Bolsonaro pode fundir Ministério da Cultura, Esportes e Turismo

Eventual governo do PSL tende a incorporar Ministério da Cultura, Esportes e Turismo ao provável Ministério da Indústria e do Entretenimento.

Em um possível governo de Jair Bolsonaro (PSL), que desponta como líder nas pesquisas para segundo turno, está sendo discutida a fusão de alguns ministérios.  Uma ideia em avaliação pela equipe do presidenciável é levar a pasta de Cultura, Esporte e Turismo para o provável  Ministério da Indústria e do Entretenimento, levando em conta a concepção moderna de viés econômico, que reconhece nesses segmentos a formação de 6% a 7% do Produto Interno Bruto (PIB).

A fusão de ministérios agrada a equipe de Bolsonaro, incluindo Stavros Xanthopoylos, professor da Fundação Getúlio Vargas responsável pela área de Educação. Também é defendida a fusão das pastas sob o antigo  nome do Ministério da Educação e Cultura (MEC). Para setores militares, Cultura e Esporte são ligados ou subordinados a Educação, mas esse entendimento é considerado superado.

Ministério da AgriculturaMinistério da Agricultura + Ministério do Meio Ambiente

Sob protestos de movimentos ambientalistas, está adiantada a ideia de fusão dos ministérios da Agricultura com Meio Ambiente, uma ideia que agrada a bancada ruralista, que esteve nesta quarta-feira (10) com o presidenciável para reiterar apoio à candidatura dele e apresentar propostas do setor, como novas regras para a liberação de defensivos agrícolas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Ataques aos nordestinos

Vítima de ataques virtuais nas eleições de 2014, a população do Nordeste foi alvo de intensos ataques com comentários preconceituosos e ameaças nas redes sociais 2014 após o apoio da região garantir a vaga de Fernando Haddad no segundo turno contra Jair Bolsonaro. Desde as 19h de domingo, quando foi divulgada a primeira parcial da eleição presidencial, começaram a se verificar menções de crítica a eleitores de região, com ofensas associadas à pobreza, ao impacto do Bolsa Família, ao povo nordestino e à quantidade de migrantes do Nordeste que vivem no Sudeste e no Sul do Brasil. Até as 10h desta terça-feira, houve 1,76 milhão de menções ao tema, segundo levantamento da FGV DAPP.

Frente Lava Jato tem 3 eleitos

A Frente dos Agentes da Polícia Federal – ou Frente Lava Jato – elegeu apenas 3 dos 19 candidatos que lançou para deputado federal, entre eles o mais votado do País: Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), reeleito com 1,8 milhão de votos. O deputado Aluísio Mendes (Pode-MA), que também integrava a Frente, foi reeleito. Também foi eleito o candidato Ubiratan Sanderson (PSL-RS), que vai exercer seu primeiro mandato de deputado federal.   Muitos candidatos se apresentaram como integrantes dessa Frente na propaganda eleitoral. Conforme o site do grupo, o objetivo das candidaturas era garantir a continuidade da Lava Jato e de outras ações de combate à corrupção, e melhorar as condições de enfrentamento à onda de violência que assola o País .

O site informa ainda que a Frente tem como objetivo construir uma base parlamentar que defenda como bandeiras primordiais a melhoria da segurança pública e a luta pela moralidade administrativa . Dos 513 deputados federais eleitos no último domingo, 13 acrescentaram ao nome a função de policial, seis acrescentaram pastor , um “padre”, 11 “doutores” e nove “professores”.

Devolução

Foi devolvida pelo Senado à Câmara dos Deputados a medida provisória que trata da renegociação de dívidas rurais. De acordo com o presidente do Senado, Eunício Oliveira, há incorreções materiais no texto enviado ao Senado Federal. Como ainda há tempo hábil para analisar o texto, que só perde a validade no dia 5 de novembro, ele optou por devolver a MP para que sejam feitas as correções. A MP 842/2018 foi aprovada pela Câmara na forma de projeto de lei de conversão. O texto da Câmara retoma itens vetados pelo governo quando da sanção da lei sobre o Programa de Regularização Rural (PRR). A MP, que está em vigor, libera a concessão de descontos apenas para a liquidação de dívidas no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), com dois percentuais (70% ou 35%, conforme a data do contrato), revogando cinco artigos promulgados após a derrubada dos vetos presidenciais.

Segundo o governo, as mudanças feitas na MP representa renúncia fiscal de R$ 5,7 bilhões por causa da ampliação dos descontos para todos os agricultores familiares do País e não apenas para os das regiões Norte e Nordeste. Novidade menor Apenas 23,6% dos 513 deputados eleitos para a próxima legislatura da Câmara são, de fato, novos 2013 ou seja, cumprirão um mandato eletivo pela primeira vez a partir de fevereiro de 2019. Alguns deles já haviam concorrido a cargos no legislativo ou no executivo, até mesmo em seus estados de origem, mas nunca foram eleitos.

Entre os novatos da Câmara há, também, três ex-ministros: Alexandre Padilha (PT-SP), Marcelo Calero (PPS-RJ) e Marcos Pereira (PRB-SP). A legislatura que se inicia no ano que vem é a que terá o menor percentual de deputados federais reeleitos desde 1994: 48% deles já cumpre mandato na Casa. O número pode parecer alto, mas já chegou a 56,1% em 1998. Na última eleição, em 2014, esse percentual foi de 53%.

Congresso
Foto: Reprodução/Info Escola

Conhecidos

Muitos dos que se elegeram para a Câmara já são conhecidos na política. É o caso de 108 dos deputados eleitos que assumem cadeiras em 2019 – 21,1% do total. Alguns, como o mineiro Aécio Neves (PSDB) e a atual presidente do PT, Gleisi Hoffmann, deixarão o Senado para passar a cumprir expediente na Câmara em 2019. Outros deixam os legislativos estaduais ou municipais e rumam a Brasília para seus primeiros mandatos como congressistas federais a partir do ano que vem. Além disso, 38 deputados eleitos voltam à política após a eleição deste ano. Entre eles, estão alguns nomes famosos e tradicionais, como Ângela Amin, ex-prefeita de Florianópolis e mulher do senador eleito por Santa Catarina Esperidião Amin, Gustavo Fruet, ex-prefeito de Curitiba, e Camilo Capiberibe, ex-governador do Amapá e filho de João Capiberibe, senador pelo mesmo estado e candidato a governador que está pedindo a Justiça a contagem de seus votos.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes