Fake news e as empresas

Pesquisa tem como objetivo conhecer a dimensão do problema e os mecanismos que podem contribuir para mitigar a propagação das fake news.

Apesar de 85% das empresas estarem preocupadas com o avanço das fake news, apenas 20% dos executivos declaram acompanhar e administrar reflexo da publicação de notícias falsas. A conclusão é de um estudo feito pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial (Aberje) e que será apresentado hoje, durante o Aberje Trends 2018. A pesquisa Fake News: Desafios das Organizações tem como objetivo conhecer a dimensão do problema e os mecanismos que podem contribuir para mitigar a propagação das fake news do ponto de vista corporativo. O levantamento foi realizado entre 27 de fevereiro e 04 de abril de 2018.

Poucas corporações enfrentam problema

Com participação de 52 organizações, tanto nacionais quanto multinacionais, a pesquisa mostrou que mesmo preocupando 85% das empresas, 67% das corporações não incluem as fake news em temas estratégicos e só 20% dizem ter estruturado um departamento ou contratado serviços externos para acompanhar as publicações falsas. “É um que erro acreditar que eventuais riscos possam ser mitigados com ‘pós-controle’. As empresas têm de se prevenir, investindo em profissionais, educação em comunicação e estratégias”, alerta o presidente Aberje, Paulo Nassar.

Fake newsPrincipais impactos das fake news

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Entre os principais impactos das fake news citado pelas organizações que participaram da pesquisa feita pela Aberje estão os danos à reputação da marca (91%); danos à imagem da empresa como um todo (77%); perdas econômico-financeiras (40%) e credibilidade da companhia (40%). Os temas que os participantes do levantamento consideram haver mais incidência de fake news são política nacional (78%), seguida por saúde (30%), assuntos internacionais (28%), negócios, economia e finanças (28%) e ciência e tecnologia (26%).

Reputação dos veículos de comunicação

O estudo mostra também que a maioria das empresas considera os veículos tradicionais mais confiáveis na divulgação de notícias verdadeiras. Os principais canais acessados para fins de informação relevante são os jornais e revistas on-line (74%) e os jornais impressos (67%). Também são acessados: revistas impressas (39%); agências de notícias (39%); mídias sociais (28%); e televisão (22%). Os blogs e fóruns on-line e as plataformas de compartilhamento de vídeo são acessados por apenas 2% dos participantes.

Valorização do jornalismo contra as fake news

A maioria dos participantes (62%) diz que não é difícil identificar uma notícia falsa. Basta ver o veículo que publica (86%) ou o jornalista que produz o artigo (52%). Para 91% dos participantes, as informações mais confiáveis são as encontradas nos veículos tradicionais (jornais e revistas impressos ou on-line), seguida por 71% nas agências de notícias. Por outro lado, as menos confiáveis são as encontradas nas mídias sociais (71%). “Em tempos de Fake News, o jornalismo de qualidade precisa ser valorizado”, acrescenta Nassar.

/Com Agências

[email protected]

PLANO DE VOO

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes