Camelôs no RJ vendem vacina falsa contra a Covid por R$ 50

Os relatos sobre o imunizante falsificado contra o novo coronavírus viralizaram na internet e nas redes sociais no começo desta semana.

No domingo (20) uma publicação viralizou nas redes sociais e nos grupos de WhatsApp. A notícia se tratava de uma vacina contra a COVID-19 falsa, que estaria sendo vendida no camelô do bairro de Madureira, na zona Norte do Rio de Janeiro. O primeiro a relatar o caso na internet foi o produtor cultural Sérgio Oliveira, morador da região e conhecido como Jones MFjay. Outras pessoas também relataram ter visto a cena nos comércios de rua, até mesmo fora de Madureira, e postaram nas redes sociais.

relato da vacina falsa
Foto: Reprodução/Redes sociais

Vacina falsa contra covid-19

Segundo os relatos, a vacina falsa estaria sendo comercializada por R$50,00 nos camelôs, com direito a certificado. Além disso, também seria possível fazer a aplicação na hora pagando mais R$10,00.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Na embalagem está escrito que a vacina teria sido produzida pelo Instituto de Produtos Biológicos de Pequim, parte do Grupo Nacional Biotec da China (CNBG, na sigla em inglês), do Grupo Nacional Farmacêutico chinês (Sinopharm). O laboratório é real e está produzindo uma vacina, contudo, não há estudos a respeito do imunizante no Brasil ainda. A vacina com os estudos mais adiantados no país é a CoronaVac, que deverá ser produzida pelo Instituto Butantan em parceira com o laboratório chinês Sinovac.

Anvisa vai investigar

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) informou ao Estadão/Broadcast que está investigando os rumores sobre a venda de vacina, assim como a Polícia Federal

“Nesse momento não é possível compartilhar informações relativas às investigações em curso. O que podemos afirmar é que qualquer comercialização ou aplicação de vacina de covid-19, fora de pesquisa, hoje no Brasil é atividade irregular e oriunda de falsificação, pois não há vacinas autorizadas no Brasil ainda”, informou a Anvisa por meio de sua assessoria de imprensa.

Vale lembrar que nenhuma vacina foi autorizada pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para comercialização no país. Então, a vacina vendida pelos comerciantes não tem procedência alguma. Por isso, é preciso ficar atento para não cair em golpes como este.

Vacina Brasil

A Anvisa ainda não autorizou o uso de nenhuma vacina contra a COVID-19 no Brasil. O Instituto Butantan firmou acordo com a Sinovac para produção do imunizante CoronaVac. A expectativa do governo de São Paulo é que a população comece a ser vacinada no dia 25 de janeiro do próximo ano.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes