Caminhoneiros planejam fazer nova paralisação em fevereiro

Em 2018, a categoria realizou uma greve de 10 dias entre maio e junho, que acarretou em grandes perdas para a economia brasileira.

O Conselho Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC) está planejando fazer uma paralisação dos caminhoneiros no Brasil a partir do dia 1° de fevereiro. A greve havia sido aprovada no final do ano passado, em reunião do CNTRC. Contudo, a paralisação está gerando uma divisão de opiniões dentro da classe.

Paralisação dos caminhoneiros

A decisão final foi tomada na última terça-feira (5), na Assembleia Geral Extraordinária do Conselho Nacional de Transporte Rodoviário de Cargas (CNTRC).

A principal reivindicação é contra a alta no preço dos combustíveis. Mas outras pautas também são analisadas como o piso mínimo de frete do transportador autônomo rodoviário de cargas e um marco regulatório do transporte de cargas.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

Divisão de opiniões

Mesmo que a greve tenha sido aprovada existem divisões dentro da categoria. Alguns sindicatos querem que a greve acontece no próximo mês, outras acreditam que não é a melhor opção no momento.

“Não é o momento para qualquer paralisação, já que ainda está vigente o decreto presidencial que torna o transporte de cargas um serviço essencial. Qualquer paralisação do transporte nesse momento pode se tornar um crime para quem promoveu e para aderiu à greve. Entendemos também que a greve tem cunho político e não de benefício à categoria”, argumenta Everaldo Bastos, Presidente do Sindicato dos Caminhoneiros Autônomos do Vale do Paraíba (SP).

Já segundo o Sindicato dos Transportadores Autônomos de Bens de Feira de Santana e Região (Sintracam), a orientação é que no dia 1º de fevereiro os caminhoneiros fiquem em casa. “Nas rodovias, só vai passar ônibus e carro pequeno. Caminhão não passa”, diz o representante de classe.

Paralisação dos caminhoneiros 2018

Em 2018, a categoria ficou 10 dias em greve. A maior reivindicação era por conta da alta nos preços do diesel. Por isso, a classe parou e desorganizou vários setores do Brasil, principalmente a economia. Segundo estimativas da Fundação Getúlio Vargas (FGV), o Brasil perdeu cerca de R$ 10 bilhões por dia.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes