Enem 2020: um guia com as principais informações

A mudança ocorre após diversas críticas à demora dos órgãos na definição de um período de realização que não ocorresse durante a pandemia do coronavírus.

No começo de julho, o Ministério da Educação (MEC) e o Inep divulgaram as novas datas para realização do ENEM 2020. A mudança ocorre após diversas críticas à demora dos órgãos na definição de um novo período para que as provas não ocorressem durante a pandemia do coronavírus.

Datas oficiais  do Enem 2020

Como nesta nova edição o vestibular conta com a inédita modalidade digital, o MEC divulgou seis datas diferentes para a realização do exame:

  • Exame impresso – 17 e 24 de janeiro 
  • Exame digital – 31 de janeiro e 7 de fevereiro 
  • Reaplicação das provas – 24 e 25 de fevereiro

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Todas as versões do vestibular contarão com 4 provas objetivas – cada uma possuirá 45 questões objetivas. Além disso, os candidatos deverão realizar a redação com tamanho máximo de 30 linhas. Como nas edições anteriores, o candidato deve levar seu RG, caneta e o Cartão de Confirmação da Inscrição.

Como vai ser o Enem 2020?

Imagem mostra alunos durante prova do enem

Uma das grandes inovações para o ENEM 2020 foi a incorporação de uma prova totalmente digital. Essa aplicação em computador foi liberada para 100 mil participantes que escolhessem a opção. Com este novo modelo de exame, o Ministério da Educação espera que a prova impressa deixe de ser fabricada até 2026. Na edição de 2019, marcada pela falência da gráfica que realizava a impressão do ENEM, o Governo desembolsou R$ 129,4 milhões para o preparo do formato físico do exame.

Além dessa novidade, o Inep disponibilizou um simulado oficial aos candidatos da edição 2020. Sobre a ferramenta de estudo, o órgão afirma: “a proposta é que o usuário tenha em mãos uma ferramenta simples, com informações de qualidade, certificada pelos profissionais da área pedagógica do Inep”.

Caso o participante seja diagnosticado com uma doença infectocontagiosa (como o COVID-19), ele pode informar o Inep sobre sua condição até o dia da prova. Dessa forma, o participante pode garantir – mediante comprovação ao órgão – a sua participação nas datas de reaplicação do vestibular. Outras novidades sobre inclusão para lactantes, autistas, cegos ou surdocegos podem ser conferidas no portal oficial do ENEM.

Polêmicas que marcaram o Enem

Imagem mostra Ex-ministro da Educação, Abraham Weintrau
Ex-ministro da Educação, Abraham Weintraub deixou seu cargo após enxurrada de críticas. Fonte: vídeo publicado por Weintraub

Antes da divulgação das novas datas, o Ministério da Educação passou por um período desgastante – a demora da tomada de uma atitude à respeito da mudança de datas irritou muitos candidatos. A principio, o MEC estava resistente à uma alteração no cronograma e o primeiro sinal de ação ocorreu apenas após uma votação no Senado que teve resultado favorável ao adiamento do ENEM.

Logo em seguida a votação, Abraham Weintraub (ex-Ministro da Educação) anunciou em seu Twitter uma consulta a todos os inscritos sobre uma possível nova data. Contudo, o próprio processo de consulta foi alvo de críticas, pois as novas datas não foram as indicada pelo voto da maioria dos participantes do ENEM. Segundo o voto, os candidatos preferiam a realização da prova nos dias 2 e 9 de maio.

Durante coletiva sobre a remarcação, o presidente do Inep, Alexandre Lopes afirmou: “Como nós colocamos desde o início, fizemos uma enquete [com estudantes] e ela não seria o único parâmetro para a definição das datas”. Acima de tudo, foi considerado pelos órgãos que janeiro é o período que menos atrasaria o cronograma para a educação em 2021.

Nesse ínterim, o Ministério também enfrentou instabilidade por conta de polêmicas envolvendo Weintraub – a principal delas sendo sua ‘sugestão’ de prender os “vagabundos” do STF.

O que é e como funciona o Enem?

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é o método criado em 1998 com intuito de avaliar o desempenho do estudante ao fim da escolaridade básica. Podem participar do exame alunos que estão concluindo ou que já concluíram o ensino médio em anos anteriores.

Então, em 2004 a prova passou a ser utilizada como ferramenta para ingresso em instituições do ensino superior. Atualmente, o exame também é utilizado como critério de seleção para os estudantes que pretendem concorrer a uma bolsa no Programa Universidade para Todos (ProUni).

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes