Vacina contra covid: 2 milhões de doses da Coronavac chegam ao Brasil

Na manhã de sexta-feira (18), o governador João Dória (PSDB) foi ao aeroporto receber as vacinas que chegaram prontas para uso em São Paulo.

Na manhã desta sexta-feira (18) 2 milhões de doses da vacina Coronavac chegaram em São Paulo. O imunizante que chegou ao Brasil hoje já está pronto para ser aplicado. É a terceira remessa que aterrissa em solo nacional, a segunda com a vacina pronta. Também já foram recebidos 600 litros de matéria-prima, carga de insumos para produzir até 1 milhão de doses do imunizante. A coronavac está na fase 3 de testes e ainda precisa ter seu uso aprovado pela Anvisa. Contudo, o governo de São Paulo se mantem confiante e otimista.

Coronavac

A vacina produzida pelo laboratório chinês Sinovac chegou ao Brasil nesta manhã, no aeroporto internacional de Guarulhos. O governador do estado de São Paulo João Dória (PSDB) estava no local aguardando a chegada. Junto com ele, estava o diretor do Instituto Butantan Dimas Covas e o secretário estadual da Saúde, Jean Gorinchteyn.

“Agora com a chegada desses 2 milhões, temos 3 milhões e 120 mil doses já em solo brasileiro sendo processada pelo Instituto Butantan”, disse Doria. Dimas Covas também se pronunciou e afirmou que é a primeira vacina produzida pelo Brasil, pelo Butantan em parceria com a Sinovac.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Até 15 de janeiro teremos 9 milhões de doses prontas para uso. Então é a primeira vacina em solo nacional, a primeira vacina que está sendo produzida no Brasil e na América latina. E essa é a nossa função: trazer as vacinas para que elas possam ser usadas o mais rapidamente possível”, afirmou Dimas Covas.

É obrigatório tomar a vacina? Saiba mais sobre a evolução das vacinas no Brasil
(Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil)

Uso emergencial

O governo de São Paulo quer que a Anvisa aprove o uso emergencial da coronavac, ou seja, libere a imunização antes do fim de todos os testes. Na segunda-feira (14) Dória havia dito que iria solicitar o registro oficial e não uso emergencial da vacina. Contudo, a estratégia mudou e São Paulo vai solicitar o uso emergencial. O diretor do Butantan acredita que essa possa ser a solução para conseguir a vacinação geral o mais rápido.

“Se fizermos isso na semana que vem [solicitação], isso significa que na primeira semana de janeiro poderemos ter uma manifestação da Anvisa. Ou seja, a partir de janeiro, é possível que tenhamos autorização para uso da vacina. A partir do dia 15, portanto, teremos, nesse cronograma 9 milhões de doses para serem usadas nos brasileiros.” Disse Dimas Covas

O governo de São Paulo acredita que dia 25 de janeiro já será possível dar inicio à imunização da população.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes