Conheça as 7 brasileiras que foram destaque na tecnologia em 2020

Os novos mercados de trabalhos são fortemente marcados pela tecnologia e ciência da computação. Contudo, eram áreas compostas majoritariamente por homens.

O mercado moderno está repleto de tecnologia e é marcado pela ciência da computação. As novas empresas se concentram na informática para ampliar os lucros e a produtividade. Contudo, muitas delas também investem na diversidade de colaboradores para fazer suas funções. A partir disso, as mulheres estão ingressando cada vez mais no mercado de trabalho e em empresas novas. Com isso, o público feminino vem se destacando também na área de tecnologia para alcançar novos cargos, comumente ocupados por homens.

Algumas mulheres vêm quebrando paradigmas e brilhando na área de tecnologia da informação. Confira 7 delas:

Veja também mulheres que se destacaram na política. 

Camila Archutti – Mulheres tecnologia

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

mulheres tecnologia da informação
Foto: Forbes/Reprodução

Formada em ciências da computação pela USP, Camila era a única mulher de sua sala. Contudo, hoje ela já tem duas startups milionárias de sucesso. Ela é a fundadora da MasterTech, projeto que dá cursos para a formação de profissionais de tecnologia e a Ponte21, agência de inovação e desenvolvimento de sites e aplicativos. Ambas são focadas em inovação e times diversos. Sua luta é pela desigualdade de gênero dentro do mercado da tecnologia. Camila acredita que quanto mais mulheres ingressarem dentro deste ramo de trabalho, mais o mundo vai se aproximar da igualdade.

Nina Silva

mulheres tecnologia da informação
Foto: Reprodução/Nina Silva

Marina Silva, conhecida como Nina, nasceu em uma favela de São Gonçalo no Rio de Janeiro e recentemente foi reconhecida pela ONU como uma das 100 pessoas afrodescendentes com menos de 40 anos mais influentes do mundo.

Nina Silva é uma das fundadoras do Movimento Black Money (MBM). O MBM tem por objetivo desenvolver o ecossistema afroempreendedor e assim estimular a inovação entre empreendedores e jovens negros.

Dani Junco – Mulheres tecnologia

mulheres tecnologia
Foto: B2Mamy

Segundo um estudo da FGV, de 10 mulheres que engravidam enquanto estão inseridas no mercado profissional, apenas 4 retorna ao trabalho. Foi pensando nisso, que Dani Junco, profissional da área de tecnologia da informação, criou a B2Mamy. Empresa que capacita e conecta mães ao ecossistema de tecnologia e inovação. Para Dani, quando ela ajuda mães, ela está ajudando todas as mulheres.

Flavia Roberta Silvia

Apaixonada por tecnologia desde cedo, quando ganhou um computador de seu pai, Flavia se formou e m ciência da computação da Fatec. Depois ingressou na IBM e não saiu mais, hoje é gerente de projetos na empresa.

Flavia já declarou que “A IBM sempre levantou a bandeira da diversidade. Eu, como negra, me identifiquei”.

Flavia sugere que as mulheres estejam sempre prontas e invistam pesado no networking, pois ele faz a diferença.

Paula Bellizia – Mulheres tecnologia

Foto: Divulgação

A brasileira Paula Bellizia é formada em ciências da computação e é a vice-presidente de marketing do Google para a América Latina.

Contudo, ela também tem experiência em empresas que concorrem com o Google em nível mundial: ela foi country manager da Apple e diretora de vendas para América Latina do Facebook. Além de já ter sido diretora de marketing e operações no Brasil da Microsoft. Todas empresas bilionárias e importantes para a tecnologia em âmbito mundial.

Paula foi eleita uma das executivas de TI do ano em 2018, com um projeto chamado Laboratório de Tecnologia Avançada, quarta unidade no mundo e a única no Hemisfério Sul.

Regina Acher

regina acher
Foto: F6

Regina trabalhava na área de tecnologia quando decidiu que queria ajudar na capacitação de mulheres nesse âmbito, que é mais explorado por homens.

Por isso, quando conheceu uma das fundadoras do Laboratoria, ONG peruana que capacita mulheres para a área de tecnologia, decidiu trazer a ideia para o Brasil.

A Laboratoria já formou mais de 1800 mulheres na América Latina e Reigna conseguiu trazer a iniciativa ao Brasil.

Ana Lucia Salmeron

A engenheira eletrônica seguiu o caminho da tecnologia, pois queria ter sucesso e gostava muito da área de exatas. Além disso, seu pai era engenheiro. Há mais de 30 anos nesse ramo, Ana Lúcia Salmeron é diretora do segmento Buildings para a América do Sul.

A engenheira já declarou que seu defeito é a buscar muito a perfeição. “Sempre busquei a perfeição, e muitas vezes isso faz com que nós, mulheres, evitemos entrar em situações para não falhar. A mania de fazer tudo perfeito da primeira vez nos impede de crescer”, explicou.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes