Imunidade de Rebanho: o que é e como funciona?

Entenda que é imunidade de rebanho e como ela pode (ou não) funcionar no contexto brasileiro

Está se perguntando o que é a imunidade de rebanho (ou imunidade coletiva), citada como a possível solução da pandemia de Covid-19?

Em meio a tantos termos e informações novas, fica confuso entender do que cada um se trata.

Mas fique tranquilo: aqui você vai encontrar as respostas de todas as suas dúvidas. 

O que é imunidade de rebanho?

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

De acordo com o Instituto Butantan, o significado do termo imunidade de rebanho sofreu leves mudanças no contexto da pandemia.

Antes da crise do Covid-19, era “o efeito de proteção que surge em uma população quando uma percentagem alta de pessoas se vacinou contra uma certa doença.”

Com a grande maioria da população protegida, o vírus já não conseguiria circular e oresto da população estaria protegido por tabela.

Mas, se ainda não temos uma vacina para o Covid-19, o que é a imunidade de rebanho nesse contexto?

Imunidade de rebanho na pandemia

Existem duas formas de desenvolver imunidade a um vírus: tomar uma vacina ou ser contaminado por ele e sobreviver à doença.  

Logo, após uma parcela da população ter sido contaminada pelo Covid-19, essa parcela desenvolveria imunidade ao vírus, reduzindo sua circulação o suficiente para gerar imunidade de rebanho mesmo sem a vacina.

Porém, existem dois grandes problemas com essa afirmação.

Porcentagem de população imune necessária

Há desacordo quanto à que porcentagem da população teria de criar imunidade ao vírus para que todos estivessem protegidos.

Enquanto alguns cientistas sugerem números tão baixos quanto 20%, outros chegam a valores como 95%.

No entanto, nenhum desses valores é mais do que uma estimativa.

Imunidade ao Covid-19

Outro questão a ser considerada é a capacidade do corpo humano de desenvolver imunidade ao coronavírus. 

Em um estudo desenvolvido pelo King’s College de Londres, observou-se algo importante.

O número de anticorpos ao Covid-19 presentes nos corpos de pessoas previamente contaminadas pelo vírus diminui ao longo do tempo, 

Isso abre a possibilidade de que, após alguns meses de sua recuperação, o paciente poderia contrair coronavírus novamente.

O estudo também sinaliza que ainda não se sabe por certo que quantidade de anticorpos seria necessária para evitar a contaminação pela doença.

Imunidade de rebanho no Brasil

Outro fator a ser considerado e que torna nossa situação especialmente complexa é a diversidade social do nosso país.

No Brasil, temos cidades superpopulosas como São Paulo e Rio de Janeiro, e pequenas cidades do interior do Brasil, onde chegamos a encontrar municípios com menos de mil habitantes.

Sendo assim, o risco de contágio nessas regiões será diferente.

Segundo o diretor da SBim (Sociedade Brasileira de Imunizações), Renato Kfouri foi citado em um artigo do portal UOL.

Nele, lista uma série de fatores que influenciam a eficácia da imunidade de rebanho, como:

  • Dinâmicas de interação

  • Densidade demográfica

  • Tipos de Moradia

Isso faz com que a imunidade de rebanho possa ser mais ou menos efetiva em diferentes locais.

Experiências com imunidade de rebanho

O que se pode observar da tentativa de criação de imunidade de rebanho também não é muito encorajador: 

Vejamos o caso do primeiro ministro britânico Boris Johnson.

Em 12 de março, ele anuncion sua intenção de deixar que a população se expusesse ao vírus para que a imunidade coletiva surgisse.

Uma semana depois, à beira de um colapso no sistema de saúde inglês, se viu obrigado a voltar atrás, adotando medidas de contenção do vírus bem mais rigorosas.

Torcida pela vacinha

Diante desse cenário tão incerto, alguns membros da comunidade científica, como o Professor Unaí Tupinambás da Universidade Federal de Minas Gerais, sugerem cautela.

A recomendação é de isolamento social para achatamento da curva pandêmica até que se desenvolva uma vacina.

“Assim, teríamos uma imunização de rebanho vacinal e não pela doença.

Além disso, o professor ainda aponta que até que uma porcentagem significativa da população desenvolvesse imunidade ao vírus, a taxa de letalidade da doença geraria um enorme custo em vidas humanas.

Até o momento, manter-se isolado e torcer pelo desenvolvimento de uma vacina parece ser mesmo a opção mais segura.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes