Previdência: a Praça dos Três Poderes dá a largada

Esplanada e Praça dos Três Poderes voltam a funcionar e um dos temas que estará na berlinda é a reforma da Previdência.

Passados os primeiros trinta dias do governo Jair Bolsonaro (PSL), dada a posse dos deputados federais e senadores e o Judiciário retornado das férias, a Esplanada dos Ministérios e a Praça dos Três Poderes, em Brasília, devem começar a funcionar nesta semana. E um dos temas que estará na berlinda é a reforma da Previdência, inclusive com um esperado avanço na proposta que o Palácio do Planalto passará a negociar mais intensamente com os partidos e bancadas na Câmara e Senado, agora já com suas direções definidas. E nesse tabuleiro de xadrez, um dos pesos pesados é a área militar do governo, ponto nevrálgico das mudanças.

O vice-presidente Hamilton Mourão disse na sexta-feira (1) que “Previdência” foi o assunto do almoço que teve no dia com o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva. Segundo Mourão, “está pacificado” o aumento do tempo de contribuição previdenciária dos militares de 30 anos para 35 anos para poderem ir para a reserva. Este seria o caminho para incluir os militares na cota de sacrifício de todo o funcionalismo público, civil e militar, além dos trabalhadores do setor privado, esses mais onerados pelas mudanças em estudo na equipe econômica.  O próprio Hamilton Mourão – que vem sendo porta-voz do grupo dos militares no governo que aceita a inclusão das três forças armadas na reforma, em contrapartida à maioria que rejeita essa contribuição do Exército, Marinha e Aeronáutica – ressaltou que o aumento de 30 para 35 anos ainda é um ponto em estudo. “O tema ainda está em discussão se será apresentado junto com a PEC [Proposta de Emenda à Constituição da Reforma da Previdência]”, acrescentou o vice-presidente. “O momento em que vai ser apresentada está em discussão.”

Brasília - Previdência
Brasília. Foto: Reprodução/Infoescola

Previdência dos militares

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, declarou que a estratégia para a reforma da Previdência, incluindo a aposentadoria dos militares, será definida pelo presidente Jair Bolsonaro em um “diálogo consensual” com o Congresso Nacional. Barros afirmou ainda que o presidente está identificando “todas as possibilidades” da Previdência para os funcionários públicos, militares e para a sociedade em geral. “Essa questão, ao mesmo tempo, um pouco depois, um pouco antes, é uma questão do presidente junto com o Congresso, junto com seus ministros”, disse.

Superar divisões internas

A expectativa é que o governo consiga minimizar as divisões internas em torno da proposta, disputada pela equipe do ministro Paulo Guedes, da Economia, do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, militares e presidente da República, para atuar em sintonia, primeiramente dentro de casa. Depois, que o Palácio do Planalto consiga se articular de maneira coerente e homogênea com o Congresso Nacional, para que o texto final a ser votado pelos parlamentares seja representativo de todas as forças da sociedade brasileira, sem onerar mais alguns setores e beneficiar outros.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes