Réu pode ser eleito e assumir o Planalto?

Celso de Mello disse ontem que a discussão sobre a possibilidade de um réu em ação penal ser eleito presidente está aberta.

O decano do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Celso de Mello, disse ontem que está em aberto a discussão sobre a possibilidade de um réu em ação penal ser eleito presidente da República e assumir o comando do Executivo federal. Para o ministro, é importante a discussão sobre o tema que deve ser levantada na Justiça Eleitoral. “Essa aí é uma boa pergunta, mas eu não tenho condições de responder, porque certamente é uma questão que vai ser suscitada antes na Justiça Eleitoral”, afirmou Celso de Mello a jornalistas, depois de questionado se um réu em ação penal poderia, em tese, ser eleito presidente da República e assumir o cargo.

Réu candidato: uma questão em aberto

“Eu tenho a impressão de que essa questão é o que nós temos de debater e debater mais”, prosseguiu Celso de Mello, segundo o Broadcast Político, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. Na última quarta-feira (22), o ministro Marco Aurélio Mello disse que a questão está em aberto e afirmou que a dúvida gera insegurança para a candidatura de Bolsonaro. O candidato já é réu em duas ações penais no STF por injúria e incitação ao crime de estupro por ter declarado que não estupraria a deputada federal Maria do Rosário (PT-RS) porque ela não mereceria.

Uma questão que o STF tem de debater

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

A Primeira Turma do STF vai julgar na próxima terça-feira (28), se recebe ou não uma outra denúncia feita pela Procuradoria-Geral da República contra o candidato do PSL à Presidência, desta vez pelo crime de racismo. O julgamento foi antecipado por Marco Aurélio Mello, a pedido da defesa de Bolsonaro. Ao julgar o afastamento de Renan Calheiros (MDB-AL) do comando do Senado, o STF firmou entendimento de que réus em ação penal (presidentes da Câmara e do Senado) não podem eventualmente substituir o presidente da República, segundo o Estadão Conteúdo.

JustiçaFicha Limpa é válida

Já a situação de Bolsonaro traz uma outra discussão: a possibilidade de um candidato (réu em ação penal) ser eleito especificamente para a Presidência da República e assumir o comando do Planalto. Ou seja, não se trataria de eventualmente substituir o presidente da República, e sim de ser eleito já para o cargo e assumi-lo. Indagado sobre as incertezas em torno de uma eleição presidencial marcada por questões jurídicas, Celso de Mello disse que, quanto à Lei da Ficha Limpa, o STF já entendeu “por maioria expressiva que ela é válida”.

Jurisprudência dará resposta

“Então, essas questões mesmo que sejam renovadas, possivelmente já terão uma definição estabelecida pela própria jurisprudência”, comentou Celso de Mello, sem citar nomes de candidatos. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) foi condenado a 12 anos e um mês de prisão pelo Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro no caso do triplex de Guarujá. Com base nessa condenação, o petista está enquadrado na Lei da Ficha Limpa. O decano do STF disse que vai acompanhar os debates dos candidatos.

PLANO DE VOO

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes