Quando usar a crase? Um guia simples para não errar mais

Tem dúvidas sobre como usar a crase? Então confira nossa seleção de dicas e exemplos e aprenda quais são as principais regras desse acento grave.

0 1.719

A língua portuguesa tem uma sonoridade única. Também é cheia de palavras bonitas. Algumas são até mesmo intraduzíveis, como saudade e cafuné. Por outro lado, são tantas regrinhas de gramática que é comum ficar confuso e perdido, principalmente na hora de escrever. Por isso, vamos te ajudar a resolver uma das maiores dúvidas do nosso idioma: quando usar a crase.

 

Afinal, o que é a crase?

 

Antes de mais nada, é preciso entender o que é exatamente a crase. No sentido literal, a palavra significa fusão ou contração. No português, isso quer dizer a união de duas vogais iguais em uma só.

Assim, a crase só é necessária quando temos o encontro da preposição a com outros termos específicos. Ou seja: o artigo definido “a/as”, os pronomes demonstrativos “aquilo/aquela(s)/aquele(s)”, e o pronome relativo “a qual/as quais”. É aí que aplicamos o acento grave para marcar a presença da crase na frase.

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Técnica da substituição, a dica clássica

 

De modo geral, a crase aparece somente antes de palavras femininas. Sim, existem algumas exceções, mas vamos partir desse princípio para abordar a primeira dica.

É provável que você já tenha ouvido falar da técnica da substituição. É um truque básico para ajudar a descobrir quando usar a crase corretamente. Além disso, é simples e funciona bem.

Tudo o que você precisa fazer é trocar o substantivo feminino por um masculino. Em qualquer sentença. Se, para manter o sentido, você utilizar o termo “ao”, então pode apostar que precisa da crase.

Quer ver só? Por exemplo, a frase “Vou à praia amanhã” tem crase. Afinal, se você substituir a palavra praia por mar, o resultado será “Vou ao mar amanhã”.

 

Então, usar o acento grave é fácil assim?

 

Bem que poderia ser. No entanto, como já dissemos, há exceções para a regra. Por isso, vamos falar agora de alguns casos especiais que fazem do uso da crase uma brincadeira um pouco complexa, mas divertida.

quando usar a crase
Imagem: reprodução / Unsplash

 

Quando usar a crase?

 

Veja abaixo exemplos de situações que exigem, sempre, o uso da crase.

Locuções adverbiais

  • Precisamos sair às pressas
  • Ele vai dentista hoje à tarde.
  • Às vezes eu falo demais.
  • Entre e fique à vontade.

 Locuções prepositivas

  • Estou à procura de um emprego.
  • Fiscalização à frente.
  • João está à espera de uma vaga.
  • Hoje temos feijão à moda mineira.

Locuções conjuntivas

  • À medida que o tempo passa, ela fica mais segura de si.
  • Ela ficava mais cansada à proporção que corria.

Antes de pronomes demonstrativos – aquela, aquilo, aquele

  • Sempre voltamos àquela praia.
  • Eu me refiro àquilo que já conversamos.
  • Agradeço àqueles que me ajudaram.

Indicação das horas

  • Chegarei às 20h.
  • O almoço será servido às 12h30.
  • Tenho uma reunião às duas horas da tarde.

Aqui, vale um lembrete: quando o horário estiver acompanhado de preposições (para, desde, após, perante, com), não use a crase. Isso porque o acento grave, como você já sabe, só é necessário quando há a junção da preposição “a” com o artigo “a”.

Com exemplos fica assim:

  • Combinamos o encontro para as 19h.
  • Estou esperando desde as 9h.
  • Ele prometeu chegar até as 14h.
  • Fechamos a loja após as 18h.

 

Uso opcional da crase

 

Às vezes, a presença da crase é facultativa. Ou seja, você pode escolher se quer ou não usar o acento grave.

Esse é o caso, por exemplo, dos pronomes possessivos femininos como “minha”, “nossa” e “sua”. Assim, você pode escrever tanto “Fomos à minha cidade natal” quanto “Fomos a minha cidade natal.”

Outra situação é depois da preposição “até”: “Preciso ir até à (a) faculdade”. Por fim, antes de nomes próprios femininos o uso da crase também é facultativo: “Jorge fez um pedido especial à (a) Ana”.

 

A crase e os nomes de lugares

 

Quando falamos de lugares, quer seja uma cidade, quer seja um estado, é comum ter dúvida se devemos ou não acentuar. Então, um macete bem simples e eficaz é fazer um teste com as preposições “em” ou “de” antes do nome do local. Se o resultado for as contrações “na” ou “da”, use a crase.

Por exemplo, dizemos “Volto de São Paulo” e “Estamos em Brasília”, certo? Assim, você deve escrever: “Eu vou a São Paulo” e “Fomos a Brasília”.

Por outro lado, “Ele veio da Europa” e “Passei uma semana na Bahia”.Logo, o certo é dizer: “Ele vai à Europa” e “Irei à Bahia”.

 

Quando não usar o acento grave

 

Em primeiro lugar, vamos ressaltar que a crase só aparece antes de palavras femininas. Portanto, com termos masculinos nunca se usa o acento grave. Entretanto, prepare-se para a exceção.

Isso porque as locuções “à moda de” e “à maneira de” exigem, sempre, o uso da crase, mas, muitas vezes, podem estar ocultas na frase. E aí, você deve usar o acento, ainda que, na sequência, venha um substantivo masculino.

Assim, “Suas composições são à Chico Buarque” quer dizer que a pessoa escreve canções no estilo de Chico Buarque. Outros exemplos: “Fiz um filé à cavalo”, “Comprei frango à passarinho” e “Gosto de bacalhau à Gomes de Sá”.

Nada de usar a crase também nos seguintes cenários:

  • Com verbos que não indicam destino: Passou o dia a limpar a casa.
  • Entre palavras repetidas: dia a dia; frente a frente; cara a cara.
  • Antes de pronomes pessoais: Então, fizemos a ela um pedido de desculpas.
  • Com os pronomes demonstrativos isso, esse, este, esta, essa: Eu me referia a esse assunto.
  • Depois de preposições: Vamos embora logo após a reunião.
  • Com os pronomes relativos que, quem, cujo(s) e cuja(s): A pessoa a quem me refiro não faz parte deste grupo.

 

Truques para ajudar a memória

como usar a crase
Imagem: reprodução / Unsplash

 

Saber quando usar a crase pode ser um desafio. Por isso, algumas frases divertidas ficaram famosas por ajudar a lembrar as principais regras. Dê uma olhada nos exemplos abaixo.

  • Palavra determinada, crase liberada: Fui às duas reuniões do grupo.
  • Diante de pronome, crase passa fome: Ele entregou uma flor a ela.
  • Palavras repetidas, crase proibida: Achei o passo a passo bastante intuitivo.
  • Sendo “à moda de”, a crase vai vencer: Quero o macarrão à moda da casa.
  • Diante de cardinal, crase faz mal: Confiram as páginas 12 a 18.
  • A + Aquele, crase nele: Devolva o carro àquele homem.
  • Diante de ação, crase é marcação: Disse que estava disposta a lutar.
  • Diante de masculino, crase é pepino: Escrevi a redação a lápis.
  • Vou a, volto da, crase há: Irei à Holanda. Voltei da Holanda.
  • Vou a, volto de, crase pra quê? Vou a Goiás. Voltei de Goiás.
  • Quando for hora, crase sem demora: O seu turno termina às 18h.
  • Adverbial, feminina e locução, use crase, meu irmão! Faz tudo às pressas. Às vezes, esqueço onde guardei as chaves. Gosta de tirar um cochilo à tarde.

Quer ver mais dicas sobre quando usar a crase? Então confira estas dicas de vídeo.

 

Com informações do Correio Braziliense.

Informar Erro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes