CoronaVac aprovada: Brasil autoriza uso emergencial da vacina

Por unanimidade, a Anvisa autorizou o uso emergencial da CoronaVac.

Com cinco votos favoráveis de todos diretores da Anvisa à autorização do uso emergencial da CoronaVac, a vacina é aprovada no Brasil contra covid-19. A decisão acabou de ser tomada e foi unanime.

Contudo, como foi uso emergencial ainda existem restrições para a aplicação, apenas um grupo selecionado irá tomar a vacina, por enquanto. Além da CoronaVac, a vacina de Oxford/AstraZeneca também foi aprovada.

Restrições CoronaVac

Apesar de Meiruze Sousa Freitas ter votado a favor da aprovação da vacina coronaVac, a relatora condicionou a autorização para o Instituto Butantan à assinatura de um termo de compromisso, para sanar alguns pontos dos estudos, especialmente em relação à capacidade de provocar imunidade.

CoronaVac aprovada: primeira pessoa a se vacinar

O governador de São Paulo, João Dória (PSDB) afirmou que a primeira pessoa será vacinada ainda hoje no Hospital das Clinicas em São Paulo. Dória deve se pronunciar logo após o fim da reunião da Anvisa.

Além disso, a identidade da primeira pessoa a vacinar foi divulgada, ela é Mônica Calazans, de 54 anos, mulher, negra e enfermeira do hospital Emílio Ribas, em São Paulo.

Leia também

Nice x Monaco: onde assistir ao jogo da Copa da França…

O que é o spray nasal contra covid que Bolsonaro tanto fala?

CoronaVac aprovada: Uso emergencial

- PUBLICIDADE -

Vacinas aprovadas para uso emergencial só podem ser usadas em um público alvo pré-definido e durante um prazo pré-determinado. Além disso, a responsabilidade, nesses casos, é totalmente do poder público.
O Estado proíbe que as vacinas de uso emergencial sejam ministradas por clínicas privadas, apenas o SUS pode fazer a aplicação.

coronaVac aprovada
Foto: Governo de São Paulo

Uso definitivo da vacina contra covid-19

Já com quando o uso definitivo é aprovado. O imunizante pode ser usado para a vacinação em massa e pode ser distribuído tanto na rede pública quanto na rede privada. Este cenário só ocorre depois da análise completa de estudos do medicamento.

Quem deve receber a vacina primeiro?

Segundo o plano de imunização de São Paulo, os primeiros grupos que vão receber a vacina, a partir do dia 25 de janeiro, são os trabalhadores de saúde, indígenas e quilombolas no estado. Em seguida pessoas acima de 75 anos (a partir de 8 de fevereiro); pessoas de 70 a 74 anos (a partir de 15 de fevereiro); pessoas de 65 e 69 anos (a partir de 22 de fevereiro) e de 60 a 64 anos (a partir de 1º de março). A segunda dose deve ser dada 21 dias depois da primeira. Outros grupos devem ser vacinados gradualmente ao longo dos outros meses.
A expectativa é que na primeira fase, cerca de 9 milhões de pessoas sejam vacinadas.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes