Compulsão alimentar: entenda a polêmica com Dani Noce

Influenciadora digital comparou açúcar a drogas e mencionou necessidade de restrição alimentar.

Dani Noce causou polêmica na web. A influenciadora digital, que ficou conhecida quando produzia conteúdo de confeitaria,  comparou açúcar a drogas, como cocaína, e disse que procura ficar longe dele para controlar a compulsão alimentar.

O que Dani Noce compara ‘açúcar a cocaína’

Dani Noce parou de investir em confeitaria em junho de 2019. “Esse é um dos motivos para eu parar de confeitar, porque eu descobri que açúcar com gordura é basicamente cocaína”, disse nos Stories do Instagram, ao responder perguntas de seguidores.

“A comida é socialmente aceita, a bebida, o cigarro, as drogas não são aceitas. Outra questão muito difícil é que você precisa se alimentar. Tem que comer duas, três vezes ao dia. Todas as vezes que você vai comer, você está fazendo uma escolha. E fazer essa escolha certa é complicado”, acrescentou.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

O que é compulsão alimentar?

Compulsão alimentar é o aumento episódico da ingestão alimentar, sendo frequentemente ligada a um distúrbio de ansiedade e/ou afetivo. O paciente come mesmo sem fome e a causa é multifatorial. Pode envolver fatores genéticos, neuroquímicos, psíquicos e socioculturais.

Trata-se do distúrbio alimentar mais frequente, tendo incidência global populacional de 5%. Costuma ocorrer mais em mulheres (60%) e a faixa etária mais acometida é entre 30 e 50 anos.

“Como o paciente não se utiliza de diuréticos ou laxantes para compensar o episódio de comer compulsivo (quando ele se utiliza caracteriza-se a bulimia nervosa), não apresenta as complicações relacionadas a esses usos. Como consequência, a tradução clínica do distúrbio não existe em 75% dos casos. Os outros 25% têm a obesidade como tradução morfológica. É fundamental a história clínica, principalmente na caracterização do hábito alimentar (inventário alimentar completo). Nos Estados Unidos, pelo menos 50% desses distúrbios não são diagnosticados”, informa o site do Hospital Sírio Libanês.

O tratamento deve ser multidisciplinar, incluindo endocrinologista, psiquiatra, psicólogo e nutricionista. Alguns desses profissionais deram declarações em referência à privação de doce/açúcar mencionada por Dani Noce . “A demonização dos alimentos é prejudicial. Pode agravar o quadro. A solução é o equilíbrio, e não a restrição”, disse a nutricionista Thaiz Brito ao Metrópoles.

A influenciadora havia se posicionado contrária àqueles que dizem que restrição pode gerar ainda mais compulsão alimentar. “Então vou deixar na mesa de um drogado cocaína, é sério isso? Vício é vício, quando a pessoa é alcoólatra, quando a pessoa é drogada, quando tem compulsão alimentar. É um vício que precisa ser tratado e precisa ser restrito. Você não deixa drogas para um drogado, não deixa álcool para um alcoólatra, você não deixa doces para uma pessoa que tem compulsão alimentar!”, falou Dani.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes