Qual vacina dá reação: veja os efeitos colaterais e quais são comuns

Astrazeneca, Coronavac, Janssen ou Pfizer, qual vacina dá reação? Veja o que diz as farmacêuticas

À medida em que a vacinação contra a covid-19 vai sendo ampliada no Brasil, surgem dúvidas a respeito dos efeitos colaterais que os imunizantes utilizados podem causar nas pessoas que acabaram de tomar a 1ª, 2ª ou dose única. Mas, afinal, qual vacina dá reação?

Realmente, toda vacina, seja no esquema de imunização da atual pandemia, seja contra outras doenças, pode apresentar reações, pois sua forma de agir, em linhas gerais, baseia-se em provocar no corpo uma resposta imune à doença contra a qual se quer proteger. 

Mas tome cuidado! Isso não quer dizer que quem não tem reação deixou de ser imunizado de maneira correta ou não foi contemplado pela “janela de eficácia” da vacina. Ter reação ou não depende, acima de tudo, do organismo que recebe o imunizante, mas também de como ele reage à tecnologia empregada na elaboração da vacina.

O DCI te conta, a seguir, tudo o que você precisa saber sobre as reações esperadas de cada uma das vacinas utilizadas no PNI (Plano Nacional de Imunização) do Ministério da Saúde: Coronavac, Astrazeneca, Pfizer e Janssen.

Coronavac – qual vacina dá reação?

CoronaVac: entenda todo o processo da vacina contra Covid-19 no Brasil
Foto: Governo de SP

A Coronavac, vacina produzida pelo Instituto Butantan, e o primeiro imunizante a ser aplicado no Brasil utiliza a tecnologia do vírus inativado, ou seja, o vírus é cultivado e multiplicado em laboratório e, depois, inativado.

Desta forma, o corpo recebe o vírus sem potencial de causar a doença, mas já o detecta para criar os anticorpos necessários. É a forma mais tradicional das vacinas.

A interação esperada, de acordo com a bula do imunizante, em adultos (18 a 59 anos) e idosos (acima de 60 anos), pode gerar como: reações muito comuns, comuns e incomuns.

Veja abaixo:

Reações muito comuns: Dor no local da aplicação. Sim, é esta a principal queixa de quem toma a Coronavac. Esta reação, segundo a bula, pode acontecer em mais de 10% dos pacientes;

Reações comuns: Cansaço, dor no corpo, febre, diarreia, náusea e dor de cabeça. Estes são os sintomas previstos dentro das reações comuns de quem toma a Coronavac. Tais efeitos podem atingir entre 1% e 10% dos pacientes imunizados.

Reação incomum: Classificadas como incomuns, estas reações podem ser observadas, conforme a bula, entre 0,1% até 1% dos vacinados. Os sintomas são: vômito, dor no abdômen e distensão abdominal, tontura, tosse, perda de apetite, reação alérgica, pressão alta, hipersensibilidade alérgica ou imediata.

No local da vacina, também é possível que a pessoa perceba inchaço, coloração anormal, coceira, vermelhidão, diminuição da sensibilidade e endurecimento.

A Astrazeneca é a vacina que mais dá reação?

Por que a vacina Astrazeneca dá reação
Foto: reprodução

Registros de pesquisas indicam que, de fato, a vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em parceria com a Universidade de Oxford, com transferência da tecnologia à Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), tende a apresentar mais reações.

Essas reações podem ser tanto quantitativas, quando comparadas às demais utilizadas no PNI e também qualitativamente. Contudo, a própria bula do medicamento informa que as reações são, em geral, de natureza leve a moderada. 

As reações têm relação com a tecnologia empregada nessa vacina: a do vetor adenoviral. Com essa técnica, é aplicada no corpo uma junção entre um adenovírus enfraquecido, utilizado como transportador, e parte do material genético do novo coronavírus, como objeto de transporte para as células.

O resultado é que o corpo que recebe o imunizante consegue reconhecer e atacar rapidamente o coronavírus, caso seja infectado.

Os estudos a partir dessa forma de ação, conforme bula do fármaco, indicam como:

Reações muito comuns: No local da aplicação da vacina a pessoa pode sentir sensibilidade, dor, sensação de calor, vermelhidão, coceira, inchaço ou manchas roxas. A bula também prevê como reação comum indisposição em geral, fadiga, calafrio ou sensação febril, dor de cabeça, náusea, dor muscular e também nas articulações.

Estas reações podem acontecer com 10% dos vacinados.

Reações comuns: Pode ser que no local onde você teve aplicada a vacina apareça um caroço, ou ainda o paciente tenha mal estar geral como febre, náusea, sintomas semelhantes ao de uma gripe igual dor de garganta e coriza, além de tosses e calafrios. Importante ressaltar que a bula classifica estas reações como comuns e pode chegar a atingir entre 0,1% e 1% dos pacientes. 

Reações incomuns: Apesar de acontecer entre 0,1% até 1% dos pacientes, existem sim efeitos colaterais incomuns que pessoas vacinadas podem sentir, como: tontura, perda de apetite, dor  no abdômen, aumento de linfonodos, sudorese excessiva, e no local da aplicação: coceira na pele ou erupção.

Quais as reações da vacina da Pfizer? 

Tudo sobre a vacina da Pfizer
Foto: reprodução

O imunizante resultado de uma parceria entre os laboratórios Pfizer (estadunidense) e da BioNTech (alemã) utiliza uma tecnologia que faz com que as células saudáveis do corpo produzam a mesma proteína que o coronavírus utiliza para entrar nas células.

Dessa forma, a vacina imita no corpo uma infecção pelo coronavírus, fazendo com que o sistema imune produza anticorpos contra o vírus. 

Na bula, o fabricante indica que a Pfizer pode dar as seguintes reações:

Reações muito comuns: No local da aplicação você pode sentir dor e inchaço e de um modo geral, indisposição, fadiga, dor de cabeça, diarreia, dores nos músculos e articulações, além de calafrios e febres. Importante frizar que estas reações estão previstas em até mais de 10% dos imunizados. 

Reações comuns: Como reações comuns, a bula indica que a Pfizer pode apresentar vermelhidão no local de injeção. Na disposição geral, o paciente também pode apresentar náusea e vômito. Isso ocorre entre 1% e 10% dos vacinados. 

Reações incomuns: Entre as reações incomuns, a vacina pode causar o aumento de ínguas, e até dar reações de hipersensibilidade na área onde houve a aplicação do imunizante.

Pode ser que o paciente também sinta coceira, alergia, inchaço da pele, perda de apetite, além de dores nos ombros, insônia e lentidão. Suor excessivo, fraqueza e sensação de mal estar em geral também podem acontecer. Lembrando que tais reações, segundo a bula acontecem com 0,1% e 1% dos pacientes que recebem a vacina. 

Reações raras: Paralisia facial aguda foi registrada entre 0,01% e 0,1% dos pacientes;

Reação desconhecida (não pode ser estimado a partir dos dados disponíveis): reação alérgica grave (anafilaxia).

Vacina da Janssen – qual vacina dá reação

Tudo sobre a vacina da Janssen
Foto: reprodução

A vacina da Janssen (braço farmacêutico da Johnson & Johnson) é a única aprovada para uso no Brasil com apenas uma dose. O imunizante utiliza a mesma forma de ação da vacina da Astrazeneca (vetor adenoviral).

A bula da vacina também divide as reações entre:

Reações muito comuns: Dores de cabeça, enjoo, cansaço e ainda dor no local da aplicação da vacina. Estes sintomas podem aparecer em 10% das pessoas que tomam a dose única da Janssen. 

Reações comuns: Entre as reações mais comuns estão tosse, dores nas articulações, estado febril, calafrios e ainda vermelhidão onde foi aplicada a vacina além de inchaço. A bula prevê que estas reações possam acontecer entre 1% e 10% dos pacientes. 

Reações incomuns: Apesar de incomuns e ocorrer entre 0,1% e 1% dos pacientes, a bula caracteriza reações como tremor, espirros, irritação na pele, franqueza muscular, perda ou diminuição da força física, dor nas extremidades e mal estar em geral como reações incomuns à vacina. 

Reações raras: Entre as reações raras, que ocorrem também entre 0,01% e 0,1% dos pacientes está apenas a  hipersensibilidade urticária; 

Reação desconhecida: Sem poder estimar por não haver dados disponíveis, a bula aponta que pode ser que pacientes apresentam reação alérgica grave, a chamada “anafilaxia”.

Mas lembre-se, toda vacina causa algum tipo de reação ao organismo e por mais que os efeitos colaterais incomodem, os sintomas ainda tendem a ser mais leves do que contrair o vírus da covid-19 sem ter tomado nenhuma dose de qualquer imunizante.

Você pode gostar também