Barbados removerá a Rainha como chefe de estado no próximo ano

O governador-geral da ilha caribenha afirma que “chegou a hora de deixar totalmente para trás nosso passado colonial”.

Barbados removerá a Rainha como chefe de estado ´para se tornar uma república no próximo ano, segundo comunicado. 

A ilha caribenha disse que quer “total soberania” quando comemorar seu 55º aniversário de independência do Reino Unido em novembro de 2021.

Um discurso escrito pela primeira-ministra de Barbados, Mia Mottley, citou seu primeiro premiê, Errol Barrow, que alertou contra a “vadiagem em instalações coloniais”.

Lendo o discurso, a governadora-geral de Barbados, Dame Sandra Mason, disse: “Chegou a hora de deixar totalmente para trás nosso passado colonial”.

- CONTINUE DEPOIS DA PUBLICIDADE -

“Os barbadianos querem um chefe de estado barbadense. Esta é a declaração final de confiança em quem somos e no que somos capazes de alcançar”.

Bem como acrescentou “consequentemente, Barbados dará o próximo passo lógico em direção à soberania plena e se tornará uma república quando celebrarmos nosso 55º aniversário de independência”.

 

Barbados removerá a Rainha
Imagem: Reprodução / Getty Images

Barbados removerá a Rainha como chefe de estado

Embora a Rainha continue sendo sua monarca constitucional, o país ganhou sua independência da Grã-Bretanha em 1966.

Em 1998, uma comissão de revisão constitucional de Barbados recomendou o status de republicano. Além disso, em 2015, o primeiro-ministro Freundel Stuart disse “temos que passar de um sistema monárquico para uma forma republicana de governo em um futuro muito próximo”.

A maioria dos países caribenhos manteve vínculos formais com a monarquia após conquistar a independência.

Portanto, Barbados se unirá a Trinidad e Tobago, Dominica e Guiana se prosseguir com seu plano de se tornar uma república.

Nesse ínterim, o primeiro-ministro da Jamaica, Andrew Holness, também disse que essa é uma prioridade de seu governo, mas ainda não a alcançou.

Assim, Barbados deu mais um passo em direção à independência do Reino Unido em 2003, quando substituiu o Comitê Judicial do Conselho Privado com sede em Londres pelo Tribunal de Justiça do Caribe, localizado em Trinidad e Tobago, como seu tribunal de apelação final.

Informar Erro

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes