Dólar alto é bom ou ruim para a economia? Entenda como funciona

Em 2020, o real foi a moeda mais desvalorizada dentre 30 outras, segundo a FGV. O que isso significa na prática?

Um dólar mais alto pode ajudar alguns setores e prejudicar outros. Tudo depende da perspectiva e de outros pontos, como a estabilidade de um país.

No último ano, a moeda brasileira perdeu muito valor para o dólar. Para se ter ideia, no começo de 2020, cada dólar valia R$ 4,02. Atualmente, está além de R$ 5,40. Quando existe esse movimento, é normal que as pessoas se perguntem sobre as consequências. Afinal, dólar alto é bom ou ruim para o bolso e a economia? Vamos explicar.

Primeiramente, entenda que sempre há pontos positivos e negativos quando se trata de um dólar alto. Tudo depende da perspectiva e de outros pontos do cenário econômico que são muito importantes.

A primeira desvantagem é óbvia para qualquer pessoa que gosta de viajar. Isso porque se torna muito mais caro ir para o exterior portando reais. Com a moeda nacional valendo menos, também fica mais difícil fazer intercâmbios e até viagens de negócios. 

Assim, a tendência, em um período sem pandemia, seria o brasileiro viajar menos para fora e mais dentro do próprio país. Neste caso, poderia ser um ponto extra para o turismo interno, mas um ponto a menos para quem estava planejando ficar um tempo fora do Brasil.

 

Dólar alto também pode ter vantagens 

 

Com relação a aspectos macroeconômicos, um dólar alto significa que as importações ficam mais caras, assim como produtos cotados em dólar, matérias-primas e determinados insumos. Se um produto final depende de um insumo que tem preço relacionado ao dólar, isso também acaba encarecendo o preço para o consumidor. Até o pãozinho pode ficar mais caro. Desse modo, é natural que diminua o poder de compra das famílias. 

Leia também

Bolsa Família 2021: inscritos com NIS de final 9 recebem…

Pagamento do Bolsa Família 2021: veja quem recebe nesta…

Por outro lado, apesar das importações ficaram mais caras, as exportações ficam mais baratas para quem compra, e isso ajuda o país a vender mais. Também fica mais barato para os estrangeiros viajarem para cá, assim como investirem em empresas e projetos diversos. Com isso, a competitividade do Brasil acaba aumentando frente a outros países que têm a moeda mais valorizada. Um setor que costuma se destacar com o dólar alto é o agronegócio.

E é normal, por exemplo, que fundos estrangeiros coloquem mais dinheiro no  Brasil quando a moeda deles está mais cara e outros pontos tornam o país atrativo, como a taxa de juros.

- PUBLICIDADE -

dólar alto
Imagem: Reprodução / Unsplash

O X da questão

 

Conforme explicamos, um dólar alto traz vantagens e desvantagens. Tudo depende da perspectiva. Mas nem tudo são flores e um ponto importante é considerar como está o cenário político e econômico do país. Isso porque em um cenário estável, o dólar alto pode ajudar o país a ser mais competitivo. Mas em um cenário incerto, a percepção de risco dos investidores e empresários aumenta. Ninguém quer colocar dinheiro sem ter certeza de que vai receber de volta. Ou seja, é preciso oferecer mais para atrair investimento.

 

Finalmente, um cenário incerto também traz mais preocupação com a dívida pública e com a continuidade de políticas e reformas. Havendo mais risco de receber, é normal, por exemplo, que isso gere aumento de taxas caso empresas brasileiras precisem tomar dinheiro emprestado fora do Brasil. 

 

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes