Covid-19 na Alemanha: Angela Merkel pede restrições mais duras

A chanceler Angela Merkel pede restrições mais duras à vida pública na Alemanha antes do Natal para conter o aumento de infecções da covid-19.

A chanceler Angela Merkel pede restrições mais duras à vida pública na Alemanha antes do Natal. 

Ela se manifestou explicitamente a favor das recomendações que a Academia Nacional de Ciências da Alemanha, Leopoldina, divulgou na terça-feira (8).

De acordo com as recomendações, eles pedem o fim da frequência escolar obrigatória a partir de 14 de dezembro e um período prolongado de férias escolares de Natal. Bem como o fechamento total de todos os negócios, exceto os essenciais, a partir de 24 de dezembro.

Merkel disse que se opõe à abertura de hotéis para que as famílias possam se reunir durante os feriados de Natal e Ano Novo. Além disso, concorda com as recomendações de fechar as lojas após o Natal até 10 de janeiro.

 

Angela merkel pede restrições mais duras
Imagem: reprodução /unsplash

Angela Merkel pede restrições mais duras

Merkel fez seus comentários no Parlamento Bundestag na manhã de quarta-feira (9), como parte do debate sobre o orçamento do governo para 2021. 

Esses debates são tradicionalmente uma oportunidade para fazer um balanço do desempenho do governo no ano anterior.  Além disso, a aposentadoria planejada de Merkel acontecerá em 2021 após 15 anos no poder. Isso significa que este foi seu debate final sobre o orçamento.

Merkel resistiu às críticas sobre a forma como seu governo lidou com a pandemia do coronavírus, argumentando que o país está passando por uma “situação excepcional”.

“A chave mais importante para lutarmos com sucesso contra o vírus é o comportamento responsável de cada indivíduo e a vontade de cooperar”, disse Merkel à sua audiência composta principalmente de parlamentares sem máscara.

A Alemanha está lutando para lidar com a pandemia. O Instituto Robert Koch, autoridade de saúde pública da Alemanha, anunciou na quarta-feira um número recorde de mortes diárias no país de 590 pessoas.

Assim, isso elevou o número total desde o início da pandemia para 19.932 mortes e 1,2 milhão de infecções.

“Quinhentas mortes por dia é inaceitável”, disse Merkel em seu discurso, que os observadores na Alemanha apressaram-se em descrever como incomumente pessoal e emocional.

Fonte DW
Você pode gostar também
Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.