Quando usar a crase? Um guia simples para não errar mais

Tem dúvidas sobre como usar a crase? Então confira nossa seleção de dicas e exemplos e aprenda quais são as principais regras desse acento grave.

A língua portuguesa tem uma sonoridade única. Também é cheia de palavras bonitas. Algumas são até mesmo intraduzíveis, como saudade e cafuné. Por outro lado, são tantas regrinhas de gramática que é comum ficar confuso e perdido, principalmente na hora de escrever. Por isso, vamos te ajudar a resolver uma das maiores dúvidas do nosso idioma: quando usar a crase.

 

Afinal, o que é a crase?

 

Antes de mais nada, é preciso entender o que é exatamente a crase. No sentido literal, a palavra significa fusão ou contração. No português, isso quer dizer a união de duas vogais iguais em uma só.

Assim, a crase só é necessária quando temos o encontro da preposição a com outros termos específicos. Ou seja: o artigo definido “a/as”, os pronomes demonstrativos “aquilo/aquela(s)/aquele(s)”, e o pronome relativo “a qual/as quais”. É aí que aplicamos o acento grave para marcar a presença da crase na frase.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Técnica da substituição, a dica clássica

 

De modo geral, a crase aparece somente antes de palavras femininas. Sim, existem algumas exceções, mas vamos partir desse princípio para abordar a primeira dica.

É provável que você já tenha ouvido falar da técnica da substituição. É um truque básico para ajudar a descobrir quando usar a crase corretamente. Além disso, é simples e funciona bem.

Tudo o que você precisa fazer é trocar o substantivo feminino por um masculino. Em qualquer sentença. Se, para manter o sentido, você utilizar o termo “ao”, então pode apostar que precisa da crase.

Quer ver só? Por exemplo, a frase “Vou à praia amanhã” tem crase. Afinal, se você substituir a palavra praia por mar, o resultado será “Vou ao mar amanhã”.

 

Então, usar o acento grave é fácil assim?

 

Bem que poderia ser. No entanto, como já dissemos, há exceções para a regra. Por isso, vamos falar agora de alguns casos especiais que fazem do uso da crase uma brincadeira um pouco complexa, mas divertida.

quando usar a crase
Imagem: reprodução / Unsplash

 

Quando usar a crase?

 

Veja abaixo exemplos de situações que exigem, sempre, o uso da crase.

Locuções adverbiais

  • Precisamos sair às pressas
  • Ele vai dentista hoje à tarde.
  • Às vezes eu falo demais.
  • Entre e fique à vontade.

 Locuções prepositivas

  • Estou à procura de um emprego.
  • Fiscalização à frente.
  • João está à espera de uma vaga.
  • Hoje temos feijão à moda mineira.

Locuções conjuntivas

  • À medida que o tempo passa, ela fica mais segura de si.
  • Ela ficava mais cansada à proporção que corria.

Antes de pronomes demonstrativos – aquela, aquilo, aquele

  • Sempre voltamos àquela praia.
  • Eu me refiro àquilo que já conversamos.
  • Agradeço àqueles que me ajudaram.

Indicação das horas

  • Chegarei às 20h.
  • O almoço será servido às 12h30.
  • Tenho uma reunião às duas horas da tarde.

Aqui, vale um lembrete: quando o horário estiver acompanhado de preposições (para, desde, após, perante, com), não use a crase. Isso porque o acento grave, como você já sabe, só é necessário quando há a junção da preposição “a” com o artigo “a”.

Com exemplos fica assim:

  • Combinamos o encontro para as 19h.
  • Estou esperando desde as 9h.
  • Ele prometeu chegar até as 14h.
  • Fechamos a loja após as 18h.

 

Uso opcional da crase

 

Às vezes, a presença da crase é facultativa. Ou seja, você pode escolher se quer ou não usar o acento grave.

Esse é o caso, por exemplo, dos pronomes possessivos femininos como “minha”, “nossa” e “sua”. Assim, você pode escrever tanto “Fomos à minha cidade natal” quanto “Fomos a minha cidade natal.”

Outra situação é depois da preposição “até”: “Preciso ir até à (a) faculdade”. Por fim, antes de nomes próprios femininos o uso da crase também é facultativo: “Jorge fez um pedido especial à (a) Ana”.

 

A crase e os nomes de lugares

 

Quando falamos de lugares, quer seja uma cidade, quer seja um estado, é comum ter dúvida se devemos ou não acentuar. Então, um macete bem simples e eficaz é fazer um teste com as preposições “em” ou “de” antes do nome do local. Se o resultado for as contrações “na” ou “da”, use a crase.

Por exemplo, dizemos “Volto de São Paulo” e “Estamos em Brasília”, certo? Assim, você deve escrever: “Eu vou a São Paulo” e “Fomos a Brasília”.

Por outro lado, “Ele veio da Europa” e “Passei uma semana na Bahia”.Logo, o certo é dizer: “Ele vai à Europa” e “Irei à Bahia”.

 

Quando não usar o acento grave

 

Em primeiro lugar, vamos ressaltar que a crase só aparece antes de palavras femininas. Portanto, com termos masculinos nunca se usa o acento grave. Entretanto, prepare-se para a exceção.

Isso porque as locuções “à moda de” e “à maneira de” exigem, sempre, o uso da crase, mas, muitas vezes, podem estar ocultas na frase. E aí, você deve usar o acento, ainda que, na sequência, venha um substantivo masculino.

Assim, “Suas composições são à Chico Buarque” quer dizer que a pessoa escreve canções no estilo de Chico Buarque. Outros exemplos: “Fiz um filé à cavalo”, “Comprei frango à passarinho” e “Gosto de bacalhau à Gomes de Sá”.

Nada de usar a crase também nos seguintes cenários:

  • Com verbos que não indicam destino: Passou o dia a limpar a casa.
  • Entre palavras repetidas: dia a dia; frente a frente; cara a cara.
  • Antes de pronomes pessoais: Então, fizemos a ela um pedido de desculpas.
  • Com os pronomes demonstrativos isso, esse, este, esta, essa: Eu me referia a esse assunto.
  • Depois de preposições: Vamos embora logo após a reunião.
  • Com os pronomes relativos que, quem, cujo(s) e cuja(s): A pessoa a quem me refiro não faz parte deste grupo.

 

Truques para ajudar a memória

como usar a crase
Imagem: reprodução / Unsplash

 

Saber quando usar a crase pode ser um desafio. Por isso, algumas frases divertidas ficaram famosas por ajudar a lembrar as principais regras. Dê uma olhada nos exemplos abaixo.

  • Palavra determinada, crase liberada: Fui às duas reuniões do grupo.
  • Diante de pronome, crase passa fome: Ele entregou uma flor a ela.
  • Palavras repetidas, crase proibida: Achei o passo a passo bastante intuitivo.
  • Sendo “à moda de”, a crase vai vencer: Quero o macarrão à moda da casa.
  • Diante de cardinal, crase faz mal: Confiram as páginas 12 a 18.
  • A + Aquele, crase nele: Devolva o carro àquele homem.
  • Diante de ação, crase é marcação: Disse que estava disposta a lutar.
  • Diante de masculino, crase é pepino: Escrevi a redação a lápis.
  • Vou a, volto da, crase há: Irei à Holanda. Voltei da Holanda.
  • Vou a, volto de, crase pra quê? Vou a Goiás. Voltei de Goiás.
  • Quando for hora, crase sem demora: O seu turno termina às 18h.
  • Adverbial, feminina e locução, use crase, meu irmão! Faz tudo às pressas. Às vezes, esqueço onde guardei as chaves. Gosta de tirar um cochilo à tarde.

Quer ver mais dicas sobre quando usar a crase? Então confira estas dicas de vídeo.

 

Com informações do Correio Braziliense.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes