Entenda que é Malária: sintomas e prevenção da doença

Felizmente, a malária é uma doença curável. Contudo, caso não seja tratada ou diagnosticada rapidamente, pode evoluir para sua forma mais grave em poucos dias.

A malária atinge principalmente a região amazônica do país é causada pelo anofelino, um mosquito muito similar ao pernilongo. Seu ciclo é homem-anofelino-homem, ou seja, para a doença ser transmitida o mosquito deve picar um indivíduo infectado pela doença.

Então entenda abaixo o que é a malária e as principais informações sobre os sintomas, tratamento e formas de prevenção da doença.

Quais os sintomas da Malária?

Segundo informações do Ministério da Saúde, os sintomas mais comuns da malária são:

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

  • febre alta;
  • calafrios;
  • tremores;
  • sudorese;
  • dor de cabeça, que podem ocorrer de forma cíclica.

Contudo, antes de apresentarem estas manifestações mais características citadas acima, muitas pessoas podem sentir náuseas, vômitos, cansaço e falta de apetite.

Como é o tratamento para a doença pelo SUS?

Felizmente, a malária é uma doença curável. Contudo, caso não seja tratada ou diagnosticada rapidamente, pode evoluir para sua forma mais grave em poucos dias.

Após a confirmação da malária, o paciente recebe o tratamento em regime ambulatorial, com comprimidos que são fornecidos gratuitamente em unidades do Sistema Único de Saúde (SUS). Somente os casos graves deverão ser hospitalizados de imediato.

O tratamento indicado depende de alguns fatores, como a espécie do protozoário infectante; a idade e o peso do paciente; condições associadas, tais como gravidez e outros problemas de saúde; além da gravidade da doença.

No caso do agravamento da malária, o paciente pode passar por graves quadros de anemia, insuficiência hepática e renal e até coma. Quase todos os órgão e sistemas do corpo podem ser comprometidos.

Assim, quando realizado de maneira correta e em tempo oportuno, o tratamento garante a cura da doença.

Cloroquina para tratar a malária

Inclusive, um dos possíveis medicamentos para o tratamento da malária é a Cloroquina. Porém, a forma de tratamento mais adequada será escolhida pelo médico analisando fatores como a espécie do protozoário que infectou o paciente e a gravidade da doença.

Existe vacina para a Malária?

Um dos maiores problemas da Malária é a impossibilidade de criar uma vacina efetiva contra o vírus. Por anos, diversos cientistas tentam desenvolver a vacina, mas a evolução do parasita contra medicamentos é muito rápida. Contudo, em 2019 a Organização Mundial da Saúde (OMS) iniciou o teste da vacina Mosquirix em países africanos, onde a incidência de mortes pela doença é enorme. O problema com essa vacina é que seus efeitos são muito limitados e até duvidosos.

Para uma proteção de apenas 30% contra a malária severa são necessária quatro doses da vacina e especialistas questionam se os gastos e esforços com a Mosquirix valem a pena. Até 2021, a OMS divulgará sua opinião sobre a efetividade desta vacina contra a malária, mas a pandemia do coronavírus pode atrasar isso.

Como prevenir a Malária?

A prevenção contra a Malária é feita de maneira individual e engloba as seguintes atitudes:

  • Uso de mosquiteiros;
  • Utilização de roupas que protejam pernas e braços;
  • Instalação de telas em portas e janelas;
  • Uso de repelentes.

Malária no Brasil

A malária representa importante problema de saúde pública global e, segundo a OMS, atinge milhões de pessoas em todo o mundo. No Brasil, cerca de 99% da transmissão da malária concentra-se na região da Amazônia Legal, composta por 9 estados (Acre, Amapá, Amazonas, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins) e 808 municípios. A região extra-amazônica, composta pelos outros 17 estados e o Distrito Federal, é responsável por apenas 1% do total de casos notificados no Brasil, que ocorrem geralmente em área de Mata
Atlântica e possuem maior letalidade devido, principalmente, ao retardo no diagnóstico e no tratamento.

Vai viajar? Saiba como se cuidar

Antes de viajar consulte as áreas que apresentam registros de casos de malária durante todo o ano (área endêmica ou de transmissão de malária – nas Américas e na Ásia, África e Oceania).

O viajante que se desloca para áreas de transmissão de malária deve procurar orientação de prevenção antes da viagem.

Se houver risco potencial de adquirir a doença, observe as medidas de prevenção contra picada de mosquitos:

  • Aplique repelente nas áreas expostas da pele, seguindo a orientação do fabricante.;
  • Em crianças com idade inferior a dois anos, o uso de repelente não é recomendado sem orientação médica;
  • Evite locais próximos a criadouros naturais dos mosquitos (beira de rios e lagos, áreas alagadas ou coleções hídricas, região de mata nativa), principalmente nos horários da manhã e ao entardecer, por serem os períodos do dia de maior atividade dos vetores da doença;
  • Use telas protetoras de portas e janelas e mosquiteiros;
  • Em ambientes fechados, use o ar condicionado ou ventiladores;
  • É imprescindível que o viajante fique atento ao surgimento de sintomas da doença, como febre, dor no corpo e dor de cabeça.
Em caso de manifestação de algum sintoma, procure a unidade de saúde mais próxima. O ideal é que este atendimento seja feito o quanto antes, em até 48 horas após os primeiros sintoma
Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes