Bula da Coronavac é divulgada; saiba quem não pode tomar a vacina

Poucos grupos de pessoas são contraindicados para tomar o imunizante do Instituto Butantan. Confira quem ainda deve aguardar por novos testes da vacina

O Instituto Butantan divulgou nesta quarta-feira (20) a bula da CoronaVac, vacina contra a Covid-19 desenvolvida pelo laboratório paulista em parceria com a farmacêutica Sinovac. As contraindicações da vacina são poucas; confira quem são as pessoas que não podem tomar a vacina.

 

Quem é indicado para tomar a Coronavac?

A vacina é indicada para pessoas acima de 18 anos, com aplicação de duas doses de 0,5 mL e com intervalo de duas a quatro semanas.

 

Bula da Coronavac restringe poucas pessoas

A bula da Coronavac mostra que a vacina tem poucas contraindicações. O imunizante causa reações adversas principalmente em pessoas com alergia a algum componente usado em sua produção, segundo a CNN, que teve acesso ao documento que é enviado a profissionais de saúde com dados do imunizante.

Um dos pontos de destaque sobre a bula é que quem possui uma doença aguda, início de enfermidade crônica e histórico de epilepsia ou convulsão deve procurar um médico antes de tomar a vacina, devido a medidas de prevenção. 

 

O que diz a bula da CoronaVac sobre alergias

Quanto à possibilidade de alguma pessoa ter alergia a algum componente da vacina e não souber até o momento da aplicação, o Instituto Butantan afirma que os pontos de vacinação têm doses de adrenalina para reverter um possível choque anafilático. Segundo as regras do Instituto, o Butantan deve garantir pronto-atendimento por trinta minutos após a aplicação. “A orientação é que, se a pessoa não tem certeza se é alérgica a algum componente ou não, ela fique no local por 30 minutos”, diz Luiz Gustavo de Almeida, microbiologista da USP e coordenador do Instituto Questão de Ciência. 

 

Gestantes e puérperas

A vacina Coronavac não foi testada em gestantes ou em mulheres que haviam acabado de dar à luz. Portanto, não há dados consolidados até agora sobre a segurança e eficácia dos imunizantes nelas. A recomendação é que as grávidas não tomem a vacina neste primeiro momento. Em coletiva de imprensa realizada na terça-feira passada (12/01), o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, anunciou que as grávidas, que estão no terceiro trimestre, crianças e jovens serão incluídos nos estudos para avaliar a eficácia da vacina contra a covid-19.

O microbiologista da USP complementa: “não quer dizer que vai ter problema, mas não temos como garantir que não terá. É simplesmente pelo fato deste grupo não ter sido testado, portanto, não é possível garantir a segurança”, diz Almeida.

 

Pessoas com sistema imunodeprimido

Luiz Gustavo de Almeida também destaca restrições para pessoas com sistema imunodeprimido ou imunodebilitado. “Principalmente aquelas que fazem uso de imunoglobulina humana. Ela deve ser vacinada com, pelo menos, um mês de intervalo para não interferir na resposta imunológica”, alerta o microbiologista, “mas a orientação na bula é de que podem sim, desde busquem a orientação médica”, completa Almeida em entrevista à CNN.

 

Termo de compromisso para tomar a CoronaVac

O Instituto Butantan criou um site com informações sobre a vacina e disponibilizou também um formulário de consentimento, que deverá ser assinado pelos pacientes no momento em que receberem a vacina. O documento está disponível para download. 

 

Mais vacinas devem chegar em SP na semana que vem

O governo de São Paulo espera receber da China 5,4 mil litros de insumo para CoronaVac na semana que vem, o que deve permitir a produção de mais 5,5 milhões de doses pelo Instituto Butantan. A informação é do portal de notícias G1. O instituto só irá conseguir aumentar a produção de vacinas se conseguir a liberação do “ingrediente farmacêutico ativo”, o IFA. 

 

Nesta segunda-feira (18), o Instituto Butantan pediu ao governo chinês agilidade na liberação de insumos para a produção de mais doses da CoronaVac. Até o momento, o Brasil tem seis milhões de doses prontas da vacina. Existem outras 4,8 milhões de doses prontas da Coronavac no Butantan, mas que ainda dependem de nova autorização emergencial da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para serem aplicadas – o pedido foi feito pelo instituto nesta segunda.

 

Butantan pede “dignidade” de Bolsonaro para conseguir a CoronaVac da China

De acordo com o diretor do instituto, Dimas Covas, um carregamento de matéria-prima estava pronto para ser despachado, mas ainda dependia de autorização do governo chinês para ser enviado ao Brasil. O Butantan já concluiu o envase de toda a matéria-prima recebida da China e aguarda essa nova remessa para dar início à segunda etapa de produção. Na manhã desta terça (19), Dimas Covas pediu que o presidente Jair Bolsonaro tenha “dignidade” para defender a vacina e interceder na liberação do insumo da China.

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes