Mini índice: entenda o que é e como funciona

Ele pode ser usado como forma de proteção ou especulação e existem riscos que você precisa conhecer.

Os contratos de Mini índice se relacionam a uma estimativa futura do Ibovespa e podem ocasionar perda de patrimônio. Entenda melhor.

Quem começa a investir na Bolsa de Valores também passa a descobrir muitas possibilidades e estratégias. Além da maneira mais tradicional, que é comprar diretamente as ações de companhias abertas, outra opção é investir através de Mini índice, os minicontratos do Ibovespa. 

Do que se trata e como funciona o Mini índice? Primeiramente, precisamos explicar o que são derivativos ou contratos futuros. Como o nome diz, derivativo é quando um instrumento deriva em função de outro instrumento. Por isso, a compra  e a venda acontecem considerando uma data futura. Por exemplo, soja ou dólar. 

No caso do Mini índice, tratam-se de contratos de compra e venda relacionados a uma estimativa futura do Ibovespa. Ou seja, ele oscila de acordo com o índice da Bolsa de Valores.

 

Como funciona o Mini Índice?

 

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O Mini índice pode ser usado como uma forma de proteção contra as oscilações do Ibovespa, mas também como um meio de especulação. Costuma ter muita liquidez e exige baixo valor de investimento, sendo muito comum em operações de day trade. Eles representam 20% de um contrato cheio.

Vamos a um exemplo. Se o investidor está comprado em ações, mas acredita que vai haver queda, ele pode vender contratos para se proteger. E vice-versa. Ou seja, as operações são realizadas hoje visando a uma tendência futura. Essa tendência, porém, pode ou não se cumprir. E aí começa o risco, pois a exposição às oscilações é grande.

 

Quais os riscos e como se proteger?

 

Além do risco natural que o investidor assume ao colocar dinheiro em renda variável e derivativos, é preciso entender que o Mini índice tem um caráter alavancado. O que é isso? Significa que você pode investir mais do que tem, basta ter margem na corretora. 

Em termos simples, se você tem R$ 100, mas possui margem para investir R$ 150, você pode investir o que tem e o que não tem em Mini índice. E existe risco de perda de patrimônio.  Essa margem é uma requisição da Bolsa e pode oscilar conforme o mercado.

Mini índice
Imagem: Reprodução / Unsplash

Cuidado com falsas promessas

 

Atualmente, muitos investidores têm migrado para a Bolsa de Valores por conta dos juros baixos e dos ganhos quase nulos em renda fixa. Mas é preciso atenção para não se deixar iludir por falsas promessas. 

Muitos “gurus” do mercado financeiro só mostram as possibilidades de ganho fácil, sem falar sobre os riscos e sobre a importância do controle emocional como base em operações do tipo. Se você avaliar investir em Mini índice é fundamental buscar informação em fontes confiáveis.

Também busque entender o seu perfil de investidor, já que nem todos têm perfil de exposição ao risco. Deste modo, avalie também as possibilidades reais das transações e comece as operações com valores e prazos menores para entender como funciona. Não se deixe enganar por promessas de ganhos fáceis. 

Finalmente, apenas para elucidar, saiba que uma pesquisa da Fundação Getúlio Vargas, com amostra de 98 mil day traders no Brasil, mostrou que 99% das operações do tipo no Brasil entre 2013 e 2018 tiveram prejuízo. Ou seja, é preciso entender de forma clara os riscos, ter muito controle emocional e análises bem fundamentadas se você deseja fazer parte da minoria.

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes