Biden impõe quarentena a estrangeiros que entrarem nos EUA

Recém eleito, o novo presidente dos Estados Unidos da América decretou novas medidas de segurança para contenção do coronavírus.

O recém eleito presidente norte-americano, Joe Biden, assinou quinta-feira (20) um decreto que determina que todos os estrangeiros que chegarem aos Estados Unidos devem ficar de quarentena. O número de dias que os viajantes devem ficar isolado será definido de acordo com as orientações do CDC [Centro de Controle e Prevenção de Doenças]. Além disso, para entrar no país, os estrangeiros devem apresentar um teste de COVID-19 negativo antes de entrar no avião.

Essa foi uma das medidas que o presidente já fez durante seus primeiros dias de mandato.

Biden impõe quarentena a estrangeiros

Biden decretou que os viajantes aéreos devem fazer uma quarentena ao chegar nos Estados Unidos. Embora não tenha especificado o tempo do isolamento, CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) recomenda 7 dias. Mas para pessoas que tiveram contato próximo com um caso confirmado de Covid-19 a recomendação é que fiquem isolados por 14 dias.

Também não se sabe qual será a punição para quem descumprir o decreto.

Ademais, Biden tornou obrigatório o uso de máscara em todas as viagens interestaduais dentro do território norte-americano, incluindo em aviões, barcos, trens e ônibus.

Além disso, quase todas as viagens não essenciais nas fronteiras terrestres dos EUA com o Canadá e México foram suspensas até 21 de fevereiro. Biden também está negociando com os países vizinhos, México e Canadá, para impor as restrições para quem entrar nos EUA por via terrestre.

“Garantir que as pessoas possam viajar em segurança é crítico para as famílias e para reiniciar a economia”, diz o plano do novo governo.

- PUBLICIDADE -

O plano completo contém 200 páginas que explicam as medidas que o país vai tomar para fazer o controle da pandemia.

Biden impõe quarentena: pronunciamento

Leia também

Primeiros casos da gripe aviária H5N8 são reportados na…

Papa dá à Cúria Romana livro para meditação durante a…

biden quarentena
Posse de Biden (Foto: Reprodução/Instagram)

O presidente declarou em um pronunciamento que gerenciar a pandemia é uma “tarefa de tempos de guerra”. Pois, segundo ele, 400 mil americanos já morreram de COVID-19, um número maior que na segunda guerra mundial. Contudo, Biden foi firme ao dizer que o país vai sair da pandemia.

“Os casos continuarão a se acumular. Nós não entramos nessa bagunça do dia para a noite, e vai levar meses para que nós viremos o jogo. Mas deixem-me ser claro: passaremos por isso. Derrotaremos essa pandemia”, declarou.

Até o momento, os Estados Unidos já registraram mais de 24,5 milhões de casos e 408 mil vítimas de coronavírus. O atual presidente já tomou duas doses da vacina da Pfizer contra a COVID-19.

Decisões politicas

Além das medidas mais restritivas para frear a disseminação da COVID-19, Biden também tomou algumas decisões políticas, que vão contra as medidas que o último presidente Donald Trump tomava.

- PUBLICIDADE -

Biden tomou posse na última quarta-feira (20) em um evento sem público na capital Washington. Seu opositor derrotado, Trump, não compareceu ao local.

Os Estados Unidos voltaram a integrar o acordo de Paris. O país tinha deixado de participar do acordo do clima em novembro de 2020.

Os EUA voltaram a integrar à Organização Mundial de Saúde (OMS). Trump tinha decidido sair, pois acreditava que o órgão estava ligado aos interesses da China.

Biden suspendeu a construção do muro na fronteira comum entre Estados Unidos e México, que havia sido determinada por Donald Trump anteriormente.

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você esteja de acordo com isso, mas você pode optar por não participar, se desejar. Aceito Mais detalhes