Como surgiu o Setembro Amarelo e por que ele é tão importante?

No mundo, cerca de 1 milhão de pessoas se suicidam todos os anos. A tendência é que o número aumente 50% só nesse ano. O Setembro Amarelo é uma campanha que procura reduzir esses números. Saiba como surgiu o Setembro Amarelo e por que ele é tão importante.

O Setembro Amarelo é uma campanha brasileira de prevenção ao suicídio.

Até você terminar de ler essa matéria, 5 pessoas tirarão a própria vida. Essa é uma realidade triste e dolorosa, mas não devemos ignorá-la. O suicídio é um problema que, só no Brasil, ceifa 12 mil vidas todos os anos.

São ao menos 1 milhão de casos por ano no mundo. A partir de uma dessas histórias trágicas foi como surgiu o Setembro Amarelo, uma iniciativa que busca prevenir e reduzir essa estatística por meio da conscientização social.

 

cristo redentor setembro amarelo
Imagem: Reprodução / CVV

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O suicídio ainda é um tema tabu, que muitas pessoas preferem ignorar pelo desconforto que causa. Contudo ele precisa estar em pauta, pois além da razão óbvia que é a perda de uma vida, gera um sofrimento intenso que cria consequências psicológicas e se estende a todas as pessoas envolvidas com o suicida.

Dados de pesquisas mostram que cerca de 60 pessoas são afetadas por cada morte por suicídio, incluindo família, amigos e colegas.

Desse modo, são cerca de 60 milhões de pessoas expostas ao luto do suicídio anualmente no mundo. Iniciativas como o Setembro Amarelo dão luz ao assunto como estratégia de prevenção.

 

Como surgiu o Setembro Amarelo?

No Brasil, a iniciativa da campanha é uma parceria da Associação Brasileira de Psiquiatria – ABP com o Conselho Federal de Medicina – CFM, desde 2014.

No entanto, a origem do Setembro Amarelo é norte-americana e surgiu pelo suicídio de Mike Emme, de 17 anos. Mike tinha um Mustang 68 que ele mesmo reformou e pintou de amarelo. Por isso, ele era conhecido como “Mustang Mike”.

Infelizmente, apesar de parecer que tudo estava bem, no dia 8 de setembro de 1994 os pais do jovem o encontraram sem vida dentro do Mustang. Mike atirou em si mesmo.

 

o que significa setembro amarelo
Imagem: Reprodução / CVV

 

Em meio ao sofrimento da perda do filho, os pais perceberam que o rapaz não conseguiu pedir ajuda e que esse era um fator comum entre tantos casos de suicídio. Então, no dia do velório, fizeram uma cesta com cartões com a mensagem “Se você precisar, peça ajuda.”.

Ademais, em cada cartão, prenderam uma fita amarela. A iniciativa foi o primeiro e importante passo para um movimento de prevenção ao suicídio, pois os cartões chegaram realmente às mãos de pessoas que precisavam de apoio.

Ainda que a história de Mike seja triste, ela é um cenário muito comum. Isso porque o suicídio cresce especialmente entre os jovens. Estima-se que em 2020 ele aumente 50%, sendo que 96,8% dos casos têm ligação com doenças psicológicas não diagnosticadas e não tratadas.

 

Prevenção ao suicídio

Em primeiro lugar está a depressão, seguida do transtorno bipolar e dependência/abuso de substâncias. Por isso iniciativas como o Setembro Amarelo são tão importantes, já que a disseminação do conhecimento capacita a comunidade a identificar sinais de que alguém precisa de ajuda e, assim, dar o suporte necessário e conduzir a um tratamento.

Afinal, quanto menos laços sociais tem um indivíduo, maior o risco de suicídio – daí a importância de uma rede de apoio.

 

Sinais que merecem atenção

Em muitos casos de suicídio, as pessoas explicitam a sua vontade de morrer – e algumas vezes, quem está ao redor não acredita.

Por isso, um dos objetivos desde que o Setembro Amarelo surgiu é entender os padrões que as pessoas que têm pensamentos suicidas apresentam, pois isso pode salvar uma vida. Entre eles, destacam-se:

  • Ambivalência: A pessoa se divide entre viver e morrer. Morrer seria a solução dos seus problemas e cessaria suas dores, mas há o desejo de sobreviver aos problemas. Com o apoio profissional correto e necessário, é possível reforçar nessa pessoa o desejo de viver.
  • Impulsividade: Por mais que um indivíduo planeje o suicídio, o impulso dura por alguns minutos ou horas. Entre as principais motivações estão: rejeições, fracasso, falência, morte de alguém querido… Acolher a pessoa nesse momento pode interromper esse impulso.
  • Rigidez: Quando alguém tem pensamentos suicidas, é como se essa fosse a única solução. Isso é resultado do sofrimento que a pessoa enfrenta.

 

depressão mes do combate ao suicídio
Imagem: Reprodução / Unsplash

 

Fatores de risco

Além disso, há dois principais fatores que aumentam o risco de suicídio:

  • Tentativa prévia: Pacientes que tentaram suicídio previamente têm de cinco a seis vezes mais chances de tentar suicídio novamente. Estima-se que 50% daqueles que se suicidaram já tinham tentado previamente.
  • Doença mental: Quase todos os suicidas (96,8%) tinham alguma doença mental não identificada ou não tratada. Os transtornos mais comuns são depressão, transtorno bipolar, alcoolismo e abuso/dependência de outras drogas, transtornos de personalidade e esquizofrenia. Todas essas doenças são tratadas com medicamentos e psicoterapia.

Como ajudar e onde encontrar ajuda

Por último, se você conhece alguém que apresenta alguns sinais, siga essas dicas simples, mas muito efetivas, de acordo com o Centro de Valorização à Vida (CVV):

  • Ofereça seu apoio num momento tranquilo e fale sobre suicídio com essa pessoa. Escute com atenção e carinho, com a mente aberta, e deixe ela perceber que você quer ajudá-la.
  • Incentive a pessoa a buscar ajuda de profissionais de serviços de saúde, de saúde mental, de emergência ou apoio em algum serviço público. Ofereça sua companhia para ir ao atendimento.
  • Não deixe essa pessoa sozinha se você acha que ela está em perigo imediato. Procure ajuda de profissionais de serviços de saúde, de emergência e entre em contato com alguém de confiança, indicado pela própria pessoa
  • Se a pessoa em questão vive com você, tenha certeza de que ela não tem acesso a meios para provocar a própria morte (por exemplo: venenos, armas ou medicamentos) em casa.
  • Fique em contato para acompanhar como a pessoa está passando e o que está fazendo.
  • Se você precisa de ajuda, pode procurar o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) da sua cidade, ou qualquer Unidade Básica de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde). Em situações de risco, ligue 192 para entrar em contato com o Serviço Móvel de Urgência (SAMU).
  • Outro canal de ajuda é o Centro de Valorização à Vida (CVV). Essa entidade oferece apoio emocional e prevenção do suicídio de forma voluntária e gratuita. Atende por telefone pelo número 188 todas as pessoas que querem e precisam conversar, com sigilo total. Também conversam por email e chat 24 horas todos os dias.

 

Fontes: Ministério da Saúde e Centro de Valorização à Vida

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes