde 5 dias para que a situação do estoque de insumos do Ministério da Saúde fosse esclarecida. O ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, afirmou que “Não existe falta de seringa”.

Palavra final da Anvisa

A Anvisa, Agência Nacional de Vigilância Sanitária, informou nesta quarta-feira (13) que as decisões sobre a aprovação do uso emergencial das vacinas Coronavac e Vacina de Oxford serão divulgada no próximo domingo, dia 17. A decisão será tomada pelos cinco membros da Diretoria Colegiada, em encontro onde irão analisar os dados de relatórios elaborados pelas áreas técnicas de ambos os laboratórios. A decisão ocorre por votação, na parte da manhã, e será transmitida no canal da Anvisa no YouTube.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes