DPVAT 2021 será cobrado? Confira as mudanças no seguro

O Seguro deve contar com uma nova gestão e pode ter taxa zerada pelos próximos dois anos.

O Seguro DPVAT 2021 pode deixar de ser cobrado, mas ainda há indefinições sobre o tema. Afinal a Medida Provisória excluindo o seguro foi caducada e a seguradora oficial deixará de administrar as indenizações a partir do próximo ano.

O que é e para que serve o seguro DPVAT?

O Seguro de Danos Pessoais Causados por Veículos Automotores de Vias Terrestres, ou Seguro DPVAT, é uma proteção para motoristas em situações de acidentes de trânsito. Valendo para um período de até três anos para casos de morte e invalidez permanente, com pagamento de indenização; além de reembolso de despesas médicas e suplementares

O seguro foi previsto originalmente em decreto de 1966, e disciplinado por lei do ano de 1974. Ele costuma ser pago todos os anos por motoristas e motociclistas do país, e funciona como um fundo de indenização relacionado a acidentes de trânsito. Sendo um amparo principalmente para parte da população de baixa renda depois de um acidente do tipo.

DPVAT 2021 será cobrado?

No fim do ano de 2019, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) editou uma Medida Provisória indicando a exclusão do DPVAT. O motivo informado foi a má gestão do seguro. No entanto, a MP foi suspensa pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e caducou em abril de 2020, antes de passar por votação no Congresso Nacional.

Fim da Seguradora Líder

Além disso, em novembro houve o anúncio de dissolução da Seguradora Líder, que administra o DPVAT. O consórcio de seguradoras foi alvo de investigações judiciais. A Superintendência de Seguros Privados (Susep), vinculada ao Ministério da Economia, intimou a companhia a devolver R$ 2,2 bilhões relacionados a pagamento de despesas irregulares entre os anos de 2008 e 2020.

Então, o Seguro DPVAT em 2021 continuará existindo, mas sob a uma nova gestão que ainda deve ser definida. Ao passo que, a Seguradora Líder continuará recebendo pedidos de indenização por acidentes nos próximos três anos, como está descrito em lei.

Por fim, a Susep informou que a taxa do seguro pode deixar de ser cobrada pelos próximos dois anos. Isso porque há R$ 7,5 bilhões em caixa disponíveis em caixa, relacionados a excedentes da Seguradora Líder, e a autarquia considera suficientes para cobrir as indenizações desses anos.

Leia também:

Deixe um comentário

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes